Pular para o conteúdo principal

O curioso caso do menino invisível

(Pôster do intrigante e comovente "O Curioso Caso de Benjamin Button)

Mais uma estação e as portas do trem se abriram rapidamente. Uma pequena multidão brigou no olhar por um e outro assento, entre eles uma jovem mãe e seu bebê.

Os olhos de Sonildes quase voltaram ao livro deitado em seu colo, mas algo a fez parar por alguns milésimos de segundos meio assustada. O horror estampado na pele, na face de uma pequena criança.

A viagem era rápida e estar ali com mãe e filho em frente, ouvir a mãe cantarolando tão serenamente e feliz com seu filho era uma vivência mais forte do que Sonildes esperara enfrentar naquela rápida viagem de metrô de sua casa até o centro da velha São Paulo.

O bebê era feliz. Sorria e respondia muito aos carinhos da jovem morena, cuja idade provavelmente não passava de uns 26 anos. O que chamava atenção de Sonildes e de todos ao redor era a face do menino. Suas pálpebras caídas e muito avermelhadas ficavam ainda mais à mostra naquela pele toda solta, escamada, como se algum tipo de queimadura tivesse desfoleado cada centimetro daquele pequenino corpo e levantado-a como uma folha seca de outono prestes a cair.

Qual caminho levara aquela mãe e seu bebê até ali? Vindo da estação do Hospital das Clínicas eles obviamente deveriam estar em tratamento... mas teria a mãe deixado seu bebê se queimar? Cantarolava ela tão docemente por culpa? Como viveria aquela criança em seu futuro se a cada segundo os olhos de toda a gente se voltava a ela com pesar?

O livro nas mãos de Sonildes parecia um portal. Ela ia e voltava, tentava fixar os olhos e voltar a sua leitura, mas em cada letra seus olhos mergulhavam num infinito de probabilidades... Lá fora o escuro do túnel e o vulto do menino descamado e sorridente ainda estava ali.

Por que as coisas deveriam de ser assim?, pensou sofridamente Sonildes.

Por que aquela criança e não outra? Por que aquela mãe e não ela ou uma outra? Qual sofrimento ainda estaria reservado para os dois?

Entre os sons estridentes do trem Sonildes fantasiou algumas saídas... Imaginou-se oferecendo dinheiro para que a mãe pudesse pagar para o filho o melhor cirurgião do mundo e seguisse a vida mais tranquila... Viu-se a si mesma dizendo "meu pai é um grande médico e tem uma clínica famosa de cirurgia plástica, tome meu cartão porque faremos a cirurgia e o que for preciso de presente...", mas rapidamente lembrou que nem sua família tinha dinheiro, nem seu pai havia sido médico, nem ela poderia de alguma maneira consertar a vida daquelas duas adoráveis e sofridas criaturas a sua frente.

Em meio a toda aquele tumulto interior, Sonildes pôde ouvir a voz de Prince, o menino a quem dera a luz meses atrás e cujo pai ela ainda não sabia bem ao certo dizer quem era, ecoando em sua mente. Seus sorrisos, seus gestos de amor, seu olhar de cumplicidade. Sua pele lisa, fina e perfumada...

Estranha era a vida...

Parecia um milhão de anos atrás quando ela decidira finalmente desistir de lutar entre seus dois amores, Suécio e Brasil, e decidira levar aquela gravidez adiante sozinha... Se não era possível escolher entre os dois então melhor era não ter pela metade nenhum deles. Doía mais tê-los pela metade do que o contrário. Assim, ao menos, ela tentava ser alguém por inteiro como era antes... Apesar disso, ali, naquele rápido momento no metrô Sonildes se deu conta do quanto as mulheres podiam ser ainda mais fortes quando tinham em seus braços uma criança... E de como podiam agir como anjos ou demônios.

Aquela mãe, de tanto amar, se esmerava em cuidados e fazia daquela criança a criatura mais merecedora de amor da face da terra... embora todos ao redor, de tão chocados, não conseguissem esboçar nenhum sorriso, nenhuma brincadeira, nenhuma alegria. Aquele pobre bebê pura escamas ao mesmo tempo que chamava a atenção de todos era também também invisível...

Sonildes sentia culpa. Embora tendo para si um bebê perfeito e amando-o mais do que a si mesma, não fora capaz de dar-lhe a alegria que qualquer criatura no mundo deseja: ter um pai e uma mãe para amar. Não fora sensata a ponto de revelar ao menos um de seus antigos amores que um deles havia sido pai no último inverno. Por enquanto privava seu doce Prince de ter o abraço e o aconchego do colo de um pai...

A estação seguinte chegara e o homem ao lado levantou bruta e apressadamente acordando Sonildes de seu sono da razão. Então ela conseguiu ouvir uma conversa de alguém curioso com a mãe do menino quem respondia simpática e esperançosa:

- Não... ele não se queimou, ele nasceu assim... é uma doença rara e ele está em tratamento.
- Tem cura? Insistiu a senhora de marrom, enquanto todo o restante de quem ainda estava no trem matava sua própria curiosidade.
- Não... mas ajuda a manter assim e não piorar, respondeu a mãe ajeitando bolsa, criança e casaco ao se levantar e tentar sair do trem...

Então Sonildes colocou bem os olhos sobre as mãozinhas ásperas, enrugadas como a de um velho de 95 anos, daquela pobre criaturinha... Mesmo sentindo-se tão impotente, desejou a ele toda a paz que o mundo pudesse lhe dar, toda a força que uma vida fosse capaz de oferecer. Fechou o livro, colocou-o na bolsa e tomou o telefone...

- Oi! Sim, faz tempo... mas eu liguei porque tem algo muito importante que eu escondi de você...

Comentários

Elisabete disse…
oi! tenho um irmão deficiente e identifiquei nossa história com do menino do post. como moramos numa cidade pequena ele sempre foi alguem que chamava muito a atencao. algumas pessoas tinham pena, outras criancas tirava sarro. a vida para gente que nao é "normal" é sim muito mais dura.

belo post!
Elisabete Moraes, caxambu
Beth/Lilás disse…
Lindo post e ao mesmo tempo tão triste!
As tragédias nas grandes cidades às vezes passam desapercebidas pela maioria, mas os sensíveis, os de bom coração, a tudo vêem e fazem lá dentro de si uma prece, silenciosa, como a que fez, desejando que seu caminho seja abençoado.
um abraço querida Sonildes
Xu disse…
Lindo, baby, lindo! sem palavras, com nó na garganta... só me restou fazer uma oracão por aquela mãe e crianca que nunca vi na vida.
bjs
Lúcia Soares disse…
Muito linda as considerações de Sonildes e muito triste a situação da mãe e da criança. Infelizmente essa é a realidade da vida. Uns têm vida "perfeita", outros sofrem dos mais deversos males e dissabores.
Pensamentos bons, desejo de ajudar, ajuda efetiva, servem para pelo menos amenizar a dor de muitos.
Beijo!
Somnia, o maior problema do mundo é que as grandes tragédias vivem e sobrevivem á margem da realidade da maioria.
Dias felizes

Postagens mais visitadas deste blog

Na Suécia também não tem... bebê com brinco na orelha

("Não tem brincos: é menino ou menina?", criança sueca posa para grife Polarn O. Pyret ) Nove em cada dez vezes que alguém no Brasil tenta ser simpático com uma grávida ou alguém com um bebê de colo a pergunta é sobre o gênero da criança. Menino ou menina? Já repararam? Embora essa pareça ser a única pergunta possível para tanta gente, a verdade é que ela diz muito sobre nosso modo de ser e pensar e a importância que damos ao sexo e a escolha sexual de uma pessoa. Tomemos outra situação: quando alguém olha para um bebê menino nas ruas no Brasil você acredita que haja alguma expectativa quanto a algum sinal, uma marca, deixando claro e evidente se tratar de um menino? E quando encontra uma menina? Bom, fato é que nossa menina Marina agora tem 8 meses e eu simplesmente não tenho condições de contar as dezenas de vezes em que fui parada nas ruas em São Paulo por alguém perguntando se tratar de uma menina ou de um menino.  Até aí nenhum problema! Bebês no começo não tem

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel