Pular para o conteúdo principal

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!


(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca)

Molerada!

Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases!

Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite.

Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada.

Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nela.

Nesta versão eles desejam que eu viva mais de cem anos, que seja suspensa e depois jogada numa garrafa de champanhe para bem ficar encharcada, comemorar e viver mais cem anos. Algo assim...

É algo legal e profundo para se desejar aos amigos não? Foi isso que a Jéssica me desejou...


(Jéssica, linda de morrer, num dos únicos dias em que não vestia cinza, preto e marrom para se esconder, festa nossa de despedida, Malmö, julho de 2010)

Por falar em amigos e também por falar em gente que, como eu, adora viajar na maionese, meu encontro com essa Jéssica foi mais ou menos assim: numa manhã fria, de 2007, saí de casa com a missão de levar Ângelo para brincar em uns grupos de pais (farei um post só sobre isso despues) e crianças porque ele precisava socializar e eu, depois de quase um ano no país e sozinha com meu bebê pequeno todo santo dia, estava sedenta e desesperada para fazer novos amigos, conversar, falar algo mais do que sobre a cor do cocô do bebê rechonchudinho.

Ouvi então uma mãe toda prosa falando em sueco com seu menino cabeludo logo na entrada do lugar e quando ela me ouviu falando português com Angelito perguntou toda gesticulosa:

- Você é brasileira???

E foi assim. Grudamos uma na outra. Tínhamos encontros repetidos em restaurantes de sushi para filosofar sobre tudo. Nossos meninos (Nik e Ângelo) se tornaram amigos e temos tentado manter essa amizade mesmo à distância porque outros encontros com certeza acontecerão!

Jéssica vive na Suécia há mais de 18 anos e falei dela rapidamente no post "A perca da língua". Fala pelo menos português, espanhol, sueco, inglês, italiano e frances fluentemente. Ceis notaram como ela fala e escreve né? Maluquete mesmo!

É suequíssima, apesar de ser uma brasileira incorrigível. Fora ter vivido em muitos outros países, estudou entre outras coisas, psiquiatria na Suécia e agora trabalha no hospital da cidade. É maluca. E como eu sou apaixonada por gente maluca eu não podia deixar passar de ficar amiga.

São por essas e outras, muitas outras pessoas, que minha vida vale tanto a pena!

Beijos e abraços bem apertados para todas vocês!

Obrigada!

...

Ja, må hon leva!

Ja, må hon leva!
Ja, må hon leva!
Ja, må hon leva uti hundrade år!
Javisst ska hon leva!
Javisst ska hon leva!
Javisst ska hon leva uti hundrade år!

Och när hon har levat
Och när hon har levat
Och när hon har levat uti hundrade år!
Ja, då ska hon skjutas.
Ja, då ska hon skjutas
Ja, då ska hon skjutas på en skottkärra fram!

Och när hon har skjutits
Och när hon har skjutits
Och när hon har skjutits på en skottkärra fram!
Ja, då ska hon hängas
Ja, då ska hon hängas
Ja, då ska hon hängas på en häst bak-och-fram!

Och när hon har hängts
Och när hon har hängts
Och när hon har hängts på en häst bak-och-fram!
Ja, då ska hon dränkas
Ja, då ska hon dränkas
Ja, då ska hon dränkas i en flaska champagne!

Och när hon har dränkts
Och när hon har dränkts
Och när hon har dränkts i flaska champagne!
Ja, då ska hon leva
Ja, då ska hon leva
Ja, då ska hon leva uti hundrade år!

Comentários

Luciana disse…
Somnia,
Sempre leio seu blog, mas nunca comentei....sou leitora caladinha, mas agora estou precisando muito de um favor seu: gostaria de saber como fez sua mudanca de volta para o brasil? qual empresa? Ficou satisfeita com o servico??
Desculpa perguntar, mas estou sem iniciativa para buscar isso.
Obrigada
Beijos carinhosos
Luciana

Postagens mais visitadas deste blog

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

Na Suécia também não tem... bebê com brinco na orelha

("Não tem brincos: é menino ou menina?", criança sueca posa para grife Polarn O. Pyret ) Nove em cada dez vezes que alguém no Brasil tenta ser simpático com uma grávida ou alguém com um bebê de colo a pergunta é sobre o gênero da criança. Menino ou menina? Já repararam? Embora essa pareça ser a única pergunta possível para tanta gente, a verdade é que ela diz muito sobre nosso modo de ser e pensar e a importância que damos ao sexo e a escolha sexual de uma pessoa. Tomemos outra situação: quando alguém olha para um bebê menino nas ruas no Brasil você acredita que haja alguma expectativa quanto a algum sinal, uma marca, deixando claro e evidente se tratar de um menino? E quando encontra uma menina? Bom, fato é que nossa menina Marina agora tem 8 meses e eu simplesmente não tenho condições de contar as dezenas de vezes em que fui parada nas ruas em São Paulo por alguém perguntando se tratar de uma menina ou de um menino.  Até aí nenhum problema! Bebês no começo não tem