Pular para o conteúdo principal

Diário num Exílio (Radioativo): dia 2


(A "Terça Insana" que eu não conhecia, e me fez companhia no exílio)

2 e meia da Manhã. Enxaqueca. Dor estômago. Glândulas salivares inchadas. Limão para desinchar. Dor nas Costas. Insônia. Rola daqui. Rola dali. Nada. Pensa na morte da bezerra. Na rebimboca da parafuseta. Rola. Nada. 3 horas. Levanta. Mac Book nas pernas. Post novo reflexivo e sério. Facebook. Salve o moço chato de cabelos cacheados! Email. Email Trabalho. Sono? Nada. Tenta dormir. Barulho. Claridade. Ansiedade. Nada. Mais um post. Mais facebook. Não aguento mais comer limão! Uma revista. Nada de café da manhã. 4 da matina. Sono? Nada. Rola daqui. Banheiro. Enrola. Espera. 5 da matina. Ajeita o quarto. Enxaqueca. Chama enfermeira. Remédios para enjôos, refluxos. Enjôos e vômitos controlados. Nada de sono. Aguarda café. 8 horas come. Primeiros laticínios em 1 mês. Felicidade. Come 1 limão. Enxaqueca. Reclama. Remédios. Nada. Facebook. Gmail. Trabalho. Conta no dedo as horas. Telefonemas preocupados. Médica vem. Dormiu? Não! Nada. Quer um remedinho para hoje a noite? Sim, por favor! Tá tudo bem! Telefonemas. Conversas legais. Besterol. Besterol com o Brasil. Besterol com a Suécia. Muita companhia virtual! Bom! Mais um limão. Conversas Profundas. Muito ânimo. Mais um informativo post. Besteirol. Dia passa. Enxaqueca não. Almoço com carne de pneu. Bléca! Facebook. Viva o mundo moderno! Risadas. Notícias TV. Filminho. GNT. Legal! Tentar ler Caras. Física vem. Mede radição. Caiu? Sim de 150 para 60. Com quantos vou embora? Menos de 30. Legal! Só vai a primeira página. Mais um limão. Insuportável! Tenta ler Contigo. Só vai a capa. Relê um livro um pouco. Cansaço. Sem hormônios. Muito cansaço físico. Ânimo para mudar o mundo! Dia anda. Terça insana enviada por amiga que quer eu ria muito. Seu Merda. Muitos risos. Terça insana. Vovó Arlinda. Ri sem parar. Facebook com Dri Silveira. Lembra tempo de faculdade. Fazíamos Vovó Arlinda sem saber. Jantar péssimo de hospital. Pedido extra. Bolinho de chocolate com coca-cola. Enjôo. Terça insana. Sheila. Risos. A barriga dói. Risos. Até palavrão sai: Pôxa! Falação no facebook. Muita risada. Terça Insana. Maria Botânica. Ai minha barriga! Pára com isso! Banho. Sono não vem. Terça Insana. Lexotan. Ai meo Deus! Quanta risada. Nada de sono. Cansaço. Saudade dos pequerruchos. Nada de sono. Filminho. Muitos remédios. Tá aqui o remédinho para domir. Ahn? Lexotan? Cê tá de brincadeira?! Que venha minha Terça insana. Venha! Bemmm! Então eu dormi 12 horas seguidas. Café chegou. Ôôô... bem eu tô um pouco cansada. Bem... Tomo o café da manhã pela metade... Volta a dormir... ôôô... Olááá... Acorda... ôôô... Ahn? Um duende debaixo da cama? Esse lexotan é mesmo uma porrada Abili Dorel!

Comentários

Lu Souza Brito disse…
Ai Somnia, ainda bem que tem facebook, gmail, email,e terça insana, ahahah. Já vi e adoro. Ri muito também.

Postagens mais visitadas deste blog

Na Suécia também não tem... bebê com brinco na orelha

("Não tem brincos: é menino ou menina?", criança sueca posa para grife Polarn O. Pyret ) Nove em cada dez vezes que alguém no Brasil tenta ser simpático com uma grávida ou alguém com um bebê de colo a pergunta é sobre o gênero da criança. Menino ou menina? Já repararam? Embora essa pareça ser a única pergunta possível para tanta gente, a verdade é que ela diz muito sobre nosso modo de ser e pensar e a importância que damos ao sexo e a escolha sexual de uma pessoa. Tomemos outra situação: quando alguém olha para um bebê menino nas ruas no Brasil você acredita que haja alguma expectativa quanto a algum sinal, uma marca, deixando claro e evidente se tratar de um menino? E quando encontra uma menina? Bom, fato é que nossa menina Marina agora tem 8 meses e eu simplesmente não tenho condições de contar as dezenas de vezes em que fui parada nas ruas em São Paulo por alguém perguntando se tratar de uma menina ou de um menino.  Até aí nenhum problema! Bebês no começo não tem

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel