Pular para o conteúdo principal

"Slipping through my fingers", uma homenagem ao que nos escorrega pelos dedos todos os dias


"Slipping through my fingers"

Eu sugiro que você leia este post ao som das músicas inclusas nestes vídeos aqui. Letras e tradução no final do post...

...

Eu conseguiria explicar filosoficamente, de acordo com a teoria adorniana, a fascinação que as músicas populares (de rádio) exercem sobre a gente, mas não sei se dou conta de elaborar o que as músicas do grupo ABBA, grupo sueco que estourava de sucesso no ano que nasci, é capaz de fazer comigo.

Vendo trechos de "Mamma mia" na semana passada comecei a lembrar-me de quando o vi em Malmö, acompanhada de muitas amigas. Minhas lembranças foram se sobrepondo uma a outra e acabei filosofando mesmo foi sobre o aniversário de uma tia do Renato, a querida Lourdes, quem estava completando 55 anos e organizando uma festinha.

Qual o tipo de sentimento toma uma mulhercomo a Loudes quando chega mais ou menos a essa altura da vida?

Madura, com a vida arranjada, os filhos criados, o trabalho talvez quase encerrado ou deixado lá atrás, o tempo começando a ser marcado na face e no corpo. Eu olhava para Donna, a personagem cheia de vida de Meryl Streep no filme, pensava em Lourdes e pensava em mim.

Ao tentar adivinhar meu futuro e já me despedindo do que nem mesmo aconteceu fui me dando conta de quão bonita, maravilhosa era a história delas.

Como já era de se esperar eu mergulhei no chororô ao som de "Our last summer". Claro! Depois de uma Suécia com tantas estações e tantas coisas vividas lá, inclusive a noite na qual vi o filme, me pareceu que sempre teremos tantas lembranças maravilhosas de tantos momentos e pessoas em nossa vida. Pensei piegamente como a vida é bela, embora despedidas e tempos perdidos sejam tão difíceis de se aguentar.



"Our last summer"

Curioso foi que nessa segunda vez "Mamma mia", a história a qual eu tinha tomado apenas como engraçadinha da primeira vez, bem como as letras do ABBA tiveram um peso tão diferente semana passada.

Loudes, a tia Lourdes ou a Lurdinha, está num momento de grande transição. Suas duas jovens filhas acabam de se casar e estão dando adeus à casa dos pais. Seguem suas vidas, são duas outras pessoas e ao mesmo tempo têm tanto do pai e da mãe.

Vendo o filme pensei nas despedidas pelas quais a Lourdes está provavelmente passando, nas perdas necessárias da vida as quais dão espaço para novas vivências. Pensei e desejei um dia poder me despedir de Marina e Ângelo na mesma situação, ou seja, sabendo que estarão bem, felizes e se realizando. No casamento ou não, não me importa, mas felizes, cheios de vida e saúde. Sei o quanto você se realiza nessas suas meninas. Vejo nos seus olhos grandes azuis seu amor e sua juventude dedicada a elas e o marido.
Os almoços, a casa, uma vida de cuidados e aí está você: de blusa preta de bolinhas brancas! Cheia de recordações e conquistas para celebrar.



(Lourdes no dia de seu aniversário de 55 anos com Marina, a mais nova sobrinha, S. Paulo, novembro de 2010)

O que posso lhe dizer senão literalmente "Parabéns Lurdinha!". Você conseguiu, você passou por tanta coisa, você construiu uma "casa" empilhando tijolinho por tijolinho. Mulher, esposa, mãe, dona de casa. Agora é hora de curtir os frutos e talvez aproveitar o tempo também para cuidar de si mesma. Realizar outros sonhos e por que não outros projetos.

Por isso eu sugiro que tome o filme o qual lhe dei e assista numa tarde qualquer em casa, sozinha. Dê-se ao direito de deixar lágrimas rolarem ao som dos suecos ABBA. De cantarolar, sorrir e dançar como garota. Orgulhe-se de sua história e de você. De ter educado suas filhas, dado-lhes condição de ser alguém e escolher como ser alguém.

Tome um banho gostoso e relaxante com os sabonetes e cremes que coloquei junto no pacote. Cuide da Lurdinha com carinho. Ela merece.

Tome pela mão seu parceiro de caminhada e siga feliz adiante, porque há muito ainda para viver Lourdes. Apesar da provável sensação de quevocê está perdendo algo que teve para si durante tantos anos, no fundo o presente é só uma passagem. Haverá certamente tanta coisa maravilhosa ainda para acontecer e celebrar. Tanto para sentir saudade um outro dia no futuro.

O melhor é que ainda é tempo de celebrar. Com antigos e novos amigos. Quem sabe escolher uma roupa especial no guarda roupas, tomar o microfone nas mãos e ser a "Dancing queen" da noite.

Talvez você já saiba muito bem tudo isso, mas estou aqui só para lembrar...

Deixar uma alegria contagiante brotar em s mesms é o que o ABBA sempre faz comigo. E assim espero que seja com você...


Feliz Aniversário Lurdinha!



"I have a dream"

ABBA


Slipping Through My Fingers


Schoolbag in hand, she leaves home in the early morning
Waving goodbye with an absent-minded smile
I watch her go with a surge of that well-known sadness
And I have to sit down for a while
The feeling that I'm losing her forever
And without really entering her world
I'm glad whenever I can share her laughter
That funny little girl

Slipping through my fingers all the time
I try to capture every minute
The feeling in it
Slipping through my fingers all the time
Do I really see what's in her mind
Each time I think I'm close to knowing
She keeps on growing
Slipping through my fingers all the time

Sleep in our eyes, her and me at the breakfast table
Barely awake, I let precious time go by
Then when she's gone there's that odd melancholy feeling
And a sense of guilt I can't deny
What happened to the wonderful adventures
The places I had planned for us to go
(Slipping through my fingers all the time)
Well, some of that we did but most we didn't
And why I just don't know

Slipping through my fingers all the time
I try to capture every minute
The feeling in it
Slipping through my fingers all the time
Do I really see what's in her mind
Each time I think I'm close to knowing
She keeps on growing
Slipping through my fingers all the time

Sometimes I wish that I could freeze the picture
And save it from the funny tricks of time
Slipping through my fingers

Slipping through my fingers all the time

Schoolbag in hand she leaves home in the early morning
Waving goodbye with an absent-minded smile


Escorregando Pelos Meus Dedos



Com a mochila da escola na mão, ela sai de casa de manhã cedo
Acenando adeus com um sorriso distraído
Eu a vejo partir com uma onda daquela bem conhecida tristeza
E eu tenho que me sentar um pouco
O sentimento de que eu a estou perdendo para sempre
E sem realmente entrar em seu mundo
Fico feliz todas as vezes que posso compartilhar de sua risada
Essa menininha engraçada

Escorregando pelos meus dedos todo o tempo
Eu tento capturar cada minuto
O sentimento nisso
Escorregando pelos meus dedos todo o tempo
Eu realmente vejo o que está na mente dela?
Cada vez que eu penso que eu estou perto de saber
Ela continua crescendo
Escorregando por entre meus dedos todo o tempo

Sono em nossos olhos , ela e eu na mesa do café
Meio acordada, eu deixo tempo precioso passar
Então quando ela se vai tem aquele ocasional sentimento melancólico
E um sentimento de culpa que eu não posso negar
O que aconteceu às aventuras maravilhosas?
Os lugares que eu tinha planejado para nós irmos
(escorregando pelos meus dedos todo o tempo)
Bem, algumas delas nós fizemos, mas a maioria não
E o porquê eu simplesmente não sei

Escorregando pelos meus dedos todo o tempo
Eu tento capturar cada minuto
O sentimento presente
Escorregando pelos meus dedos todo o tempo
Eu realmente vejo o que está na mente dela?
Cada vez que eu penso estar perto de saber
Ela continua crescendo
Escorregando por entre meus dedos todo o tempo

Às vezes eu queria poder congelar a imagem
E salvá-la dos engraçados truques do tempo
Escorregando pelos meus dedos

Escorregando pelos meus dedos todo o tempo

Com a mochila na mão, ela sai de casa de manhã cedo...



***

I Have A Dream

I have a dream
a song to sing
to help me cope
with anything
if you see the wonder
of a fairy tale
you can take the future
even if you fail
I believe in angels
something good in
everything I see
I believe in angels
when I know the time
is right for me
I'll cross the street
I have a dream

I have a dream
a fantasy
to help me through
reality
and my destination
makes it worth the while
pushing through the darkness
still another mile
I believe in angels
something good in
everything I see
I believe in angels
when I know the time
is right for me
I'll cross the street
I have a dream


Eu Tenho Um Sonho

Eu tenho um sonho,
Uma canção para cantar
Que me ajuda a enfrentar
Qualquer coisa
Se você vê maravilhas
Em um conto de fadas
Você pode agarrar o futuro,
Mesmo se você falhar
Eu acredito em anjos
Algo bom em
Tudo que eu vejo
Eu acredito em anjos
Quando souber que é a hora
Certa para mim
Eu vou cruzar a corrente
Eu tenho um sonho

Eu tenho um sonho,
Uma fantasia,
Que me ajuda atravessar a
Realidade
E o meu destino
Faz valer a pena,
Enquanto me empurra através da escuridão
Ainda mais uma milha
Eu acredito em anjos
Algo bom em
Tudo que eu vejo
Eu acredito em anjos
Quando souber que é a hora
Certa para mim
Eu vou cruzar a corrente
Eu tenho um sonho

***

Our Last Summer

The summer air was soft and warm
The feeling right, the Paris night
Did it's best to please us
And strolling down the Elysee
We had a drink in each cafe
And you
You talked of politics, philosophy and I
Smiled like Mona Lisa
We had our chance
It was a fine and true romance

I can still recall our last summer
I still see it all
Walks along the Seine, laughing in the rain
Our last summer
Memories that remain

We made our way along the river
And we sat down in the grass
By the Eiffel tower
I was so happy we had met
It was the age of no regret
Oh yes
Those crazy years, that was the time
Of the flower-power
But underneath we had a fear of flying
Of getting old, a fear of slowly dying
We took the chance
Like we were dancing our last dance

I can still recall our last summer
I still see it all
In the tourist jam, round the Notre Dame
Our last summer
Walking hand in hand

Paris restaurants
Our last summer
Morning croissants
Living for the day, worries far away
Our last summer
We could laugh and play

And now you're working in a bank
The family man, the football fan
And your name is Harry
How dull it seems
Yet you're the hero of my dreams

I can still recall our last summer
I still see it all
Walks along the Seine, laughing in the rain
Our last summer
Memories that remain
I can still recall our last summer
I still see it all
In the tourist jam, round the Notre Dame
Our last summer
Walking hand in hand
Paris restaurants
Our last summer
Morning croissants
We were living for the day, worries far away...



Nosso Último Verão

O ar do verão era suave e quente
A emoção exata, as noite de Paris
Faziam o melhor para nos agradar
E passeando pelo Elysee
Bebemos em cada "café"
E você
Você falava de política, filosofia e eu
Sorria como Mona Lisa
Tivemos nossa chance
Foi um romance puro e verdadeiro

Eu ainda consigo recordar do nosso último verão
Ainda vejo tudo isso
Caminhadas ao longo do Sena, risos na chuva
Nosso último verão
Memórias que ficam

Passeamos pelo rio
E sentamos na grama
Perto da torre Eiffel
Eu estava tão feliz por termos nos conhecido
Não era tempo para arrependimentos
Oh sim
Aqueles loucos anos, era a época
Do "flower power"
Mas tínhamos medo de "viajar"
De envelhecermos, de morremos lentamente
Nós agarramos a chance
Como se estivéssemos dançando nossa última dança

Eu ainda consigo recordar do nosso último verão
Ainda vejo tudo isso
No aglomerado de turistas, ao redor da Notre-Dame
Nosso último verão
Caminhando de mãos dadas

Os restaurantes de Paris
Nosso último verão
Croissants pela manhã
Vivendo o momento, as preocupações distantes
Nosso último verão
Podíamos rir e brincar

E agora você trabalha em um banco
O homem de família, amante de futebol
E seu nome é Harry
Como isso parece tolice
Você ainda é o heroi dos meus sonhos

Eu ainda consigo recordar do nosso último verão
Ainda vejo tudo isso
Caminhadas pelo Sena, risos na chuva
Nosso último verão
Memórias que ficam
Eu consigo recordar nosso último verão
Ainda vejo tudo isso
No aglomerado de turistas ao redor da Notre-Dame
Nosso último verão
Caminhando de mãos dadas
Os restaurantes de Paris
Nosso último verão
Croissants pela manhã
Vivíamos o momento, as preocupações distantes...

Comentários

Beth/Lilás disse…
Bom dia, Soninha!
Desculpa eu me meter nesse post homenagem a tua grande amiga Lourdinha, mas foi tão lindo o que falou e desejou pra ela que só queria dizer que ela é uma sortuda em tê-la como amiga por perto.
Lembro-me muito bem do dia em que fez o post sobre o filme que foram ver do ABBA e eu mesma, sem ter visto o filme ainda, chorei que nem bocó, mas fui logo ver o filme e senti as sensações maravilhosas que falou, principalmente pra mim que vivi todo este tempo das maravilhosas músicas desse grupo.
À propósito, hoje estou meio tristinha, pois os dois últimos shows que McCartney fez no Brasil foram aí em Sampa e não encontrei coragem ou companhia para irem comigo. E eu que sonhava em vê-lo de perto um dia!
Mas, fala sério, multidão não é pro meu bico, tenho maior fobia!
Espero que a Lourdinha leia este belo post em sua homenagem e não chore, lembre apenas que é uma nova fase em sua vida que está a começar e viva feliz, aproveitando o melhor da vida.
um super mega beijo carioca
Lúcia Soares disse…
Sônia Somnia, essas músicas embalam ainda hoje muitos corações. São atemporais.
Sua Tia Lourdinha está passando pelo que sua mãe já passou, eu passei, tantas de nós passarão.
É um tempo de muita reflexão, senão ficamos perdidas. Para mim não foi fácil "soltar" minhas crias. Não pense que é.
Não gosto da frase de que "criamos filhos para o mundo". Nada mais certo, mas ela não me soa bem.
Criei meus filhos pra viverem perto de mim, não ao alcance dos olhos ou de um telefonema (não interurbano) mas perto o suficiente para que pudesse ajudá-los sempre.
Sou um caso à parte, mas não consegui viver longe da minha família, quando me casei, e olha que apenas 4 horas de estrada nos separavam. Ou 25 minutos de avião!
O que precisamos ter em mente é que a separação é inevitável, mas nunca um "alívio" entregá-los, prontos para viverem suas vidas.
Um beijo pra sua Tia.
Um beijo para você, as crianças e marido.
Ivana disse…
Oi Somnia maravilha!
Eu amo ABBA e passei a ama-los depois do filme Mamma Mia que eu nunca me canso de assisti. As músicas deles também tem esse poder me teletransportar para a minha adolescência, de fazer brotar em mim uma alegria que não sei explicar direito. Principalmente Dancing Queen e Super Truper!
Quanto a sua tia... aaah, que homenagem linda! Como não gostar?
Um beijo!
Minha doce borboleta! Primeiro quero te dizer que o livro de contos que escrevi foi sobre isso: mulheres na maturidade, como eu, a Lurdes, a Betita, a Lúcia...e falo exatamente sobre isso tudo de que falou. Parabéns à Lurdes e que ela saiba e possa aproveitar a vida agora.
Segundo: já vi Mamma Mia duas vezes e me debulho de chorar toda vez que ouço as músicas...a estória da filha que casa e vai embora...choro muuuuito!
O filme é demais!
Terceiro: A Marina tá linda! Uma gorducha fofa e gostosa! Dá vontade de apertar ela nos braços e dar uma cafungada no pescocinho dessa bolota...beijos querida!
Maria Nizete disse…
Adoro esse file e as músicas do ABBA concordo com a Lúcia as músicas deles são antemporais, linda homenagem.
Sua linda filhotinha Marina esta fofucha.
bjs
Xu disse…
Noite inesquecível mesmo, aquela que assistimos Mamma Mia em Malmö, com a mulherada! Esta e tantas outras noites, manhãs e tardes que passamos juntas... é isso que a gente leva de vida, né mesmo? ;-)
Um super parabéns pra Lurdinha! Que as próximas etapas da vida dela tb sejam intensas e inesquecíveis.

Saudade de vc, baby!

Bjs, Xu (faltam 15 acordadinhas!)

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

Na Suécia também não tem... bebê com brinco na orelha

("Não tem brincos: é menino ou menina?", criança sueca posa para grife Polarn O. Pyret ) Nove em cada dez vezes que alguém no Brasil tenta ser simpático com uma grávida ou alguém com um bebê de colo a pergunta é sobre o gênero da criança. Menino ou menina? Já repararam? Embora essa pareça ser a única pergunta possível para tanta gente, a verdade é que ela diz muito sobre nosso modo de ser e pensar e a importância que damos ao sexo e a escolha sexual de uma pessoa. Tomemos outra situação: quando alguém olha para um bebê menino nas ruas no Brasil você acredita que haja alguma expectativa quanto a algum sinal, uma marca, deixando claro e evidente se tratar de um menino? E quando encontra uma menina? Bom, fato é que nossa menina Marina agora tem 8 meses e eu simplesmente não tenho condições de contar as dezenas de vezes em que fui parada nas ruas em São Paulo por alguém perguntando se tratar de uma menina ou de um menino.  Até aí nenhum problema! Bebês no começo não tem