Pular para o conteúdo principal

...nas Teresas, nas Gis e nas Marias todas, amém!



"Em Teresa brotou a Rosa" é o título dessa tela que fiz há algum tempo e que foi comprada pela querida Gi - Gislaine. Ela e o Christian caíram de amores pela "Teresa" e foram buscar a tela em São Paulo. Desde então, ela está na sala deles lá nas Suíças...

A "Teresa" acompanhou os primeiros tempos do casamento dos dois apaixonadíssimos e pôde ver a Gi de barrigona, coisa que eu não consegui. Nessa foto que "tomei" do álbum da Gi as duas estão tão cara de uma, barriga de outra que a impressão que tenho é que pintei "Teresa" a partir da Gislaine, embora engravidar fosse apenas um projeto da Gi, quando ela conheceu minha pintura. 

É interessante demais pensar em como o que vemos e sentimos pode afetar o que somos. Enquanto alguém pode olhar pra esse mesmo quadro e sentir algo ruim, ou detestar a idéia e as cores, outra pessoa pode ficar em êxtase com ela. Eu acho magnífico o que uma pintura, uma poesia, uma música pode fazer com a gente...

Semana passada, por exemplo, a Irene, minha sogra, me disse que uma foto que pus no blog comigo, Ângelo e Re juntos é quase idêntica a uma pintura que fiz da Sagrada Família há um tempo e dei para duas pessoas da família dela de presente.

Curioso tudo isso... curioso como a Gi poderia ter se espelhado nas cores da "Teresa" quando pôs sua blusa rosa e sua barriga cheia de Ana Carolina para posar na foto no dia do chá de bebê de sua esperada. Curiosíssimo pensar como eu posso ter em mente, sem querer, que minha pequena família é um tanto "sagrada" e posar para fotos na mesma posição que fiz meus quadros ou fazê-los de forma que lembrem àquela admirada família, mesmo quando não a tenho em mente conscientemente. Viagens minhas, talvez. Talvez não.

Bom, o fato é que, depois de meses de paixão e espera, em Gislaine brotou a Ana Carolina que nasceu no dia 21 de setembro.

E vendo essa foto tão linda e única das duas aí, coladinhas uma na outra, a mãe cheia de orgulho, a filha cheia de segurança junto dela, eu fiquei pensando que a cada nascimento todo mundo se torna um pouco sagrado. Toda mulher é um pouco "Maria" ao carregar dentro de si uma criatura cheia de vida e ao dar a luz a ela depois... 




Todo homem é um pouco José, quando segura nos braços o fruto do seu fruto, como o Christian nessa foto abaixo, todo bebê, um milagre...

Acho que foram idéias assim que me levaram a pintar "Em Teresa brotou a Rosa" e outras telas mais... A gente tem mais de idealismo e pureza dentro de si do que assume e a vida é mais arte do que a gente imagina. 


Comentários

Márcia disse…
O quadro é lindo! A Gis é a cara da Teresa! E o texto é delicado. Um primor!
Beth/Lilás disse…
Beleza! E ainda por cima pintora!!!
bjs cariocas
Somnia Carvalho disse…
Obrigada Márcia! Valeu por levantar minha bola toda vez Lilás!!!
Unknown disse…
Querida Sonia,
muita obrigada pela homenagem - homenagem, pois é assim que eu a entendo! A Teresa continua florindo por aqui, independente das estações. E eu flori também, junto com a minha Ana, toda cheia de graça. O Christian se delicia com suas duas mulheres, e nós, claro, abusamos um pouquinho da boa vontade paterna.
Infelizmente não achei o texto. Deve ter se perdido em algum computador que passou por aqui. Culpa deste meu marido da informática, que adora brinquedinhos novos.
Deixo um beijão imenso pra vocês. Vou pedir pra folhas amarelas de sol carregarem até a Suécia

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que