Pular para o conteúdo principal

O que você vê nesta obra? O bolo da discórdia sueca, Makode Aj Linde

(A notícia nas páginas do Facebook e na net: ministra sueca participa de ato racista em Museu na Suécia?)

Se você não tinha visto até agora as fotos "chocantes" nas quais a Ministra da Cultura da Suécia está cortando um bolo, cujo formato é o de uma mulher negra, me desculpe por ser eu a pessoa quem vai trazer tais imagens bizarras a sua mente. Como muitas outras mensagens feitas para passar rapidamente pelo Facebook esta traz, além do episódio do doloroso bolo, a seguinte mensagem:

"Durante a celebração do Dia Mundial da Arte, em 16/04/12, no Museu de Arte Moderna, Suécia, a ministra da cultura daquele país, Lena Adelsohn Liljeroth, partiu um "bolo" caricaturando a senhora Saartjie "Sarah" Baartman, chamada "A vênus negra". O bolo foi partido primeiro em sua genitália e alimentou a cabeça da "obra", uma pessoa em blackface e escondida sob a mesa, numa referencia a uma autofagia canibal... Tudo isto entre muitos sorrisos."


Obviamente tem-se aí um material fácil para indignação. Por essa razão, creio eu, muitas pessoas tem repassado mensagem e o tema racismo na Suécia veio com toda a força. Foi assim que fiquei sabendo do ocorrido na celebração sobre o "Dia Mundial da Arte", no Museu de Arte Moderna de Estocolmo. 

Eu, entretanto, apesar de fazer minhas análises neuróticas sempre que possível, apesar de também saber que a Suécia, toda a Escandinávia e até mesmo o Brasil, não está livre de grupos racistas, extremistas e gente desejosa de ver imigrantes longe de seu país, não consegui engolir o bolo do Facebook. Achei as imagens intrigantes demais e resolvi pesquisar.

Sim, porque a Suécia onde eu vivi, apesar de não ser perfeita, não combina com aquelas imagens. A Ministra da Cultura numa declaração aberta assim de racismo? Não. Mesmo uma ministra de partido moderado. Simplesmente não tem nada a ver com a maior parte das pessoas suecas que conheci e o como grande parte daquele povo luta para tentar ver todos os povos como iguais, ainda que diferentes. Ou será?

Além dessas pulgas atrás da orelha, em se tratando de arte (moderna ou contemporânea), fiquei ainda mais curiosa e fui pesquisar para além do Facebook, quando descobri coisas, no mínimo, interessantes para formar um ponto de vista. Descobri que o artista criador da obra se chama Makode Aj Linde. Como se nota pelo nome, Makode, apesar de viver na Suécia, tem descendência africana. Dito de outra forma: ele é negro. 

(Makode Aj Linde, o responsável pelo bolo da discórdia)

O episódio, entretanto, não lhe rendeu louros com a comunidade africana na Suécia. Todos se mostraram indignados e tanto ele, quanto a ministra estão sendo "apedrejados" virtualmente. Embora eu não goste de olhar para o bolo da "Vênus Negra" com o corpo em bolo vermelho, muito menos imaginar que a cena toda possa ser de fato uma manifestação claramente racista, há alguns aspectos nisso tudo que deveriam ser ressaltados.

A arte é a única esfera social em que nós, ao menos em tese, somos livres. A arte é o único lugar onde é possível fugir à lógica sistemática. 

Aí, é possível criar algo sem ter que cumprir padrões, expectativas, usando apenas de criatividade e pensamento livre. Provocar, instigar novas leituras, quebrar paradigmas, questionar, alfinetar, ser um espaço onde a expressão ocorre livre de... tudo isso é parte do que a arte moderna entende como sendo seu papel.

O Dia Mundial da Arte tinha como tema exatamente a liberdade do artista frente à sociedade. O que fez Makode? Tomou um tema polêmico: a mutilação genital de mulheres negras na África. Somadas às mulheres mutiladas no Oriente Médio e no sul da Ásia, por ano, são 3 milhões de mulheres que têm seu clitóris cortado, daí haver no Museu obras cujo tema era a circuncisão feminina. O fato é que, apesar de protestos e opiniões contrárias no mundo todo, a prática continua. É cultural, imposta e "aceita" por suas sociedades.

(A notícia nas páginas de jornal sueco, em inglês, sobre a Suécia para imigrantes: a ministra não tão feliz assim)

(A ministra oferece pedaço do bolo para o artista Makode durante performance no Museu de Arte Moderna)


Makode parece querer criar, entretanto, uma obra mais provocadora (ou repulsiva, ou chocante, ou revoltante depende da leitura de cada um): a mulher negra em questão na celebração era ninguém menos do que a dançarina africana Saartjie "Sarah" Baartman, a "Vênus Negra" quem emigrou da África para a Europa em busca de realizar o sonho de ser artista no velho continente, em 1810, mas acabou sendo "escravizada" em shows de quinta em Londres, recebendo cachês ridículos e se valendo da exploração do seu corpo exótico pelo seu patrão e pelos europeus racistas e/ou curiosos.

Sua história de vivência do horror colonialista e racista na Europa do século XIX, foi tema do filme "Vênus Negra", da mesma forma que o bolo celebrativo de Makode provocante-repulsivo-chocante-revoltante. Makode parecia ter em mente, portanto, a dupla liberdade castrada de Sarah Baartman e ainda um terceiro objetivo em mente: o bolo seria cortado na Suécia e, a pedido dele, por uma branca, a sueca Lena Adelsohn Liljeroth's, representante do povo sueco.

Segundo a ministra, ela foi abrir o evento e falar sobre o Dia Mundial da Arte, quando o artista pediu a ela que cortasse o bolo...

A cena, bem como a encenação feita por ele - sim, porque o corpo da mulher era feito de chocolate, mas a cabeça era do próprio Makode, enfiado debaixo da mesa, quem gritava enquanto cada pedaço do corpo era cortado por alguém - deveria então fechar o espetáculo da tortura. A mesma tortura sofrida por estes milhões de mulheres no continente onde Makode tem raízes. A mesma tortura sofrida por outras mulheres, de formas variadas em outros cantos do mundo. O tema racismo estaria então estampado e colocado em discussão num país conhecido como democrático, onde não só mulheres, mas mulheres imigrantes tem em lei seus direitos garantidos.

(O artista Makode Aj Linde, criador do bolo "Vênus Negra" e algumas de suas obras)


(Obra do artista Makode Aj Linde, intervenção em cerâmica: boneca negra ocupa lugar da rainha em prato típico comemorativo)


(Obra de Makode Aj LInde: quem deve proteger mata? Como é que nossa Senhora do Socorro socorre? Arte provocativa)

Cada um de nós é livre para desgostar, odiar, achar feio ou (acho difícil no caso do bolo) admirar a obra de Makode Aj Linde. Isso não importa. Ele não fez sua "Vênus Negra" para ser amada. Ele não berrou no salão de Arte Moderna de Estocolmo tentando fazer uma obra bonita. Sua "Vênus" tem, aliás, quase a mesma cara de suas outras obras: bonecos negros que se confundem com pessoas ou vice-versa.

Somos livres para criticar a obra, para repensar o racismo na Suécia e na Europa atual e como este vem novamente crescendo quieto dentro de seus grupos minoritários. Somos livres para usar a obra de Makode assim como ele quando a fez e sentir até repulsa por ela. Todavia, concluir daí que a ministra do partido moderado sueco, num ritual macabro racista, juntamente com outros brancos racistas, estavam felizes comendo uma mulher negra em formato de bolo, ou ainda deduzir que a Suécia é um país horrosamente racista por conta deste evento é tomar o Facebook como coisa séria demais, o que ele não é! E é generalizar toda uma cultura que ensina o respeito ao outro e a todo o tipo de diferença desde o jardim da infância.

Entendo perfeitamente como nós precisamos pôr a boca no mundo contra qualquer manifestação racista, contra qualquer ato que envergonhe, diminua as mulheres, as mulheres negras ou qualquer pessoa e grupo minoritário no mundo. E se Makode conseguiu o contrário do esperado ele deve, da mesma maneira, ser tema de crítica e análise. Tenho, contudo, bastante receio em tomar o evento como foi compreendido pela maoria das pessoas...

As redes sociais, nós todos já sabemos, tem seu papel na divulgação de coisas lastimosas do nosso mundo e pode até ajudar em certa criação de consciência, mas se tomado sozinho, em grande parte dos casos o que faz é o contrário: mutila. Mutila o pensamento, mutila a reflexão, mutila o senso crítico, mutila as chances de ver outros lados da moeda. Mutila a liberdade.

O bolo de Makode teve repercussão imediata e até ameaça de bomba o Museu sofreu por conta do evento. Na página do artista no Facebook não faltaram comentários sobre seu mau gosto. Em páginas de jornais pelo mundo houve até quem insinuasse que ele, como negro, deve se odiar tanto que coloca uma mulher negra sendo comida por brancos. O racismo aparece por todos os lados! E Makode, na minha humilde opinião, já sabia bem disso! por essa razão era preciso gritar aos quatro cantos que o racismo dói...



Comentários

Anônimo disse…
OlÁ!

To morando na Suécia há um ano e tenho a mesma impressão que você (passou no texto): por aqui o pessoal trabalha bastante contra o racismo, tanto que acredito que o preconceito racial na Suécia é muito maior contra finlandeses e leste europeus do que contra negros e islâmicos. Não sabia da história do bolo, mas devo admitir que as imagens são chocantes...
Abraços!
Daniela disse…
Eu não acho que generalizei toda uma cultura. E ainda que fosse. Dizer que o Brasil é racista é uma generalização e não deixa de ser uma generalização apropriada. Mas, divago.

Não importando qual tenha sido a ideia provocadora do autor da obra, o resultado foi de MUITO mau gosto pra dizer O MÌNIMO.

Chocar? Provocar? Usando o tema da mutilação feminina já é de uma enorme falta de visão porque esse tema não deveria ser discutido entre risinhos. Sendo ele homem talvez não consiga capturar a gravidade da situação.

Segundo, se ele quis levar a uma reflexão do racismo mesmo em uma sociedade que reflete sobre o tema como a Suécia, esqueceu de combinar com a audiência. Porque, de novo, os risinhos tornam toooda a experiência ULTRAJANTE.

Eu me senti PROFUNDAMENTE chocada e ofendida em um nível que não consigo explicar. Como mulher. Como negra.

Porque eu não dou liberdade pra ninguém rir DESSES temas que são tão caros e sensíveis para o meu povo.

Eu eu acho que tudo na vida tem um limite. Que é o da dignidade humana. A arte inclusive.

Beijocas, querida.
Daniela disse…
Lendo os comentários ao texto que você linkou, só posso concordar com o presidente da associação de afro-suecos:

"Sweden thinks of itself as a place where racism is not a problem," he said. "That just provides cover for not discussing the issue which leads to incidents like this."
Leticia disse…
Olà!

Parabens pela informaçào e pela divulgaçào do teu pensamento...acredito que isso ajuda formar opinioes!

Porém gostaria de saber de qual fonte vc pegou a noticia de que a mulher em questào se trata da "Venus Negra"!?!

Pois na discussoes que estou seguindo de ativistas negros que moram na Suecia, em nenhum momento até agora foi dito isso. O que encontrei foi uma noticia que ele usa os personagens do "minstrel" e para quem viu o filme "Bamboozled" do Spike Lee consegue fazer essa associaçào!

http://www.urbanlife.se/en/arts/exhibitions/387-afromantics

http://www.makodelinde.com/
Carina disse…
Li o texto mas, mesmo assim, esse bolo não desceu... O artista africano conseguiu causar reflexão com essa obra? Acho que não. Como mulher negra, me senti apenas violentada. E se for para propor reflexão para os brancos (que estavam rindo enquanto cortavam o bolo e não envergonhados) à custa de violentar e humilhar ainda mais as mulheres negras, então isso está sendo feito muito errado.
Lúcia Soares disse…
Sônia, não tinha visto nada sobre o assunto. Ver as fotos aqui só reforça o que já foi falado: de muito mau gosto!
O artista não foi feliz no que tentou passar.
Achei sem propósito a ministra ter se prestado ao papel de cortar o bolo e ainda ficar sorrindo o tempo todo. Seria mais natural que ela tivesse se recusado a cortá-lo, pois não me pareceu sequer apetitoso.
Não gosto de nenhuma manifestação sobre cor, acho que se mostra o valor com atos, não com reivindicações.
Você discorreu lindamente, atendo-se aos fatos e pesquisando. Isso é informação de qualidade.
Beijo!
(Tá boazinha? Irradiando alegria,
ingrid disse…
Nossa,meu pai estva vendo jornal e me chamou correndo pra ver a reportagem,vim correndo pro seu blog ler.
se o artista queria passar uma mensagem,nao consegui.talvez aquelas pessoas rindo nao entenderam a situaçao ou relamente entenderam.......tudo bem que eu sou uma defensora do povo sueco,se alguem fala mal ,pa!la to eu defendendo,mas nesse caso nao sei quem defender!
Marcela Orsini disse…
Somnildes, lindo texto... Voce como artista que é tem um ponto de vista diferenciado. Eu vi essa obra como uma provocacão aos europeus. A Africa foi e é mutilada, em diferentes maneiras, até hoje pela Europa. Claro também tem as mulheres literalmente mutiladas e que tiveram através dessa obra de arte seus gritos escutados. Realmente concordo que dar risadas estava fora do script, pois creio eu, a intencão da obra era chocar. Mas quem sabe as risadinhas dela nao eram de nervoso diante daquela situacão inesperada? Como podemos julgar o que se passou na mente dela naquele momento? A arte fez a sua funcão, de tentar transformar! Eu só nao queria estar na pele daquele rapaz agora...
Camila Hareide disse…
Como vc disse, Sonildes, é na arte que somos livres. Talvez devessem haver certos limites (não tem gente que achou tudo bem o Danilo Imbecil Gentili fazer piada racista, o Rafinha Cretino Bastos sobre estupro? E não é tudo bem, aí tem limite.), mas achei interessante as interpretacões. Eu achei na hora que o cara estava tentando tirar as pessoas da zona de conforto, abordando um tema que o cidadão comum europeu ignora porque não faz parte da realidade dele. Mas faz parte da vida de milhares de imigrantes e refugiados que fogem desse horror tão não-discutido. Se ele conseguiu levantar a discussão, parabéns pra ele. Se as pessoas mal-interpretaram a obra dele, eu garanto que ele não vai parar de produzir arte.

Arte não precisa ser bela. Ela pode abordar o horror. E se choca as pessoas e as tira da zona de conforto, claro que o artista será duramente criticado. Mas se ela levanta discussões importantes, parabéns pro cara.

Essa semana to com o saco na lua com essa questão do racismo, porque a coisa aqui na Noruega tá meio feia com o julgamento do louco de 22/7. Mas a imprensa norueguesa é tão superficial, se atém a detalhes tão irrelevantes, e ninguém se atreve a discutir a onda de racismo que cresce todo dia, na extrema direita. O governo aqui tá comecando a devolver grupos de refugiados pros seus países de origem, comecaram pelos etíopes. A direita está adorando. Um horror. É preciso que aparecam artistas ousados que tirem as pessoas dos seus mundinhos.

mil coisas

mil beijos
Beth/Lilás disse…
Sonildes queridíssima!
Tô voltando a blogar, devagarzinho, ainda sem muita inspiração, mas adoro ter o prazer em voltar a ler posts interessantes e instigantes como este teu.
Voltando da Europa agora, pude presenciar a enorme massa de povos de países pobres ou em guerra que buscam refúgio em alguns países de lá. Senti que deve ser muito difícil para aqueles governos administrar o que vem ocorrendo em grande escala nestes últimos tempos, por isso penso que a obra deste polêmico artista (que eu não achei nada bonita), pelo menos irá servir para isso, ou seja, fazer as pessoas refletirem sobre comportamentos hostis ou de pouca importância a esses povos, assim como do ato ainda grotesco como são tratadas algumas mulheres em certas partes deste mundo. Como você bem disse e terminou o texto "era preciso gritar aos quatro cantos que o racismo dói..."
E sobre o comportamento 'alegre' demais dessa Ministra diante do corte no bolo, achei que ela não captou bem a mensagem inserida.
Pra dizer a verdade, achei que ela sim é que pisou na bola e não entendeu nada do assunto.
mil beijos cariocas e saudade
Unknown disse…
Não se pode negar q/ as imagens são chocantes msmo.O q/ mais choca é saber q/ " tdos" afirmam n ter preconceitos contra negos,mas na primeira oportunidade mostram a falta de caráter fazendo uma "obra" dessas.Sem falar nos termos q/ certos seres q/ parecem mais com animais usam para humilhar os msmos como macaco,carvão,negro preto e etc.Isso é chato,algo q/ causa indignação a mtas pessoas...Negro tmb é gente. Deus criou tdos a sua semelhança inclusive eles. Não importa se é negro,amarelo,branco,rosa etc.Um exemplo de q/ eles merecem tdo o respeito foi na copa,alguém viu eles brigando nos estadios,causando confusões? A alegria com q/ eles nos receberam e tmb receberam os outros países n tem preço,mereciam ser tratados com respeito,inclusive o meu,o seu e do o mundo.RACISMO É CRIME,ATÉ QUANDO ESSA GENTE BAIXA E SEM CARÁTER VAI FICAR FAZENDO ISSO SEM SER PUNIDO?NÃO AO RACISMO.
Anônimo disse…
Lamentável, em pleno século XI, uma pessoa que representa todo o Pais e o povo Sueco, tenha um ato tão deplorável, e o artista pior ainda.....Gostaria de saber que eles tiveram alguma punição.

Postagens mais visitadas deste blog

Na Suécia também não tem... bebê com brinco na orelha

("Não tem brincos: é menino ou menina?", criança sueca posa para grife Polarn O. Pyret ) Nove em cada dez vezes que alguém no Brasil tenta ser simpático com uma grávida ou alguém com um bebê de colo a pergunta é sobre o gênero da criança. Menino ou menina? Já repararam? Embora essa pareça ser a única pergunta possível para tanta gente, a verdade é que ela diz muito sobre nosso modo de ser e pensar e a importância que damos ao sexo e a escolha sexual de uma pessoa. Tomemos outra situação: quando alguém olha para um bebê menino nas ruas no Brasil você acredita que haja alguma expectativa quanto a algum sinal, uma marca, deixando claro e evidente se tratar de um menino? E quando encontra uma menina? Bom, fato é que nossa menina Marina agora tem 8 meses e eu simplesmente não tenho condições de contar as dezenas de vezes em que fui parada nas ruas em São Paulo por alguém perguntando se tratar de uma menina ou de um menino.  Até aí nenhum problema! Bebês no começo não tem

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel