Pular para o conteúdo principal

Papo cabeça com o taxista inglês

(Em Londres, os táxis são um dos charmes e atração da cidade... Aqui, alguns taxistas de nariz empinado, em frente a Abadia de Westminster, setembro de 2008) 



Um taxista super inglês, com cara de se chamar "Sir John Alguma Coisa", pai de cinco - cinco! - filhos e amante de sua cidade, me encheu de perguntas durante o trajeto da casa de minha amiga Lujan até o aeroporto London City. "John" quis saber tudo sobre o Brasil, os brasileiros e também sobre o que eu achava da Suécia. Tudo isso, numa simpatia tremenda e num sotaque inglês lindíssimo. Coisas que, à primeira vista, nem combinariam assim.

A certa altura, depois de querer saber o que eu havia estudado e eu ter lhe dito "Filosofia", ele me perguntou:

- Você estudou Filosofia? Hum... Interesting... E qual é a sua filosofia de vida?

Não desdenhei a pergunta... Ao contrário. Olhei pelo vidro do carro, com as mãozinhas do Ângelo nas minhas e respondi mais ou menos assim:

- Trabalhar apenas naquilo que gosto, mesmo que não ganhe muito dinheiro. Ter saúde. Lembrar me sempre que dinheiro serve para comer o que gosto, presentear quem amo e viajar para conhecer gente e lugares diferentes. Priorizar as pessoas e não deixar que a correria priorize as tarefas e as coisas. Ser uma pessoa responsável e ética o melhor que conseguir.

O "John" sorriu no retrovisor e não sei direito o que ele achou da resposta. Eu voltei os olhos para o trânsito e sorri satisfeita. 

Eu sabia que o que desejo pra mim não é muito. Aliás o fato de eu querer não significa que eu consiga ou conseguirei sempre aplicar o que penso, mas não me importei no momento. Fiquei foi muito feliz de poder falar de coisas assim com alguém como o "John". Coisas sobre as quais a gente normalmente não tem tempo ou não acha importante o suficiente para papear... No dia-a-dia resta só questões práticas e pouca filosofia. 

Adorei ter cruzado com o taxista inglês que era muito mais que um taxista inglês. Fiquei feliz em constatar que uma de minhas "filosofias de vida" estava se concretizando, pois a viagem a Londres estava me proporcionando, entre tantas coisas incríveis, conhecer gente como aquele especialíssimo "Sir John" de quem eu até me esqueci de perguntar o nome.

(Eu e Ângelo no quintal gostoso da Lujan e do Ted, aplicando uma das minhas "filosofias" de deixar a criança rolar, experimentar, sentindo a terra nas mãos e viver...Londres, setembro de 2008)

Comentários

Anônimo disse…
Oi, Somnia!
Vim agradecer seu comentário lá no Monalisa de Pijamas e dizer que adorei seu blog! Esse texto sobre o taxista inglês está divino!
Beijos!
Beth/Lilás disse…
Nossa, tudo o que você falou é correto e eu assino embaixo! Também acho que estas são as melhores coisas da vida.
E eu acrescento mais uma: Dar valor ao que temos ou "carpe diem", englobando a idéia de apreciarmos o que temos em vez de lamentarmos o passado ou nos preocuparmos com o que não temos.

Ih, veja só eu, filosofando!!!

À propósito, sei que vc não gosta de elogios, mas vc está uma "linda mulher"!
beijão carioca e durma bem aí na sua Malmo geladinha.
Somnia Carvalho disse…
Lilásoca,

é isso... tem dia que simplesmente penso: pra que vou gastar tanto tempo e energia com essa idiotice mesmo? nada disso! vou catar coquinho na descida que eu ganho mais!

eu não sou uma pessoa super positiva, na verdade eu luto para não ser tão pessimista, então, preciso mesmo de um ideal de vida para tentar segui-lo sem perder de vista...

ah! sobre os elogios: como qualquer pessoa normal, qualquer blogueira tenho minha porção narcisista e gosto sim dos elogios... Eu gosto, mas eu não sei lidar com eles. É como se la no fundo eu não acreditasse! haha... coisa de gente maluca, sabe? então... mas obrigadíssima, adorei e vou tentar acreditar que ele e muito verdadeiro mesmo.
Somnia Carvalho disse…
Hey Phoebe!

Acho que o seu texto acabou me inspirando a escrever o post que já tinha na cabeça, mas estava quase me esquecendo.Eu gostei muito dele e gosto bastante do Monalisa. Só nunca ouvi os tais monacasts, porque alem do texto ser bem mais rápido eu acho que ainda sou das antigas... adoro texto escrito!


beijão!
Daniela disse…
Somnia,
por que eu tenho que chorar toda vez que visito o teu blog?
Somnia Carvalho disse…
Daníssima, isso porque eu sou uma personalidade sádica mascarada de boa moça...

uso de todas as táticas possíveis para ver, ou imaginar, que quem está do outro lado possa chorar...

puro prazer! rs...

adorei saber que vc chora... eu non sabia... bjs

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que