Pular para o conteúdo principal

Na Suécia também não tem... cobradora e cobrador de ônibus

(Interior de ônibus do sistema de transporte público de Malmö, sem roleta, sem cobrador)

Terça de mannhã e não posso perder o hábito de? Tá tá tá! Pensar em Brasil e Suécia!

Semana passada, e ontem novamente, tomando ônibus aqui na capital para ir aqui e ali resolver coisas adivinha qual foi o post que pensei não poder deixar passar?

Yes! Na Suécia, assim como em vários outros países na Europa, não tem uma pessoa especial para cobrar as passagens de ônibus no transporte público.

Eu sempre notei isso. Notei logo nos passeios de tempos por algumas capitais européias, mas na Suécia chamava mais ainda a atenção por conta do sistema hiper-mega-blaster organizado.

O sistema em muitos países por onde passei era assim: a gente compra o ticket antes em alguma máquina ou balcão pelas estações rodoviárias e aí deve ter sempre junto da gente porque, tome cuidado! um cobrador pode aparecer repentinamente e checar se você não tentou engabelar o sistema. Então, embora não haja roleta e uma pessoa fixa no trabalho de receber dinheiro nos ônibus, há, contudo, alguém que faz o papel de conferir se a população está agindo eticamente com respeito aos seus deveres.

Isso até é verdade para o sistema de trens suecos e escandinavos, mas não para os ônibus circulares.

Se você for passear pela Suécia (e espero que você realmente vá um dia se ainda não foi!) você deve ter um cartão especial, também comprado em postos especiais espalhados pelas praças e postos rodoviários. Além disso, você sempre deve entrar pela porta da frente do ônibus e encostar, você mesmo, o cartão numa máquina ao lado da motorista ou do motorista.

Ano passado tentou-se até mesmo eliminar o recebimento de passagens com dinheiro, por conta de alguns assaltos feitos aos ônibus em Malmö, mas precisaram rever a idéia e voltou-se a receber em dinheiro, mas isso apenas em determinados horários do dia. A noite, por exemplo, não se pode usar dinheiro para pagamento da viagem.

Em termos gerais, na Suécia, se você não tiver o cartão você deve pagar a passagem para o condutor, quem lhe entregará um ticket de pagamento. Deve, ainda, ficar com seu bilhete, porque ele valerá mais umas 2 horas (não me lembro exatamente o tempo) de viagem pelo sistema gratuitamente.

Não. Não haverá cobrador, não havera roleta, não haverá alguém para checar nada de repente.

Em São Paulo também se implementou o sistema "Bilhete Único" há alguns anos que é otimo, funciona muito bem e ajuda muito. Entretanto, ainda temos a figura do cobrador e cobradora sentados no meio do ônibus, entediados ou falando ao celular, ou fazendo piada com o motorista, recebendo apenas algumas passagens de quem não possui o cartão.

Na Suécia, ao contrário, com o método sobra mais espaço no ônibus, o sistema recebe menos dinheiro o que evita furtos e gasta-se menos com o transporte o que pode custar menos para quem paga a passagem.

A diferença, imagino, deve ter a ver com o número enorme de gente desempregada no nosso país, a oferta de trabalhadores e a necessidade de empregá-los, além do baixo custo de fazer isso. Creio que também o fato de sermos menos organizados e obrigados a possuir o tal cartãozinho. Também porque, ao menos em Sampa, seria trabalho demais passar a tarefa de receber passagens também para o motorista prestes a enlouquecer com o trânsito caótico.

Ainda que eu entenda perfeitamente a situação por aqui vamos combinar que ter cobrador em ônibus é uma coisa, como diria minha mãe, do tempo "dozagás" (da luz à gás) ou, como diria minha sogra, do tempo do onça! E ao menos em cidades menores talvez funcionasse que fosse uma beleza o sisteminha sueco! Ceis não acham não?

Comentários

Lu Souza Brito disse…
Oi Somnia,

Também acho muito prático não ter cobradores, contanto que todos tenham seus cartões.
O problema é o acumulo deles. Eu não tenho o bilhete único, mas tenho um que serve exclusivamente a cidade de Barueri e outro que consigo me locomover pelas cidades vizinhas em determinadas linhas de ônibus (Santana de Parnaiba / Osasco / Itavepi) e também pegar o trem em Barueri com ele.
Se houvesse uma padronização em um unico cartão seria melhor.
Em horários de pico, lá estão os cobradores (mas a MAIORIA) tem os cartões. Quando diminui o movimento, é o proprio motorista quem recebe.
Eu sou a favor do sistema eletronico, mas como aqui cada empresa tem um, fica dificil, porque nao é algo que vc compra so para uma viagem, por exemplo. O meu recarrego mensalmente. Quem vem de fora, sem ter a opção de comprar para uma unica viagem, nao tem outra opção senao o pgto em dinheiro.

Beijooos
Sandra Reynolds disse…
"Ha, ha, ha. Acho que nao ouco o termo "pegar o circular" ha muitos e muitos anos, talvez desde que terminei o segundo grau. Muito bom voltar no tempo. Hoje morando na "Motorcity/Motown" cidade onde estao localizadas tres das maiores empresas automotivas do mundo - sistema de transporte publico acaba sendo extremamente precario comparado com muitas cidades do mundo, praticamente nao existente. Voce precisa de carro ateh para ir na esquina...bjs"
Anônimo disse…
Acho que o sistema de não ter catrata nos ônibus poderia funcionar muito bem em São Paulo.
Ter fiscais passando de tempo em tempo, não é impossível.
Acho, ainda, que a catrata só atrapalha o fluxo de pessoas, sem contar com as escadas ainda existente na maioria.
Nem uso mais ônibus em São Paulo, mas vejo que demora um tempão para todos entrarem.
Se as empresas de ônibus não fosse que o ela são (eu acredito q tem uma mãfia deles aqui em São Paulo), poderiamos andar mais fácil, rápido e mais barato que hoje!

desculpe o desabafo no seu blog, é que eu acho muito interessante como vc vê as diferências entre Brasil e Suécia. de verdade! gosto muito!

bjs
Larissa
Unknown disse…
Oi Somnia,

Uma correção: a Skånetrafiken mudou as regras de novo e desde primeiro de junho não se pode pagar com dinheiro em nenhum ônibus ou trem em Skåne.
Lúcia Soares disse…
Sônia, o sistema de cobrança e nossos ônibus ainda são "uma vergonha" para um país como o Brasil
Que, ainda que pesem tantas mazelas, bem que poderia ser mais moderno nas capitais, que são sempre cidades grandes e bem desenvolvidas.
O fato de pessoas precisarem trabalhar, por isso mantêm os cobradores, não justifica.
Pessoas precisam de oportunidades desde que nascem. Para crescer com saúde, estudar e pleitear um emprego melhor. E menos arriscado, pois os assaltos em ônibus são comuns em todos os estados brasileiros.
Enfim, vamos pensar que isso tudo seja porque o Brasil tem "apenas" 500 e poucos anos...E a Europa é milenar...(dói menos, né? rsrs)
Na Europa toda é assim, né? Mas ai de quem for pego pelos fiscais...a multa é pesada! E com razão, pra educar o povo, só assim....Por aqui, ainda falta muito... ia ter sempre gente tentando burlar...beijos,
Wilqui Dias disse…
Olá bom dia...a essa horas vc ainda ta mimindo ai no BRASIL..hoje eu acordei com a cebeca cheia de letrinhas as 5:03 aqui na Noruega, nessa horas vou eu tentar ler algo..e pelo blog de uma amiga que mora aqui tb, chamada Luciana, encontrei seu blog, e achei muiiiiiito legal seu blog...o que sempre leio nesse mundo da blogfera é brasileira que se muda pra cá e tome comparacoes as vezes até de algo que ela nem sabe muito...e pra falar a verdade eu mesma nao curto muito comparar muito as coisas, essa mesma amiga minha em comum com vc Luciana, dona do blog pensamentos desatados..uma vez me disse..nunca compare lugar nenhum com outro lugar onde vc esteve, ainda mais depois de um ano, por que sem duvida assim como vc nada mais é igual!! até entao eu concordava literalmente com essa frase...MAS HOJE AO VER SEU BLOG..Menina... QUE VISAO BACANA...o que me atraiu foi esse percurso contrario brasileira que morou na Suécia se muda pro Brasil e ai sim tem a destreza de igualar as situações ou diferencia-las..eu nao achei seu blog um blog de comparações...pelo contrario em vários post eu achei nas entrelinhas...QUEM BOM SE O BRASIL TB FOSSE ASSIM.....E rsss eu concordo pena..muita pena que no Brasil algumas coisas parecem nunca mudar mesmo depois de um ano. rss bjs vou seguir seu blog...gostei mesmo!!!
Anônimo disse…
No Brasil isso seria inviável graças a pseudo esperteza de muita gente. Isso traria mais prejuízos para as empresas que tentariam justificar reajustes alegando o alto número de passageiros que andam sem pagar. Com relação aos degraus, aqui em Santos é impossível um idoso ou alguém com problemas mobilidade vencer os altos degraus. Ainda temos muito que evoluir.

Postagens mais visitadas deste blog

Na Suécia também não tem... bebê com brinco na orelha

("Não tem brincos: é menino ou menina?", criança sueca posa para grife Polarn O. Pyret ) Nove em cada dez vezes que alguém no Brasil tenta ser simpático com uma grávida ou alguém com um bebê de colo a pergunta é sobre o gênero da criança. Menino ou menina? Já repararam? Embora essa pareça ser a única pergunta possível para tanta gente, a verdade é que ela diz muito sobre nosso modo de ser e pensar e a importância que damos ao sexo e a escolha sexual de uma pessoa. Tomemos outra situação: quando alguém olha para um bebê menino nas ruas no Brasil você acredita que haja alguma expectativa quanto a algum sinal, uma marca, deixando claro e evidente se tratar de um menino? E quando encontra uma menina? Bom, fato é que nossa menina Marina agora tem 8 meses e eu simplesmente não tenho condições de contar as dezenas de vezes em que fui parada nas ruas em São Paulo por alguém perguntando se tratar de uma menina ou de um menino.  Até aí nenhum problema! Bebês no começo não tem

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel