Pular para o conteúdo principal

Voltei! e tô pensando o quanto é bom ter um amigo...



Voltamos de Londres quarta a tarde e ainda tô tentando pôr minhas coisas em ordem.  Tenho muito para falar de Londres, da visita a minha amiga Lujan e de quanta coisa passa pela cabeça da gente numa viagem assim. 

Eu já tinha estado em Londres há dois anos atrás, mas daquela vez era só eu e Renato. Dessa vez, com um bebê foi tudo diferente. Tudo novo, desafiador e excitante. A cidade me pareceu não só linda, como louca. Em poucos dias a gente pode viver muito, pode pensar, pode mudar. Por isso eu adoro viagens e talvez por isso, desde que fiz minha primeira viagem sozinha (de Sumaré a Bragança Paulista, tudo no interior de São Paulo) eu sinta isso.


Das coisas mais fortes que ficaram da viagem foi a sensação do quanto é valioso ter bons amigos. Visitar minha amiga Lujan, Ted-pai e Théo-baby foi renovador.

Eles são o tipo de pessoa que dão tudo o que têm. Eles dão o pouco ou o muito que têm. São o tipo de pessoa que sempre abrem suas portas. Eles não têm amarras, nem apegos, algo que eu quero muito aprender a não ter. E, apesar de terem um bebezinho de oito meses, vivem com ele como se estivessem com um pequeno adulto em casa, com uma naturalidade incrível. Foi de nós que eles cuidaram como se fôssemos crianças mimadas. Cuidaram de nós como só os melhores amigos cuidam. 




Jantares deliciosos e aniversário do Renato com direito a um bolo recheado de conversas profundas com o casal maluquinho. Esses amigos me fizeram pensar como é incrível que algumas pessoas consigam esquecer de si mesmos e cuidar dos outros sem esperar nada em troca. Como podem ficar tão felizes só porque estamos por perto e porque estamos felizes também. Como podem ser ser tão desprendidos, sem egoísmo ou ciúme de cada coisinha especial que têm na casa deles, comprado com custo e amor ao longo do tempo?




Eu adorei ter viajado, embora esteja muuuuito cansada, com dores terríveis nas costas de carregar Ângelo e bagagem pra lá e pra cá, percebi que esses encontros me ajudam a manter gente valiosa como a Lu por perto e a coisa mais deliciosa de ver foi o Ângelo ganhar um novo amigo e aprender rapidamente seu nome chamando-o o tempo todo pela casa: Té Té Té... 




Obrigado Lu, Ted e Théo

Comentários

Beth/Lilás disse…
Ah, com que então voltastes!

Quando abri o blog e vi estes dois bebês lindinhos fiquei olhando encantada por instantes. O nascimento da amizade deles é lindo.
É sim, é muito bom ter um amigo.
Não precisa muitos, como muita gente faz, colecionando por aí afora. O importante é ter poucos, mas verdadeiros.
Que dias gostosos vocês passaram por lá, heim!


beijos cariocas
Anônimo disse…
Só pra dizer que chorei quando li pela primeira vez e chorei de novo ao traduzir para o Ted. Como um bom macho da espécie, ele disse: "wow, if we have a review like that just for being friends, imagine what they would write about us if we had a restaurant!". Mas brincadeira à parte, que prazer melhor do que ter amigos tão animados, inteligentes e sinceros como vocês pra estabelecer essas deliciosas conversas? É isso que me faz crescer também e mudar (um pouco, pois quanto mais velhos ficamos, mais teimosos continuamos...). Sô, não tenho palavras pra dizer quão bom é estar com vcs, ver o sorriso do Re e especialmente do Ângelo, rir às lágrimas, ouvir de você o que surpreende e o que choca, o que nos despe de preconceitos e máscaras, e ver o que realmente somos, lá no fundo, defeitos e qualidades, enfim. Por isso, e muito mais, te amamos, e amamos sua família tão linda.
E ainda que nos vejamos apenas uma vez por ano, essa amizade terá sempre o mesmo brilho e preciosidade. Vocês serão sempre mais que bem-vindos em nossa casa, e nós te agradecemos muito pelo tempo que passamos juntos e por esse texto tão lindo e comovente pra nós. Que honra! Muitos beijos!
Somnia Carvalho disse…
Lilás, concordo em gênero e grau: importa é a qualidade dos amigos... só precisamos saber como sempre tê-los por perto. beijos
Somnia Carvalho disse…
Lujan, o comentário do seu macho é a cara dele mesmo! acha que ele só levaria a sério um post sobre vocês? O Ted é uma das pessoas mais engraçadas, inteligentemente engraçadas, que conheço!

sobre o post, foi tudo a mais pura verdade... Só fiquei intrigada, ou talvez curiosa, com a sua frase: "ouvir de você o que surpreende e o que choca, o que nos despe de preconceitos e máscaras". Adoraria prosear e saber o que nas conversas eu posso dizer que choque... etc e tal...

beijocas

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

Na Suécia também não tem... bebê com brinco na orelha

("Não tem brincos: é menino ou menina?", criança sueca posa para grife Polarn O. Pyret ) Nove em cada dez vezes que alguém no Brasil tenta ser simpático com uma grávida ou alguém com um bebê de colo a pergunta é sobre o gênero da criança. Menino ou menina? Já repararam? Embora essa pareça ser a única pergunta possível para tanta gente, a verdade é que ela diz muito sobre nosso modo de ser e pensar e a importância que damos ao sexo e a escolha sexual de uma pessoa. Tomemos outra situação: quando alguém olha para um bebê menino nas ruas no Brasil você acredita que haja alguma expectativa quanto a algum sinal, uma marca, deixando claro e evidente se tratar de um menino? E quando encontra uma menina? Bom, fato é que nossa menina Marina agora tem 8 meses e eu simplesmente não tenho condições de contar as dezenas de vezes em que fui parada nas ruas em São Paulo por alguém perguntando se tratar de uma menina ou de um menino.  Até aí nenhum problema! Bebês no começo não tem