Pular para o conteúdo principal

Nesta segunda: Introdução ao Fórum Landmark!


Alguns meses atrás, e também há algumas semanas, eu tentei compartilhar com vocês uma experiência individual que foi minha participação no Fórum Landmark Brasil.

Eu falei aqui um pouco a respeito de como nós interpretamos fatos de nossas vidas como verdades; sobre como criamos nossas operações de fachada e formas de nos enganar e enganar os outros a respeito de nossas verdadeiras intenções; de como vivemos histórias criadas por nós e pelos outros como se fossem uma realidade inquestionável e como sofremos com isso. Falei ainda de como o Fórum nos dá instrumentos para lidar com tudo isso de uma maneira que eu nunca havia conhecido antes. De como somos capazes de criar novas possibilidades de encarar o presente e também o futuro...

Eu diria para qualquer um de vocês, sem medo de errar, que se há alguma esfera da sua vida com a qual você deseja trabalhar, avançar e não sabe como então você pode e deve participar deste Fórum.

Tentei partilhar os ganhos que tive e como eles afetaram diretamente o modo como vivo minha vida. Exatamente porque isso fez e tem feito uma diferença enorme para mim e porque eu gostaria de ver outras pessoas podendo ter acesso ao mesmo tipo de coisa é que eu venho falando do assunto aqui no Borboleta.

Para aqueles que se interessaram em conhecer mais e talvez participar do Fórum Landmark Brasil:

INTRODUÇÃO AO FÓRUM LANDMARK

23/04 – 2ª. feira Horário: das 19:30 h às 22:30 
Rua Caraíbas, 1051 - Mezanino Pompéia – CEP 05019-011 – São Paulo – SP 

PARA CONFIRMAR PRESENÇA: 
Telefone: (011) 3675-4088 ou
e-mail: forum@landmarkeducation.com.br

Na Introdução é feita uma apresentação geral das diretrizes e tecnologia Landmark. Venha tirar suas dúvidas! Você será com certeza muito bem vindo e bem vinda!


Comentários

Anônimo disse…
Como falar com o Enio sobre como se inscrever no próximo landmark?

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nela. Nest

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis