Pular para o conteúdo principal

Ainda bem que a gente muda...


(Rotina do inverno no fim de semana: Renato e Ângelo brincando na chuva,  antes de pegar o pão no mercadinho da esquina para o café, setembro de 2008)


Agora há pouco eu estava voltando da academia, pedalando minha Madalena. Passei pelo canal, com névoa em cima da água, e fiquei olhando as árvores já sequinhas à beira dele. Os 9 graus no termômetro não são nada do outro mundo mais, mas algo em que consigo me sentir "confortável" e, muitas vezes, bem feliz. Não preciso de casacos terrivelmente quentes e nada próximo do que usava quando cheguei com a mesma temperatura, porque sinto que meu corpo se adaptou muito neste um ano e pouco.

É quase inacreditável que sou a mesma que, há alguns anos, usava meia, cachecol e casaco com 25 graus e reclamava de frio com vinte e poucos. Talvez eu seja a mesma, mas, claro, não seja mais a mesma. E isso é fantástico.

É legal ver como se pode aproveitar o dia, ainda que seja com chuva, com frio ou com neve. Num lugar onde não faz trinta e poucos graus o ano inteiro, a gente aprende a valorizar cada saída do sol, cada pocinha de água onde se possa brincar, cada dia sem vento forte. E eu já não acho que são uns "coitados" aqueles que precisam viver em lugares assim, ao contrário, eu acho que a gente pode viver muito bem, mesmo sem passar um calorzão e acho que uma vida assim exige certa disciplina e organização que me fizeram um bem danado. Como eu já disse, não é o frio o problema daqui, mas o lado "negro" do inverno...

Aliás, desse friozinho eu tenho certeza que irei sentir muuuita saudade, dessa atmosfera que só se pode viver e entender quando se vive num lugar onde as quatro estações nunca deixam de dar as caras.

Voltei pra casa hoje com a sensação de que a gente pode muito, só não sabe os limites até testá-los. 

Comentários

Anônimo disse…
Oiieeee!
Eita, quero só ver esse frio!
Eu adoro frio...
Mas meu namorado está já me fazendo um "terrorismo".. por faaaaaaaaaavor vem agasalhada "Janina" (p ele e os outros suecos, Janaina é super dificil de pronunciar...) Nada de roupas pequenas, ta frio, vc vai senntir mt frio blablabla;;

hehehhe

Mas, to bem curiosa..
Aqui em Brasilia, chove e 2 minutos dps ta 28 graus...

vai ser uma mudança e tanto!

bjus mil!
Beth/Lilás disse…
Você tem toda razão, querida.

Quando morei numa cidade fria, muitas amigas cariocas falavam a mesma coisa "Não sei como você aguenta este frio daí?" No início passei mesmo frio, mas depois fui me adaptando, aprendendo a lidar com o frio e o corpo também se aclimatando. É bom demais!

E vocês aí, num país tão rico, não tem muitos problemas, porque todo e qualquer lugar é aquecido. Quase nunca sente-se frio, exceto se vc ficar andando por horas nas ruas, sem o agasalho adequado.

Vou te dizer uma coisa: os brasileiros sentem muito mais frio aqui no inverno porque não teem o conforto que os países frios teem.
Nossas casas não são preparadas para enfrentar baixas temperaturas, haja vista que só vemos aparelhos de ar condicionado nas casas e quase ninguém sabe do conforto dos aquecedores para o inverno.

Eu amo frio e ainda mais agora que a menopausa resolveu vir com aqueles calorões e aí, já viu né! Quando tá calor, enfio a cabeça dentro do freezer. hehe
Ou subo a minha serra gelada e fico por lá uns dias.

Aproveite estes bons momentos para ficarem juntos, ler, jogar alguma coisinha com o baby e se enrolar num edredom e ver um filminho bem romântico com seu gatão aí.

beijos cariocas

PS: sabe qeu aqui tá fazendo friozinho nesta primavera?
Somnia Carvalho disse…
Jana,

Se você permite conselho de graça e talvez um bom conselho seria: venha com uma roupa quentinha, mas não traga roupas de frio do Brasil. Elas não servem pra nada aqui, porque o nosso frio daí são os 15, 12 graus e aqui frio é friiiio mesmo...

Eu me acostumei e hoje uso menos roupas que antes, mas acho que a grande diferença é que uso roupas adequadas. Comprei um ou outro bom casaco, botas boas, meias, cachecois etc...

Aqui voce pode comprar um excelente casaco por uns 150 reais e passar o inverno com ele. Te levo nas lojas legais e de preço bom!

E tambem nao adianta muito trazer muitos sapatos e acessórios... o que eu trouxe do Brasil ta quase aposentado ha um ano e meio...

Que legal! vamos finalmente bater um papo e vou te levar nuns cafés quentihos que têm aqui... se vc tiver tempo além de dar beijocas no seu amorzão.

beijos e otima viagem!
Somnia Carvalho disse…
Sim, Lilás!

acho que a grande diferença é o sistema de calefação!

lá fora frio, dentro de casa e dos lugares tudo quentinho e aconchegante... além das super roupas preparadas que a gente não tem e nem precisa aí.

Aí só vestidinho lindo quase o ano todo!

beijocas
Anônimo disse…
Muié

Tô contigo e não abro!
Como disse uma amiga sueca, num dia q me chamaram para uma caminhada no Pildams, e eu tava desanimada por conta do clima: "Não existe tempo ruim... é você que está com a roupa errada." ahahahaha! Nós caímos na risada, mas é uma grande verdade.
Dá pra se divertir (como o Renato e Angelo na chuva) em qualquer estacão do ano... é só querer!

Beijos
Xu
Somnia Carvalho disse…
Muié,

essa é boa mesmo! a gente só precisa comprar a roupa, o sapato e tudo o mais adequado! embora eu prefira fazer lá nosso bodycombatizinho dentro da academia quentinha... hehe...

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que