Pular para o conteúdo principal

Desliga o botãozinho do tempo?

(O frio só estava na minha lembrança registrada em fotos, semana de neve em Malmö, fevereiro de 2007)


A Suécia é uma coisa louca. Há umas semanas atrás eu tinha me esquecido completamente como era sentir frio nessa terra. O calor era tanto, as cores eram tão intensas e a alegria tremenda que a gente rapidamente se esquece e começa a pensar coisas impossíveis como: "se fosse assim sempre..." Agora eu já não me lembro mais como era possível uma vida daquelas lá, daquele verão passado, na mesma terra que agora estamos. 

Eis os quatro lados de uma mesma Suécia!

Embora ainda falte quase dois meses pro inverno do calendário chegar, aqui a gente já tá sentindo um frrrriiiiio no meio da rua que ui! Já tenho saudade daqueles doze graus de duas semanas atrás. Tava tudo tão quentinho e eu me sentia toomm adaptada

Acordamos hoje com 5 no termômetro (ainda positivo, mas nem parece!). Nesse momento temos vento de 42 km por hora e no fim de semana tem previsão de neve, menos alguma coisa. Já falei como essa época tem uma mágica e a neve ajuda no clima de Natal, mas se tivesse como pedir pra parar o termômetro no cinco de agora já tava satisfatório de clima de inverno já...

Como não dá, já tirei hoje o casaco mais grosso, a bota cheia de pelo de esquimó dentro e estou mais ou menos preparada... Eu e minha pequena família... A única coisa ma-ra-vi-lho-sa disso tudo é ter uma casa quentinha quentinha pra ficar... ui ui ui ai ai ai...

Comentários

Beth/Lilás disse…
Ô dona "coisinha"!
Meus comentários não tão entrando porrrrrquê? haha
Já fiz dois comentários e não os vi, acho que estão perdidos pela blogosfera!
Quer fazer o favor de achá-los?
bjs da dona "coisona"!
Anônimo disse…
O meu aquecimento precisa reparação. Tou morrendo de frui já, e tou no Mediterrâneo, vê se pode !
Somnia Carvalho disse…
Dona Coisona Fofa,

entrou!!! obrigada pelos comentários!!!
Somnia Carvalho disse…
Jo Ann,

tá de casa fria??? uiuiui coitadinha!
Beth/Lilás disse…
Agora vê, eu me matando na malhação e a Denise Arcoverde me intitula de fofa, pode!?
Pior é que tô mesmo, móooito fofa!
Vamos malhar, minha gente!
bjs cariocas
Beth/Lilás disse…
Bom dia e boa tarde aí, Somnia!
Esses bonecos-esculturas-músicos ficam o ano inteiro neste lugar?
Fiquei curiosa agora!
São muito bonitinhos.
bjs cariocas
Anônimo disse…
Oi Somnia!
Eu que ja moro aqui faz quase 20 anos tenho que dizer que de um ponto de vista egoista estou super contente e agradecida de que ainda temos 5 graus positivos mas acima de tudo de ver o SOL!!!por outro lado o meu lado "altruistisk synpunkt"(nao sei como se diz em portugues...sorry)sinto uma culpa enorme porque este fenomeno e culpa nossa, do consumo descabelado dos resursos da MAE TERRA. Sei que e dificil mas e necessaria uma conscientizacao dos humanos.(com certeza 50%do que escrevi e sueques, mas espero que vc entenda oque eu quero dizer;))
Peace!
/JR
Lúcia Soares disse…
Não vou aí, não...já falei!
Rsrsrsrsr
Somnia Carvalho disse…
Lilás, as esculturas ficam aqui no centro da cidade, ano todo! você pode conferir quando quiser, sem ter que passar frio! rs... adoro também!
Somnia Carvalho disse…
Lúcia, você deveria vir, sabe pruquê?

porque é mooooito diferente a cada estação. E só estando aqui e vivendo a diferença pra você entender o que tô dizendo! então, se tiver oportunidade, vem simmmm!
Somnia Carvalho disse…
Jéssica, querida,

adorei seu comentário e talvez eu o desenvolva num outro post... é verdade, já falei muito aqui que a diferença é a escuridão... mas você tem razão! só posso estar pegando esse quentinho de 5 agora porque a gente detonou com o planeta, senão sei que estaria bem mais geladinho do que agora!

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que