Pular para o conteúdo principal

"Brother Sun, Sister Moon", sobre o luto, a dor e o tempo


("Brother Sun, Sister Moon", Donovan, tema do filme de Franco Zefirelli)

Muito curioso...

Já há várias semanas tenho revivido o filme de Franco Zefirelli na cabeça... Tenho ouvido as músicas lindíssimas da trilha sonora que me marcou desde a adolescência.

E hoje, enquanto dava banho na Marina e cantava "Brother Sun, Sister Moon" para ela e pensava no amor, eu não podia imaginar que viria a postar esta música ainda esta noite.

Acontece que agora pouco vi o comentário da Luciana, leitora cuja história eu ainda não conhecia, me pedindo ajuda.

Ela me pedia dicas de nomes de empresas de mudança para o Brasil e, por conta disso, acabei passando em seu blog pela primeira vez.

A Luciana, brasileira moradora da Suécia, perdeu seu único irmão esses dias e escreveu um post emocionante, de fazer as lágrimas cairem, de fazer a gente querer abraçá-la e ter poderes de reverter a dor alheia... A dor da Luciana hoje é minha também. E como acalanto eu só posso te dizer que sim Lu não há nada na vida pior do que perder alguém da família. Embora eu muito felizmente não saiba sobre perder um irmão, já perdi meu pai e amigas jovens muito próximas, então creio que posso afirmar o quanto sua mãe está certa.

O tempo dará lugar a algo suave. A dor se transformará na certeza de um amor vivo. A memória da pessoa nunca se apagará, pelo contrário, ela se tornará cada vez mais presente como se a perda física não fosse mesmo um limite. A ausência física se transformará em presença de espírito intensa.

Ontem, na cidade onde minha família vive, encontrei um senhor que foi amigo do meu pai na época que eu era criança. Falei com ele e me apresentei "Sou a filha do Sr. José!", porque imaginava que o homem não se lembrava de mim. Falar com ele era como reviver um pouco a vida de meu querido pai na época na qual era metalúrgico da Singer. E então eu disse a ele: "O senhor era amigo do meu pai...". "Essa é minha filha e este é meu marido... "Nossa que legal, o Seu Zé! Claro! Mande um abraço para o seu pai!", ao que eu respondi, serenamente, sem dor, sem mágoa, com uma naturalidade que nunca pensei chegar: "Meu pai faleceu há mais de 7 anos!, mas um abraço para o senhor e tudo de bom!".

Era isso. É isso. Meu pai continua vivo. A perda não dói mais como doía... e aí me dei conta do quanto o tempo me curou. Ele continua vivo. Embora haja a ausência, a dor da perda foi de certa maneira curada. Eu não sei explicar como, mas sinto que meu pai está vivo.

Então minha querida Luciana eu sei que palavras não vão diminuir o que sente agora e sim, será preciso muita terapia ou conversa, com amigos, família, psicólogos, como puder pôr para fora esse amor, essa falta...

Você passará por estágios diferemente doloridos. Muita culpa, mágoa, raiva do mundo e até do seu irmão por ter lhe abandonado. Haverá dias em que nada nunca mais parecerá ter lógica e sentido. Em outros você terá fé na possibilidade de ainda ser feliz sem ele... E isso tudo vai doer e fazer sangrar seu coração ainda mais. Só não guarde a dor para você... Escreva sim seus posts! Ao ler o que sente outros também se identificarão! E a vida vai ganhando outros significados.
Com o passar de tantos estágios virá a aceitação, virá a transformação...

Na conclusão de um dos capítulos do livro "Perdas Necessárias", do qual eu gosto muito e já reli muitas vezes, Judith Viorst fala como em meio ao luto e a dor da perda no fundo só nos resta o seguinte:

..." Assim, talvez a única escolha seja a do que fazer com nossos mortos: morrer quando eles morrem. Continuar vivendo como incapacitado. Ou forjar, com a dor e a lembrança, novas adaptações. Através do nosso lamento reconhecemos a dor, sentimos a dor, passamos por ela. Com nosso lamento libertamos os mortos e os guardamos dentro de nós. Com nosso lamento chegamos a aceitar as dificuldades que a perda pode criar - e então começamos a chegar ao fim do luto."

Sobre a mudança: nós viemos com uma empresa arranjada pela Sony Ericsson. Na Suécia ela se chama Acta, é esta quem empacota, carrega etc, mas a representante no Brasil é quem entrega para você aqui é:

ATLANTIS INTERNATIONAL
Avenida das Americas, 16.325 - sala 303
22790-703 Barra da Tijuca
Rio de Janeiro - Brazil
Tel: 55 21 3503 8900

Me mande seu email para borboletapequeninanasuecia@gmail.com que tentarei tirar mais dúvidas.

Um abraço enorme.

Ouça a música do filme de São Francisco, é linda... e fique em paz...


...

Brother Sun

Brother sun and sister moon,
I seldom see you, i can't hear your tune;
Preoccupied with selfish misery.

Brother wind and sister air,
Open my eyes to visions pure and fair,
That i might see the glories around me.

I am god's creature, of him i am part,
I feel his love awakening my heart.

Brother sun and sister moon,
Often i see you, i can hear your tune;
So much in love with all that i survey.

I am god's creature, of him i am part,
I feel his love awakening my heart.

...


Brother Sun, tradução

Irmão sol e irmã lua
Eu raramente os vejo, raramente ouço a sua música
Preocupado que estou com meus desalentos

Irmão vento e irmã ar
Abram meus olhos para o que é puro e belo
Para que eu veja a glória ao meu redor

Sou uma criatura de Deus, Dele sou parte
Eu sinto o Seu amor despertando o meu coração

Irmão sol e irmã lua
Agora os vejo e ouço a sua música
Apaixonado que estou com tudo o que vejo

Sou uma criatura de Deus, Dele sou parte
Eu sinto o Seu amor despertando o meu coração


...

Comentários

Mari disse…
Muito lindo seu post. Eu imagino que só o tempo possa realmente curar estas dores. Eu nunca perdi ninguem realmente próximo e tenho muito medo de quando este momento chegar, mas acredito que com o tempo a gente aprenda a se adaptar a esta perda.

bjs
Françoise disse…
Que lindo post, que Deus acalme e suavize o coração da Luciana,
Abraços,
Fran
Danissima disse…
Somnia, teu blog eh sempre uma surpresa! obrigada por dividir os teus pensamentos com a gente.
Saudades.
Luciana disse…
Somnia...muito obrigada pelas palavras de carinho e conforto.
Mandei um e-mail para vc pedindo mais dicas.
Beijos carinhosos
Beth/Lilás disse…
Soninha,
Só quem já perdeu um ente querido tão próximo é que sabe essa dor e pode ajudar a outra pessoa.
Suas palavras estão lindas e a música que ofereceste é perfeita para acalentar o coração da Luciana.
Espero que ela, aos poucos, assimile e sublime esta imensa dor.
um beijinho carioca

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que