Pular para o conteúdo principal

TV aberta e qualidade de programação é um casamento impossível?


("Branco profundo", Michael Kvium)

Assisti (pela primeira vez ao vivo e não pela internet) ao que considero ser o melhor episódio do programa SOS Casamento, da emissora do Senor Silvio Santos Abravanel, no SBT.

Antes, porém, que eu continue este post é preciso fazer meu costumeiro papel de chata e dizer o contrário do que possa parecer. Não. Eu não sou nenhum pouco fã de televisão. Eu não vivo a escrever sobre programas televisivos, mesmo porque quem me conhece sabe qual minha visão sobre o exagero do papel da tevê no nosso país.

Posso dizer, entretanto, que Ana Canosa e a equipe de SOS hoje fizeram eu me lembrar alguns dos porquês.

Eu detesto tentar usar o raro e precioso tempo que tenho em frente à televisão para descansar, me distrair, aprender, me entreter e sentir como minha inteligência está o tempo todo sendo subestimada.

Eu não tenho nenhuma tolerância com piadinhas preconceituosas, agressões de baixo nível só pelo ser, só para conseguir ibope.

Eu opto sempre por outras tantas atividades em detrimento da TV porque mesmo quando me distraio eu não quero minha vida roubada por minutos, horas em frente a um aparelho e gente que nada me traz. Minha vida, meu tempo de lazer, meu ócio criativo me é caro demais para ser disperdiçado com programas de baixa qualidade.

SOS Casamento, como falei antes, começou a partir da idéia de tentar salvar, com a ajuda de uma psicóloga e sexóloga experiente, casamentos à beira do abismo.

Todos sabemos como, apesar de encontros genuínos acontecerem todos os dias, das pessoas se apaixonarem umas pelas outras e se "casarem", o casamento (seja ele oficial ou não) é um exercício de virtudes diário o qual nem sempre, ou quase nunca, estamos dispostos a fazer.

Nós nos perdemos uns dos outros porque a vida a dois, como belamente afirmou Ana Canosa hoje no programa, é mais do que difícil, é dificílima. Fácil é casar. Fácil é falar de amor. E fácil é fazer o oposto do prometido.

Cansaço, frustrações, problemas financeiros, emocionais, de saúde, auto-estima, falta de gentileza e cuidado para com o outro são só alguns dos vilões que põe os muitos amores perdidos e separados como se falassem línguas diferentes, como se não se reconhecessem mais como as mesmas pessoas que um dia optaram por estar juntas.

A equipe de Silvio Santos tem esbanjado criatividade nos programas passados. Mostrou seriedade e ganhou credibilidade ao não entregar, por exemplo, alianças a um casal para quem o castelo bonito por fora ainda estava meio feio e cheio de vaidade e apego por dentro. Emocionou quando ajudou outros a se encontrarem e recuperarem a cumplicidade. Ver no outro não o inimigo na guerra, mas o parceiro, foi algo ao qual vários dos casais do programa conseguiram.

Como? Com milagres? Com boa edição de programa? Com maquiagem?

Não me pareceu.

Os programas têm sido, ao meu ver, muito verdadeiros. As duríssimas verdades as quais os casais precisam ouvir não são floreadas por Ana Canosa. Ao contrário! São ditas com clareza, com coragem, com estímulo.

Por essas e muitas outras razões eu fiquei hoje orgulhosa de pensar que temos num canal aberto um tipo de programação com a qualidade e capacidade de fazer pensar, crescer, melhorar as pessoas que o acompanham.

Aprendi ou reaprendi muito ao longo de 9 programas exibidos até agora. Boa psicologia, tato e criatividade se casaram muito bem.  Neste último, até mesmo Ana Canosa claramente emocionada ao ver as antigas mágoas irem embora ao som de "Como é grande o meu amor por você", e o amor - em todas as formas em que ele é possível - brotando de novo no casal Rodolfo e Luciana.

Loucos para chamarem a atenção um do outro e serem amados, Rodolfo e Luciana, literalmente gritavam um com o outro, se agrediam física e verbalmente tentando caminhos desesperados. Nenhum deles conseguia recuperar o antigo fôlego, lembrar como construíram sua história, o antigo Rodolfo e a antiga Luciana, de quem eles o tempo todo parecem sentir saudade.

Assim como em outros programas foi preciso primeiro reconhecerem cada qual que estavam errados e, com ajuda do programa, no quê estavam errados. Feito isso, foi ainda preciso pensar como poderiam resolver problemas parecidos com atitudes diferentes das do dia a dia. Sem chingamentos, sem mágoa, sem ódio, sem disputa de "esse é meu", "aquilo é seu", sem a necessidade de provar que se está certo, mas com diálogo, com carinho, com gestos apaziguadores e não de revanche os casais, quase todos, conseguiram progredir com as dicas de SOS Casamento.

E as mudanças vieram de sensações fortes provocadas por algumas tarefas criadas especialmente para eles.

De todos, o casal quem mais emocionou pelo mergulho profundo no desejo de mudança foi o dessa noite. Talvez por serem bastante passionais, por me lembrarem tantos outros casais amigos perdidos em suas disputas, mas provavelmente ainda mais por serem tão genuínos, tão verdadeiramente ainda apaixonados um pelo outro é que Rodolfo e Luciana provaram da fruta até o caroço. Parecem ter entendido bem a lição da psicóloga de plantão que os ajudou. Não importa se se é magro ou gordo, tem mais ou menos dinheiro o importante é conseguir se doar e se entregar ao outro porque...


"Sexualidade envolve afeto, auto-estima, auto-imagem corporal, alegria de ser homem ou mulher, independentemente de raça, credo, idade, estado civil e orientação sexual."

Para além do programa e do tema casamento entendo que as lições dadas me levam sempre por muitos caminhos: é preciso se auto-conhecer para entender porque as pessoas reagem a nós dessa ou daquela forma; é necessário jogar fora não só as armaduras, mas as rédes;  ter primeiro a coragem de assumir os próprios erros; não subestimar o outro nem tentá-lo colocá-lo sob nosso chichote. É crucial perdoar quem se ama, caso contrário ao invés de tomarmos os prazeres e alegrias das relações, mergulhamos mais e mais num poço branco fundo, ficamos cada vez mais isolados, menos amamos e menos somos amados.

Hoje recuperei um certo gosto por tentar ver televisão aberta brasileira, porque é bom demais sentar no sofá depois de um dia exaustivo se entreter, rir, chorar e sentir que ao final eu também não sou mais a mesma pessoa quem ali sentou. E isso porque tá na cara que SOS Casamento não tem apenas números e ganhos como objetivo final, qualidade e respeito pela inteligência de quem está do outro lado parecem também importar bastante.

Parabéns e obrigada!

Comentários

Beth/Lilás disse…
Bom, Soninha, o negócio é o seguinte:

eu não vejo televisão.

É verdade! Nunca me lembro de ligar a imensa tv que temos na sala de tv e só quem assiste é meu marido, muito pouco também e o filhão que gosta de ver aqueles seriados americanos que sempre tem uns bobos rindo a cada fala.
Eu gostaria imensamente de ver este programa que nos fala, mas sempre estou em trânsito nas sextas-feiras, pois subo para a serra nestes dias e é sempre a noite.
Mas, juro, está na minha agenda para quando eu ficar em casa e lembrar de assistir televisão às sextas-feiras, ok.
Beijão pra Ana e pra todos desta casa.
Lúcia Soares disse…
Gosto de Tv, sempre gostie. Como não somos de sair de casa, acaba sendo a "distração" principal. Gosto de assistir a qualquer programa, experimento, dou crédito, afinal há centenas de pessoas num projeto, acho que sempre querendo acertar.
Como sou adulta e madura, posso assistir ao que quiser, que não me sentirei influenciada, mas é certo que TV e criança, por ex., só são compatíveis em alguns programas e ainda assim sob supervisão de adulto.
Assisti ao SOS, o segundo, por aqui, via internete, porque realmente nesse horário não dá pra assistir, pois com Letícia acordada, desacelerando pra dormir, eu e a mãe ficamos por conta dela. Aí, quando vejo, o programa já passou.
Gosto de assistir seja o que for, mas com calma, sem me dispersar. Vira um momento de lazer, mesmo incompreensível para muitos. Gosto é gosto, né?
Vou assistir a esse episódio, mais tarde (agora não posso) e depois lhe falo.
Ando numa maré de cansaço de marido, não sei se vai passar...Acho que cheguei ao ponto máximo, não tenho vontade de retomar nada!
(é sério!).
Beijo!

Postagens mais visitadas deste blog

Na Suécia também não tem... bebê com brinco na orelha

("Não tem brincos: é menino ou menina?", criança sueca posa para grife Polarn O. Pyret ) Nove em cada dez vezes que alguém no Brasil tenta ser simpático com uma grávida ou alguém com um bebê de colo a pergunta é sobre o gênero da criança. Menino ou menina? Já repararam? Embora essa pareça ser a única pergunta possível para tanta gente, a verdade é que ela diz muito sobre nosso modo de ser e pensar e a importância que damos ao sexo e a escolha sexual de uma pessoa. Tomemos outra situação: quando alguém olha para um bebê menino nas ruas no Brasil você acredita que haja alguma expectativa quanto a algum sinal, uma marca, deixando claro e evidente se tratar de um menino? E quando encontra uma menina? Bom, fato é que nossa menina Marina agora tem 8 meses e eu simplesmente não tenho condições de contar as dezenas de vezes em que fui parada nas ruas em São Paulo por alguém perguntando se tratar de uma menina ou de um menino.  Até aí nenhum problema! Bebês no começo não tem

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel