Pular para o conteúdo principal

É possível ter a vidinha de Malmö em São Paulo?


("Casa no Campo", Elis Regina e Zé Rodrix)

Hoje de manhã saí empurrando Marina no carrinho a todo vapor para vaciná-la contra a gripe e voltar antes de Renato sair para trabalhar, já que Ângelo está em casa gripadíssimo.

Foram só uns 3 minutos caminhando, mas muitas coisas me vieram à mente sobre como temos tentado trazer um pouco da vida calma, super pacata levada em Malmö (+- 273.000 habitantes), na Suécia, para a nossa nova casa em São Paulo que é nada menos do que a quarta cidade mais populosa do mundo só perdendo para as cidades de Tokyo, Seul e México.

Se é impossível? É bem difícil inclusive porque a maior parte dos itens responsáveis para se ter realmente qualidade de vida, como segurança por exemplo, não depende exatamente de um desejo ou uma postura apenas nossa. Entretanto é sim possível reproduzir algumas atividades e se adequar para não se sentir tão frustrado e ser mais feliz com o que se tem.

Alguns exemplos dos quais me lembrei na rápida caminha de hoje:

Em Malmö:

- eu fazia tudo de bicicleta, a pé ou de ônibus. Carro só nos fins de semana ou para distâncias grandes.
- passeávamos de trem nos fins de semana.
- íamos aos parques e praia fazer piquenique praticamente todo santo dia da primavera e do verão.
- estávamos sempre com gente em casa fazendo festa, sobretudo se o tempo fora não ajudasse a sair de casa.
- as compras de supermercado eram feitas a pé e em pequenas quantidades. Evitávamos grandes supermercados que, aliás, não são a regra lá.
- as crianças eram acompanhadas pelas enfermeiras da saúde pública próximo de casa, já que na Suécia o sistema todo é público.
- reciclávamos lixo e eu vivia pegando móveis do lixo dos vizinhos e reformando.


Em Sampa:

- com a família grande e a necessidade de se mudar escolhemos um bairro mais plano que o anterior onde era só ladeira, assim conseguimos fazer quase tudo a pé, inclusive com as crianças.
- eu uso o bairro para tudo: vou a pé ao supermercado bem bom na esquina do nosso prédio com Marina no carrinho e trago tudo nele, assim como farmácias, bancos, lojas, restaurantes, bares etc.
- Renato usa o dia do rodízio para ir de trem trabalhar. E tem gostado muito! Ele até já fez passeios com Ângelo no metrô no fim de semana para apresentar a ele os trens em São Paulo.
- eu uso ônibus e metrô para destinos onde há linhas suficientes.
- aos domingos ele pega as crianças e explora a feira livre na quadra debaixo. Frutas e legumes fresquinhos, comprados enquanto se passeia.
- uso o postinho público super caprichadinho há duas quadras para pôr em dia as vacinas da Marina, algo inclusive indicado pelo pediatra particular quem garantiu qualidade das vacinas no Brasil.
- Ângelo manteve sua bicicleta e pedala quase todo fim de tarde.
- ao menos uma vez por semana faço piquenique com as crianças embaixo das árvores centenárias do condomínio. Um presente para quem mora numa cidade como esta!
- temos reunido os antigos amigos brasileiros quando possível em casa para que a festa que era nossa vida na Suécia com filhos continue aqui também...
- continuo reciclando lixo, embora aqui o sistema de coleta não seja nem claro, nem organizado suficiente.
- continuo reformando móveis e usando o máximo do que temos de antigo para evitar novas e dispensáveis compras.

Se é pouco para conseguir comparar um local com o outro é suficiente para tentar ter aquela "casa no campo" no lugar onde habitamos agora afinal a gente já plantou suficiente para garantir certa paz... Aqui temos os livros, os filhos, os amigos e tantas coisas mais...


E você? Onde você vive é possível ter alguma qualidade de vida? O que você tem feito para conseguir escapar às armadilhas estressantes das cidades grandes ou da vida moderna?


Comentários

ai, eh tao mais facil se acostumar com a vida na europa hahaha tudo eh tao mais pratico, rapido e seguro. nao sei como seria se eu tivesse que voltar. ok, nao seria o fim do mundo, mas eh que esse tal item "segurança" diz muito pra mim, eh quase mais importante que qualquer coisa. gosto da vida aqui na fr, apesar de me sentir muito sozinha as vezes, mas em hora nenhuma penso "ai, como queria voltar a morar no brasil", e olha que eu venho da paraiba, onde a violencia nao eh comparavel as outras cidades. mas pra mim, poder andar tarde da noite sem ficar preocupada com estuprador, faz valer a pena a vida solitaria aqui...
Somnia Carvalho disse…
Ah Luci isso la e muuuito verdade! acostumar com organizacao e seguranca e muito facil!

eu sinto assim: que eu poderia ter ficado ai para sempre... o problema e que a gente sempre tem duvida, ao menos quando se esta no papel que eu estava, sem trabalho fixo ainda, com as criancas e com a volta programada...

acostumar aqui e que e um trabalho a se fazer todoooos santos dias
Lu Souza Brito disse…
Somnia, você tem vontade de fazer a sua vida melhor aqui, apesar de todos os obstáculos, acho que isso faz a diferença.
Leio muitos relatos de quem volta depois de um tempo e nao faz a menor questão de se adaptar, optando pela queixa somente.
Você se propoe novos caminhos. Claro que nao deve chegar nem perto do tipo de vida que tinha lá, mas e aí, nao está conseguindo?
Você é um exemplo para muitos. Eu nao tenho carro, mas acho que mesmo que tivesse, nao me incomodaria de pegar o metro nos finais de semana para ir ao parque, ao centro, enfim.
Eu gosto sabia? Da minha casa até o mercadinho e a quitanda é 1km. Tem uma ladeirona rodeada pela mata e adoro subir a pé. As pessoas estranham e me perguntam por que nao pego a moto.
Vou pensar mais sobre as suas perguntas. Quem sabe posto a respeito???
Beijos
Beth/Lilás disse…
Bom, antes de mais nada quero dizer que cliquei no vídeo para ouvir a beleza desta música que não tem época. Ah, como eu amava Elis e estas músicas!
Eu sei que você tem feito todo este movimento de adaptação à vida aqui no Brasil, tentando colocar do jeitinho agradável e politicamente correto que era lá na beleza de Suécia.
É difícil, amiga!
Eu também tento, faço muitas dessas coisas que você enumerou abaixo, meu marido idem. Como dissemos aí em conversa, até de ônibus pela manhã ele vai até às barcas, deixando os carros na garagem, porque entendemos que podemos usufruir dos serviços públicos se tem na porta do que colocarmos mais veículos nas ruas. Infelizmente, os veículos públicos são ruins, os serviços idem, mas insistimos porque somos conscientes e o dinheiro não cai de árvores.
O que nos falta realmente é mais estrutura, como segurança primeiramente, bons serviços e vontade de se exercitar, deixando a preguiça de lado.
Seu texto, como sempre, primoroso, lúcido e muito maduro para uma pessoa jovem como você. Vejo tanta gente mais velha sem esta maturidade e diz odiar tudo, não faço isso nem aquilo, essas frescurites que não cabem mais nos dias de hoje.
um super beijo, carioca
Xu disse…
:-) fui abrindo um sorriso a cada item da lista de Sampa. eu tinha certeza q este dia ia chegar!!!
eeeeeeita coisa boa!
amo vc muié ;-)
Somnia Carvalho disse…
e baby! o dia chegou! tem que chegar se nao a gente enlouquece nao e nao!

tem que curtir o dia de hoje, tem que viver bem no lugar onde se esta agora senao para que viver!!!

de passado? de futuro? nao e preciso o presente!
Somnia Carvalho disse…
Lu, tentar e preciso e se adaptar tambem nao? afinal eu vivi aqui quase toda minha vida nao pode ser tao dificil! rs...

vi la que vc ta de casa nova e to louca pra ver o pedaco!
Somnia Carvalho disse…
Lilasss,

eu sei que Seu Wilmar faz todo este percurso tentando tambem contribuir para alguma melhora alem dele mesmo poder ter menos stress... mas nao e facil ne?

acho que o fato de estar mais em casa e vendo menos o que tem na rua me deixa mais ainda em saudosismo com a suecia, mas eu sinto que a cada dia estou assimilando mais a realidade de novo...

e ruim... mas e bao... e assim vai

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que