Pular para o conteúdo principal

Prefácio Esperançosíssimo


(Lhasa de Sela, Rising)


"Havia uma tristeza que eu não sabia ao certo de onde vinha.
Um medo latejando bem no centro do peito
Que ardia.
Havia um nó de marinheiro na garganta
Gasta, de tanto gritar.
As mãos trêmulas e pernas que não obedeciam.
Estáticas.
Presas ao solo que se desfazia.
Havia granizo, vento, vidros, lascas, pulsos, corações, fragmentos
Explodiam.
Numa fração de segundo me dei conta, tentando me apoiar no vazio.
Era o mundo. O meu.
Que ruía."

Trecho de "Ele não sabia dançar", Ed Cruz.


"Ed Cruz tem uma chaga aberta. Seu coração pulsa e pulsa num peito aberto. A vida quase não lhe cabe. Tudo é intenso demais, porque viver não é simples. Nas páginas de "Ele não sabia dançar" temos o encontro com seu Eu mais verdadeiro. Talvez um pouco fantástico, mas Ed Cruz só sabe ser com intensidade. Chega a São Paulo fugindo da quase mutilação que uma vida no interior paulista poderia lhe proporcionar, mas é para lá que o Ed sempre volta. A vida corre, o tempo passa, algumas cicatrizes se curam, outra arderão a vida toda. E o mais difícil é quando não se sabe apenas entrar no ritmo da música... "

Prefácio imaginário, esperançosíssimo, de Sônia Maria de Carvalho ao livro ainda não publicado de Ed Cruz, Ele não sabia dançar.

...

Há uns 3 meses um querido amigo me enviou um livro, de umas 200 páginas, escrito por ele em umas duas semanas. Devorei cada página de sua louca, sofrida e corajosa quase-biografia, corri com a leitura para chegar até o final e liguei para ele aos prantos dizendo: "você precisa publicar!". E é isso... Hoje ele me mandou a música do vídeo acima e fui pegar o livro guardado em meu armário. Creio que fui a única pessoa a lê-lo todo. Ed tem feito segredo e, embora todos os amigos estejam loucos para ver o livro publicado e comprá-lo, meu amigo não acredita no poder de suas palavras.

E aí, ao som dessa fantástica Lhasa de Sela, num vídeo enviado a mim pelo Ed agora pouco, eu viajei num prefácio cheio de esperança, porque mais difícil que uma Editora querer publicar o Ed é ele acreditar em si mesmo. Como quase todo profundo escritor, ele também é um pouco louco.

...


Rising up

I got caught in a storm
And carried away
I got turned, turned around

I got caught in a storm
That's what happened to me
So I didn't call
And you didn't see me for a while

I was rising up
Hitting the ground
And breaking and breaking

I was caught in a storm
Things were flying around
And doors were slamming
And windows were breaking
And I couldn't hear what you were saying
I couldn't hear what you were saying
I couldn't hear what you were saying

I was rising up
Hitting the ground
And breaking and breaking

Rising up
Rising up

Lhasa de Sela

Comentários

Unknown disse…
Hoje você me fez chorar.
E sem dúvida esse será o prefácio!
Unknown disse…
sou eu, ed. na conta do amigo que mora comigo, o andré. rs
Somnia Carvalho disse…
rs..... você Edíssimo... você...
Dri disse…
Uau! Q prefácio! Me emocionei...não vejo a hora de ler o livro!
Beth/Lilás disse…
Diz pro seu amigo Ed que ele tem talento e estamos aqui na torcida por ele. O Brasil precisa de bons autores, gente que escreva com sentimento e respeito à nossa querida língua portuguesa.
Eu acho que ele tem muito talento.
beijinhos cariocas
Lúcia Soares disse…
Sucesso pro seu amigo.
Se ele escreveu, tem como publicar, faça-o rapidinho!
É preciso acreditar em nós mesmos e ainda mais com o seu aval, ele irá longe!
Depois mostra o livro, dá o endereço de compra e vamos lá, divulgar em nossos blogs!
beijos!
Somnia Carvalho disse…
entao! vamos comecar por aqui: alguem ai trabalha em editora e pode dar umas dicas pra gente empurrar nosso amigo Ed para a publicacao???

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que