Pular para o conteúdo principal

Meu pé de jaboticaba

("Jaboticabas, foto de Bruno Guimarães) 

No quintal do sítio de minha amigona do coração, Susette, havia os pés de jaboticaba mais lindos que eu já vi na vida.

Em uma das minhas idas à Bragança Paulista, em novembro de muito tempo atrás, os pés estavam carregadíssimos. Elas estavam grandes, brilhantes e era impossível não querer comê-las aos montes.

Eu e Mércia, outra amigona, nos desesperamos. Tomamos nossas camisetas, assim, como quem puxa um avental, e fomos colhendo. Colhendo e chupando ao mesmo tempo. Parecíamos crianças desesperadas e sem controle. A cada bolota preta na boca, um estouro... Uma delícia. Um gosto tão doce. Um gosto tão especial e único...

Comemos sem conseguir pensar. E ficamos duas semanas sem conseguir... pensar. 
Foi terrível. Desde então, passo pelas feiras de São Paulo e meus olhos brilham. Tento não deixar a criança gulosa dentro de mim me dominar, então, compro sempre um pacotinho muito pequeno. Com pacote pequeno não tenho problema de me entupir. Melhor não ter da "droga" em casa, para não me matar de comer. 

Está chegando o mês de novembro e já é época de jaboticabas no Brasil. Quem me lembrou isso foi uma terceira amigona do coração, a Mafer, que tá gravida de alguns meses, e me mandou um email só me lembrando que ela comeu uma porção delas essa semana e que lembrou-se de mim. Lembrou de me lembrar que aqui, na terra organizadinha, bonita e geladinha, eu não tenho como subir num pé desses ou como comprá-las numa feira de rua. Não tenho como me deliciar com o sabor único do Brasil.

Ela só me mandou o email, disse ela, porque me ama. Claro. Amigos servem para se entupirem de jaboticaba com a gente, ou se entupirem pela gente. 
 
Tem problema não... Minha mãezinha, outra louca por jaboticabas, plantou um pézinho há algum tempo no quintal dela e em alguns anos eu poderei fazer o mesmo com alguma querida amiga também...

Comentários

Beth/Lilás disse…
Hummmmm, já tá cheio por aqui nas feiras e supermercados.

Vou prá Petrópolis daqui há pouco e lá também tem muitas árvores com esta frutinha, mas quem come as da minha vizinha é o gambá. Eles adoram subir e pegar as frutinhas agarradas no tronco. Uma vez dei um berro quando vi um lá comendo. Acho que o bairro inteiro ouviu. Morro de medo desses roedores! hircc
Deu dor de barriga, né!!! Rá

beijocas cariocas
Beth/Lilás disse…
Sonia, querida!
Como eu disse ainda há pouco, vou para minha casa de Petrópolis mais tarde. Já arurmei as tralhas no carro e, agora tô aqui de bobeira, numa tarde fria e cinzenta demais para um HelldeJaneiro, esperando dar a hora de pegar o marido nas barcas e subirmos a serra.

Aí, volto-me para o meu vício. Ler blogs maravilhosos, assim como o teu.

Aproveitei para ler os antigos posts e fiquei absolutamente apaixonada como você escreve bonito, como você é feliz, mesmo saudosa, como vocês estão aproveitando o melhor da vida nesta idade tão boa dos "entas".

Amei o post em que vocês estão na foto num barquinho e se beijando; amei aquele em que vc fala da sua vinda para o Brasil e depois a chegada com as árvores e folhas amrelinhas aí em Malmo; a história bonita e bem retratada por você com tanto carinho sobre sua sogra Irene e seus ancestrais até a viagem à Itália.
Fiquei até pensando nos meus antepassados que são também italianos e que eu nem sei nada deles - Napoliones Quintieris - e me deu até vontade de resgatar isso um dia, quem sabe!

Lindos posts! Não deu prá ler tudo, mas senti pena de não ter conhecido teu blog há tempos, senão não me passaria um desses sem comentários. Não merece, alguém que escreve tão bem e com tanto carinho e saudades, não ser lida e comentada.

Virei sua fã ardorosa e parabéns, menina!
Você é dez!
beijins cariocas
Somnia Carvalho disse…
Lilás,

Ai que delíiiicia poder pegar as coisas e subir a serra!
Tô subindo a serra de vontade de fazer isso! rs..
e ainda por cima comer jaboticabas!!!

Aqui o tempo tá muito bom! Fez 14 ontem e 12 hoje! tá uma delícia! haha...

Eu fico imensamente feliz de você ter encontrado os posts antigos... alguns que vc citou são dos que mais gosto! especiais mesmo...

aquela foto em Paris é uma que tenho no porta retrato até hoje. O texto de minha sogra e sua família eu acho realmente muito bonito, embora seja meu! rs... e eu adoraria que mais gente o encontrasse com o tempo. O lado bom é que uma pessoa pode passar por acaso pelos textos antigos, procurando por coisas na rede.

Eu sempre recebo comentários dos posts antigos, de gente que leu um texto de um ano atrás só agora e adorou... elas me escrevem e eu publico e respondo mas voces nao ficam sabendo, porque tá lá atrás, não é algo do dia.

Acho que esse treino com o blog tem me dado cada vez mais vontade de escrever, escrever e me arriscar.

um beijão e um adorável fim de semana no seu canto maravilhoso
Ma disse…
Oi, conheci seu blog agora paseando pela net e gostei do seu jeito de escrever. Tb tenho um blog, é o www.saiaxadrez.blogspot.com onde conto meu dia a dia aqui na Escócia, nosso pouso no momento. Apareça! Bjs Marcela
Somnia Carvalho disse…
Olá Marcela!

seja bem vinda!

passarei pelo seu espaço sim e quem sabe fico sabendo mais sobre a Escócia além de saber que os homens adoram beber e usar saia... rs...

beijos

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que