Pular para o conteúdo principal

"Baby, não chore! Porque eu vou lhe fazer uma torta!"



("Pie´s song", do filme "A garçonete", 2007)

Há uns meses assisti a um filme muito despretencioso, mas que tomou a mim - e também ao Renato, quem pegou metade da história - de jeito.

Na ocasião eu separei material e pensei em fazer um post. Um (ou mais um) texto sobre o amor maternal, sobre a doação, sobre as coisas mais simples do mundo que ligam uma mãe às suas crias. Sobre cuidar, dar banho, pentear, preparar o lanche, fazer uma torta ou, no meu caso, uma panqueca para os filhos. Como percebem, eu nada escrevi...

"Waitress", cujo título é a tradução para o português, A Garçonete, foi feito em 2007, exatamente o ano em que fui mãe pela primeira vez. Demorou, então, alguns anos para que eu visse o filme, mas talvez tenha sido isso que me pôs a choramingar metade da película. Neste anos vivenciei tantos momentos em minhas muitas cozinhas destes últimos anos - três diferentes só na Suécia e duas no Brasil - onde eu cozinhei tomates para fazer molhos de spaguetti com Ângelo. Também preparei algumas massas, com a ajuda dele para fazermos waffle para o café da manhã ou da tarde. Foram tantas centenas de comidinhas diárias, almoços e jantares, as quais eu, quem nunca me imaginei fazendo de fato algo muito importante e gostoso pra uma criatura, fiz na companhia daquele menino que ia crescendo.

O tempo passou e uma irmãzinha, vinda do mar, foi acrescentada à lista das solicitantes. Devagar ela começa a aprender que a cozinha é nosso lugar de nos juntarmos para algo realmente importante e só nosso! O irmão sabe isso tão bem! E sabendo me olha e pede às vezes num fim de tarde:

- Maaaamãe!!!, você faz panqueca salgada!?, daquela que você sempre faz pra mim?
- Mamãe! Sabe o que eu tô com vontade de comer? A panqueca doce que você fazia na Suécia!
- Mamãe! vamos fazer aquele spaguetti com molho de tomate, mas do jeito que você sempre faz pra mim?

E quando um deles sente cheiro de comida no fim de tarde a cozinha fica logo cheia com a presença deles me perguntando o que terá para o jantar.

Ocupar este lugar no imaginário de uma criança, como a mãe quem prepara de fato com amor algo que ele aprecia, mesmo que este algo nunca venha a ser apreciado com o mesmo gosto por ninguém no mundo, é algo tão especial. Tão único! Tão maravilhoso!

No domingo passado, antes de ir para meu exílio, eu preparei um super café da manhã para todos eles. Com direito aos wafles, morangos, banana, sucos e o que quisessem. Era meu jeito, primeiro inconsciente, depois muito consciente, de dizer: "A mamãe ama vocês!", "A mamãe logo volta pra cuidar de vocês de novo!", "A mamãe não vê a hora de fazer tudo isso ser especial novamente!".

E então, após uma semana de muita ansiedade, depois muitos risos, depois um e outro sofrimento, estou de volta à casa. Eles dormem e não nos vimos ainda. O sábado de aleluia promete tantos abraços e beijos que serão impossíveis de serem contados.

A única memória que tenho agora e a música a tocar na minha cabeça é então a deste filme "A Garçonete", o qual eu prefiro que você tenha o prazer de ver um dia e chorar como eu chorei. Chorar pensando nas tortas já feitas. Chorar nos encontros especiais na cozinha. Chorar pensando como eles um dia serão só lembranças. Chorar sabendo que eles nunca lhe sairão da memória. Chorar porque viver e amar é isso... E talvez por isso eu ache que, no meio de tudo, e para muito além daquela ceninha americana dos filmes da mãe perfeita cozinhado, é preciso achar um tempo para fazer um bolo torto, uma torta meio tombando, ou qualquer coisa que quem nos ama entenda como sendo especial... porque, mesmo que seja uma tentativa desesperada de amor, de consolo da dor ou de demonstrar a saudade, o presente ... ele só retorna na vida em forma de lembrança... Então que sejam muito boas!
Fiquem com a música "Baby don´t you cry" (ou "Pie song") aí acima, no vídeo, e a letra incrívelmente linda abaixo, e uma Páscoa bem doce, cheinha de amor pra todos vocês!

...

Baby Don't You Cry (The Pie Song)

"When the world Is gray and bleak 
Baby don't you cry 
I will give you every bit 
Of love that's in my heart 
I will bake it up Into a simple little pie.

Baby don't you cry 
Gonna make a pie 
Gonna make a pie 
With a heart in the middle 
Baby don't be blue 
Gonna make for you 
Gonna make a pie 
With a heart In the middle
Gonna be a pie From heaven above 
Gonna be filled With strawberry love 

Baby don't you cry
Gonna make a pie 
And hold you forever
In the middle of my heart. 

Baby here's the sun
Baby here's the sky 
Baby i'm your light 
And i'm your shelter
Baby you are mine 
I could freeze the time
Keep you in my kitchen 
With me forever
Gonna be a pie
From heaven above 
Gonna be filled 
With strawberry love 

Baby don't you cry 
Gonna make a pie 
And hold you forever 
In the middle of my heart 
Gonna bake a pie 
From heaven above 
Gonna be filled 
With butterscotch love 
Gonna bake a pie 
From heaven above 
Gonna be filled 
With banana creme love.

Baby don't you cry 
Gonna bake a pie 
Hold you forever 
Hold you forever 
And hold you forever 
In the middle of my heart."

(Quincy Coleman)
...

Tradução: 

"The pie song", Baby don´t you cry

"Quando o mundo é cinza e sombrio bebê, não chore.
Eu vou lhe dar cada pedaço de amor que tem em meu coração.
Eu vou assar tudo em uma simples pequena torta Bebê, não chore.
Vou fazer uma torta, vou fazer uma torta com um coração no meio Bebê. 
Não fique triste vou fazer para você vou fazer uma torta com um coração no meio.
Vai ser uma torta dos céus, vai ser recheiada com morango de amor Bebê, não chore.
Vou fazer uma torta, e você vai estar sempre no meio do meu coração. 
Bebê, este é o sol, Bebê, aqui esta o céu Bebê, eu sou sua luz e seu abrigo Bebê, você é meu.
Eu poderia congelar o tempo, deixá-lo na minha cozinha comigo sempre. 
Vai ser uma torta dos céus, vai ser recheiada com morango de amor Bebê, não chore.
Vou fazer uma torta, e você vai estar sempre no meio do meu coração. 
Vou assar uma torta dos céus, vai ser recheiada com doce de manteiga de amor. 
Vou assar uma torta dos céus, vai ser recheiada com creme de banana amor.
Bebê, não chore, vou fazer uma torta, e você vai estar sempre você vai estar sempre, 
no meio do meu coração."



Comentários

Lúcia Soares disse…
Sônia, o melhor lugar do mundo é onde eles estão. Os filhos, o amado.
Nunca fui grande cozinheira, grande preparadora de gostosuras para os filhos, mas sempre cuidei muito bem deles.
Que bom você já estar em casa.
Bom reencontro com suas preciosidades.
Bom domingo de Páscoa, com a renovação diária da paz, do amor. Muita saúde, trabalho e alegrias!
Beijo!
irene Alves disse…
A morte de Glorinha de Lion que
visitava seu blogue, penso já ser do seu conhecimento. Infelizmente
partiu esta semana.Acabou o seu
sofrimento.
Nos meus blogues fiz uma pequena
homenagem.
Um beijo e Boa Páscoa
Irene Alves
Danissima disse…
Somnia, eu concordo com vc que cozinhar é um ato de amor. E tenho algumas recordações da tua cozinha e da tua mesa generosa. Aliás, este é um adjetivo que eu teria falado, lá, no primeiro dia do teu seminário.
Fiquei com uma vontade enorme de comer waffle!

Abraços e beijos

Postagens mais visitadas deste blog

Na Suécia também não tem... bebê com brinco na orelha

("Não tem brincos: é menino ou menina?", criança sueca posa para grife Polarn O. Pyret ) Nove em cada dez vezes que alguém no Brasil tenta ser simpático com uma grávida ou alguém com um bebê de colo a pergunta é sobre o gênero da criança. Menino ou menina? Já repararam? Embora essa pareça ser a única pergunta possível para tanta gente, a verdade é que ela diz muito sobre nosso modo de ser e pensar e a importância que damos ao sexo e a escolha sexual de uma pessoa. Tomemos outra situação: quando alguém olha para um bebê menino nas ruas no Brasil você acredita que haja alguma expectativa quanto a algum sinal, uma marca, deixando claro e evidente se tratar de um menino? E quando encontra uma menina? Bom, fato é que nossa menina Marina agora tem 8 meses e eu simplesmente não tenho condições de contar as dezenas de vezes em que fui parada nas ruas em São Paulo por alguém perguntando se tratar de uma menina ou de um menino.  Até aí nenhum problema! Bebês no começo não tem

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel