Pular para o conteúdo principal

Amor e ódio sempre caminham juntos: por que "SOS Casamento" ainda funciona?


("O abraço", Gustav Klimt, detalhe de "A árvore da vida", 1905-1909)

Em meio às eternas brigas entre meu pai e minha mãe durante toda minha infância lembro-me bem de uma trégua dada, logo depois dos dois terem participado de um "Encontro de Casais", organizado pela Paróquia da cidade onde morávamos.

Depois de sangue, suor e lágrimas para convencer meu pai (20 anos mais velho que ela) a participar daquele fim de semana, encontrei pela primeira vez, em minha ainda curta vida, os meus progenitores emocionados pela mesma causa. Minha mãe visivelmente feliz vinha de mãos dadas com aquele estranho homem em cuja face eu reconheci meu pai.

Recebi deles, primeiro dele, um forte e amoroso abraço. Dela, um olhar quase confirmando "sim! deu certo!". Parecia a salvação do casamento dos meus pais e, ao menos foi, se não ao meu olhar, creio que foi ao deles.

Foi curioso como este episódio me veio à mente, após ter visto "SOS Casamento", programa cuja estréia foi sexta-feira passada, no SBT, e continua rondando meu pensamento ainda esta semana.

O tema é o casamento falido, ou quase falido e o objetivo do programa é ajudar os casais participantes a recuperar a chama da paixão, a terem olhares menos viciados em erros e críticas, a aprenderem como lidar com a vida a dois já corroída pela rotina, pelas responsabilidades e pela intimidade.

No primeiro programa, Salete e Edenílson, eram os candidatos perfeitos a receber a ajuda pedida. Nas primeiras cenas vemos como os dois se tratam no dia a dia, como se cobram, como se acusam, como não se ouvem, como se odeiam.

Sim. Eles se odeiam.

Ao final, acredite se quiser, vemos a mulher de olhar deprimente, desiludida da vida a dois dar, literalmente, pulinhos de felicidade e brilhar ao lado do marido quem está visivelmente de volta à cena. Eles foram resgatados. E não se trata de encenação. Nem de milagre de edição. O formato funciona.

Fiquei me perguntando o porquê e como. O que há por trás dos bastidores colaborando para o final feliz? O que é capaz de transformá-los e recuperar o amor novamente?

A resposta: o ódio.

Sim, porque em toda relacionamento amoroso há também o seu oposto. Amamos nossos pais e lutamos toda nossa existência para "matá-los" dentro de nós e sermos nós mesmos. Nós os odiamos durante a adolescência, mas quase sempre redescobrimos seu valor e nos apaixonamos por eles novamente na fase adulta.

Nós não vivemos sem nossos melhores amigos, mas mesmos os melhores amigos e amigas passam por pequenas desilusões e dissabores. Mesmo como amigos é preciso não deixar que a opinião do outro nos sufoque e nos tire nossa identidade.

Mais tarde, se optamos por ter filhos aprendemos a viver com a grande vilã da maternidade e da paternidade: a culpa. E ela vem de sabermos que, apesar de amarmos tanto aquela criaturinha e darmos nossa vida por ela, nós ansiamos por voltar um pouco ao passado, quando havia tempo para ser mais que o pai de fulano e a mãe de ciclana.

O mesmo ocorre entre os casais, independente de escolhas, sexo etc. Os problemas advindos da convivência são normalmente parecidos. Nós amamos e odiamos, amamos e odiamos nossos companheiros e companheiras o tempo todo. Embora seja difícil reconhecer a presença desse ódio nos nossos sentimentos ele é, no fundo, também uma prova de que há ainda algo nos unindo ao outro, ainda que isso não seja o amor "eterno" prometido um dia.

O único sinal de falência total do casamento é o descaso, uma falta de interesse tão grande pelo outro que nem mesmo suas ações mais insuportáveis são capazez de nos afetar. Só neste caso o bote do "SOS" não ajuda, porque o que está por trás do desinteresse é a ausência de amor. E a ausência de amor não leva ninguém a procurar ajuda. Nem no Encontro e Casais da Igreja, nem na terapia, nem num programa de tevê. E só quando alguém ainda nutre algum amor pelo parceiro ou parceira é que ainda luta, consciente ou inconsciente, para trazer a atenção para si. Por si só os casais, como Salete e Edenílson, são dignos de admiração. Eles expõem a ferida, a cutucam, tentam com ajuda curá-la sendo que o único ganho é a melhora de sua relação.

"SOS Casamento" oferece a visão e a crítica da psicologia, na pessoa de Ana Canosa, experiente psicóloga clínica, terapeuta de casais e educadora sexual, quem avalia o caso e dá sugestões de mudança. Através das criativas dinâmicas criadas pela produção do programa o casal é levado a entender seus maiores problemas e desafios. Algumas, como a "quebração" de pratos de Salete funcionam como catalizador das energias ruins. Enterrar a mágoa, superar o passado geralmente é parte do tratamento para a cura do casamento doente. Ao fazer isso ela consegue enxergar para além do marido ausente. Em outras, como na tentativa de provocar ciúme em Edenílson, o programa tenta mostrar como tomar atitude e estar presente na relação é extremamente imprescindível, ao menos no caso dele.

Além disso tem a enorme vantagem de ser dirigido e produzido por seus idealizadores, Ricardo Perez e Adriana Cechetti, quem haviam dirigido Super Nanny por vários anos na mesma emissora. Os ganhos parecem ter sido muitos e são visíveis em toda a produção de "SOS".

O programa promete muito. E, mesmo eu, que sou avessa às fórmulas rápidas e até mesmo à tevê estou muito curiosa para conhecer e aprender com novas histórias.

Alguém no twitter afirmou não ter gostado do "sumiço" que se faz com os filhos durante o programa, pois tem-se a impressão de que a solução é desaparecer com eles. Eu também senti falta de explicação para esta ausência no programa de estréia. Entendo, porém, que tal "sumiço" seja necessário. "Tirar as crianças de cena" é sempre necessário em um casamento e um dos grandes erros de quem se casa e tem filhos é não ter olhos para mais nada e ninguém além da prole e dos cuidados que a cercam. No programa as crianças, que ainda dormiam na cama dos pais, foram entregues aos cuidados dos parentes para que mãe e pai tivessem um jantarzinho romântico só para eles. O resultado pode ser vistos descaradamente na face dos dois no dia seguinte.

Quando perguntei à minha irmã se ela havia gostado do programa ela me disse: "... mas o que aconteceu depois? Acabou ali? O que eles iriam fazer? Iam viajar...?

Ao que eu respondi rindo: não. Não acabou ali. Continua...

À Salete e ao Edenílson "SOS Casamento" já lançou os coletes, o bote salva vidas e o mapa. Resta a eles agora continuarem na direção tomada e não desanimar quando toparem de novo com as mesmas torrentes e ondas fortes. Resta lembrar que o amor está sim suscetível às intempéries mas para além delas há um horizonte bem bonito a se vislumbrar de novo.

Não sei o que você quem também assistiu levou para si do programa, eu adorei o que eu chamei de "Máxima de Salete" e vou agora pregar por aí: para ser um bom marido o homem só precisa elogiar, te oferecer e manter com você uma aliança, e sexo bom sempre que convocado.

...

*ps: para quem não viu e gostaria de conferir, o primeiro episódio pode ser assistido em sua íntegra no site do SBT: http://www.sbt.com.br/soscasamento/episodios/

Comentários

Anônimo disse…
adorei seu ponto de vista... vai me fazer refletir por uns bons dias, como o programa fez com vc...
bj, daniela
Lu Souza Brito disse…
Oi Somnia,

Não assisti não. Ontem mesmo so consegui assistir "Tapas e Beijos" na Globo, rsrsr.
Parece interessante. Também acho que enquanto o casal tenta chamar a atenção um do outro, mesmo que seja através da ironia, implicancia ou coisa parecida ainda há chances.
A indiferença é o marco de que 'a vaca foi pro brejo de vez'.

O Super Nanny eu assisti algumas vezes e gostei muito, nem sei se ainda passa.

Bjos
Lúcia Soares disse…
Sônia, gosto muito desse tipo de programa e gosto mais ainda do SBT.
Não tinha assistido no dia, mas vi hoje pelo link que vc passou. Assisti de um tapa, as 3 partes.
Vi, de cara, que toda a "raiva" da Salete era pela acomodação do casamento. Como ele é do tipo bonachão, para quem parece que tudo está sempre bem, ele se acomodou e se deu por satisfeito em ter casa, comida e roupa lavada. Mulher mesmo, pra cama, ele tinha esquecido! E olha que são muito jovens, têm coisas boas demais para viver ainda.
Tomara que se acertem, estou torcendo por eles.
E não vou perder o próximo programa, sob a batuta da sua cunhadinha.
Parabéns para ela!
Beijo!
Anônimo disse…
Sonia, assisti e confesso que senti medo...de um dia virar uma Salete e do Enio virar um Edenilson. Ao mesmo tempo senti uma certeza muito grande de que havendo amor e perseverança as coisas podem sempre ser resgatadas. Agora me dei conta de que preciso resgatar a Adriana por quem meu marido se apaixonou...ela era mais vaidosa e bem disposta, também cuidava melhor dele. Manda um bj pra Dri, o programa foi muito interessante.
Dri Cechetti disse…
Sô, Texto incrível! Muito bom ver que a nossa expectativa de trabalho foi cumprida, pelo menos nas suas palavras. Fico muito feliz de fazer um trabalho que tb pode ajudar outras pessoas, pelo menos a refletirem sobre as relações humanas! Parabéns pelo belo texto!
tive um ex que dizia que a pior coisa de quando a gente brigava, era meu olhar de odio. ele dizia que ficava assustado, que nao me reconhecia hehehe depois a gente tentou se esforçar pra parar de se tratar como se fosse inimigo quando brigasse. tentar identificar essa raiva logo no inicio da briga pra nao piorar o quadro. as vezes dava certo. as vezes saia um "desculpa" e uma tentativa de reconciliacao logo nos primeiros minutos... as vezes nao :/

::

quanto ao botoezinhos do twitter e do facebook abaixo dos posts, eu os coloquei la usando uns codigos que encontrei num site de blogs. mas ja nao lembro mais qual. tentei ver o codigo no meu blog, mas nao sei onde ela começa ou termina hehehe melhor que tu veja num site mesmo, mais seguro :X
Lu Ribeirão Preto disse…
Olá, adorei seus comentários...e o Programa. beijos Lu, de Ribeirão Preto
Beth/Lilás disse…
Soninha!
Bem, cê sabe né, eu quase não assisto TV. Gosto mesmo é de filmes e em cinema principalmente.
Mas, tratando-se de um programa feito pela Adriana que eu considerei uma pessoa extremamente simpática, educada e inteligente, acho que vou assistir sim.
E depois, com este teu post referenciando e tão bem escrito, fiquei pra lá de curiosa.
um super beijo carioca pra todos aí!
Somnia Carvalho disse…
to respondendo de tras pra frente os comenatarios e vou primeiro refazer os que foram perdidos neste post dai respondo voces pessoal! beijo
Anônimo disse…
Somnia obrigado por postar este, to tentando achar no Utube mais ainda nada...
A afirmacao e corretissima se por detraz do desinteresse esta a ausencia de amor entao...GAME OVER...
vc viu o link da Pilar Sordo? ela trata um pouco isso dos casamentos mas da perspectiva mulher e da nossa necessidade der ser indispensavel pra tudo e todos.
bjs
Jessicka
Adorei o post.. pena que nem todos conseguem ter essa visão no casamento, ou tem alguém para orientar e ajudar a superar as crises. Pena também que existam pessoas que pensam que colocar as crianças de fora por um tempo, para resolver os problemas é quase um crime e se enchem de culpa depois..

Vou tentar assistir o programa pelo link que vc compartilhou. Bjos Somnia

Postagens mais visitadas deste blog

Na Suécia também não tem... bebê com brinco na orelha

("Não tem brincos: é menino ou menina?", criança sueca posa para grife Polarn O. Pyret ) Nove em cada dez vezes que alguém no Brasil tenta ser simpático com uma grávida ou alguém com um bebê de colo a pergunta é sobre o gênero da criança. Menino ou menina? Já repararam? Embora essa pareça ser a única pergunta possível para tanta gente, a verdade é que ela diz muito sobre nosso modo de ser e pensar e a importância que damos ao sexo e a escolha sexual de uma pessoa. Tomemos outra situação: quando alguém olha para um bebê menino nas ruas no Brasil você acredita que haja alguma expectativa quanto a algum sinal, uma marca, deixando claro e evidente se tratar de um menino? E quando encontra uma menina? Bom, fato é que nossa menina Marina agora tem 8 meses e eu simplesmente não tenho condições de contar as dezenas de vezes em que fui parada nas ruas em São Paulo por alguém perguntando se tratar de uma menina ou de um menino.  Até aí nenhum problema! Bebês no começo não tem

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel