Pular para o conteúdo principal

"Ai meu Deus que saudade da"... Ikea! Aquilo sim que era loja de verdade!


O post abaixo foi comçeado há alguns dias e não consegui terminar por conta de uma choradeira de Marinacota quem anda tendo trabalho com os tais dentinhos... Resolvi escrever um finalzinho e vejam que até o título perde um pouco o sentido e publicá-lo hoje, já que fazia tanto tempo que não dava as caras para vocês!

...

Mudei!

Esta é a terceira semana que começamos na"Casa Grande" e ainda restam caixas espalhadas pela casa...

Nunca foi tão difícil, apesar da minha vasta experiência em mudança (nove em nove anos de casada, como já falei muito antes)... Foi e está sendo exaustivo.

Mudar não é problema. Organizar também não para mim. Fazer isso com duas crianças pequenas é que é um grande desafio!

Uma leitora super amável me escreveu dizendo que está tentando criar coragem para voltar da Espanha ao Brasil e se inspira em mim, aí pensei que nessa vez não sou muito boa para dar tal conselho. Dá muito trabalho! Emocional e braçal! Vale a pena, claro! mas tem que ir juntando os próprios caquinhos do cansaço dia a dia.

O resultado tem sido uma casa mais gostosa, mais alegria e também uma crise de dor nos braços, mãos e pernas. Procurei um quiroprata e voltei às massagens que já fazia na Suécia...

Enfiada no meu mundo li e vi sobre a tragédia no Japão... Falei com Xu e Gus, os amigos feitos na Suécia e que agora estavam vivendo em Tokyo sobre tudo... Fora o tempo escasso e o cansaço para escrever posts também fiquei com uma sensação de se escrevesse sobre meu umbiguinho e meus pequeníssimos problemas num momento assim nem mesmo eu me sentiria bem...

Não é estranho tudo isso? Num futuro distante, quando meus filhos forem aprender na escola sobre esta tragédia, as perdas, os acidentes nucleares etc eu me lembrarei como "ah! foi o ano em que nos mudamos para a Casa Grande, Marina era pequena, Ângelo também... e o ano que nossos amigos tinham se mudado pra lá..."

É estranho tudo isso, juro... Digo isso porque mesmo que eu pense, tenha pesar e reze para o povo japonês e quem lá vive minha vida segue... Tenho minhas alegrias e minhas realizações... minhas preocupações fúteis como "onde posso comprar umas caixas lindas, práticas e baratíssimas para organizar os armários, as gavetas, a vida como eu comprava na Ikea?"...

Andei pelo meu novo bairro e os caras têm coragem de pedir uma fortuna por umas merrecas de caixinhas... Chega a ser ridículo... Aí páro e penso no mundo de novo... e concluo:

A vida no planeta é muito muito estranha... E isso tudo me deixa estranhíssima...


Comentários

Brabuleta, soube na Lúcia que hj é seu niver! Parabéns! Felicidades na casa grande! Seja feliz com seus filhotes lindos e maridão companheiro! É amiga, a vida assim, nossos pequenos dramas são enormes pra nós e pequenininhos perante as tragédias do mundo...fazer o que : a vida tem que seguir...Feliz, muito feliz Aniversário! Beijos,
Xu disse…
Muié, tô tentando colocar minha leitura, os emails e tudo mais em dia... desde o fatídico 11/03. Curta cada momento na casa nova/grande. Não se pressione por ter tudo absolutamente no lugar... ao contrário, comemore cada caixa esvaziada, cada gaveta organizada... nem que isso leve meeeeses para acontecer.
Ao ler este seu post, lembrei no nosso "novo" apê em Tóquio, com ainda 10 caixas por esvaziar, q literalmente largamos na madrugada da 4a feira passada. Jogamos umas comidas no freezer (para não estragar), encaixotamos nossa colecão de copos (em caso de um novo mega terremoto), mas deixamos a cama desarrumada e várias coisas fora do lugar. Who cares? O que eu quero mesmo é q tudo se estabilize naquela terra pra gente voltar pra nossa casa e curtir esta nova fase da vida.

Bjos, bjos, mtos bjos
Xu

P.S. vou comentar seu outro post depois...

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que