Pular para o conteúdo principal

Gente que não paga a pena


("Saturno devorando seu filho", Goya, 1820-23, Acervo: Museu do Prado, Madrid)


Os suecos esperam em filas gigantes do supermercado, quietos. E não reclamam.
Os suecos da minha academia de ginástica gostariam de ter mais aulas a noite. Mas não pedem.
Muitos dos suecos ficam irritados quando alguém não cumpre o protocolo ao qual estão acostumados, mas não sabem conversar. Eles são sérios demais e ocupados demais para isso. 

E alguns deles, quando isso acontece, mandam mensagenzinhas por baixo da porta da gente. Medrosos, incapazes de resolver qualquer situação numa boa conversa entre vizinhos, eles se sentem no direito de serem agressivos, de expressarem a frustração do mercado, da academia, de muita coisa na vizinha estrangeira. Eles resolvem com bilhetinhos entre vizinhos.

Assim são muitos dos que vivem no prédio bem legal onde moro aqui. Noventa por cento suecos. Alguns deles, incluindo o dinamarquês que vive acima de mim, me mandam mensagens grossas, quando desconfiam que qualquer coisa esteja errada. E o fazem mesmo quando foram eles mesmos que cometeram o erro e não a brasileira, cujo país tem fama de desorganizado. Mesmo se errados, agem como se estivessem certos.

Muitos suecos. Não todos. Muitos e muitos sãos as mais finas pessoas que já tive o prazer de conhecer na vida. 

E, então, porque esse outro grupo é minoria pra mim, eu tento jogar o jogo e passo a raiva adiante. Se consigo, chamo pra conversa, mostro que não tenho medo do cara a cara. Garanto a mim mesma minha educação e que gente assim não vale posts muito explicativos no meu blog. Apenas uma menção para eu não esquecer e ninguém pensar que são só flores. Aliás, nunca são.

Sigo e miro-me nas pessoas daqui que valem muito a pena porque, graças a Deus, minha alma, ao contrário de muitos dos meus pobres vizinhos, não é pequena.


...


Poemas para quem caminha


não coleciono mágoas
amanheço

as âncoras
esqueço em balsas

sou um cais
em movimento




(fragmentos do livro "Poemas para quem caminha", Fundação Catarinense de Cultura/Editora da UFSC, 1987)


Comentários

Beth/Lilás disse…
Hum, esses suecos lembram muito o povo de certos lugares aqui do Brasil. Lá em Petrópolis mesmo, talvez pela colonização alemã, o povo é assim - não reclamam nem fazem nada.

Mas, imagino o quanto nós brasileiros somos olhados e imaginados por estes povos! Também imagino o quanto os mexicanos sofreram e ainda sofrem o preconceito e junto com eles estamos nós hoje em dia para o mundo.

Mostre que você é diferente através da sua postura e da sua altivez, não se dobre a eles.
Xenofobia é isso que os povos europeus têm demonstrado com os demais povos do planeta. Mas, eles ainda não se tocaram que precisam tanto desses povos!!!

Enquanto isso, dance mesmo, dance muito com seu Ângelo e encha seu coração de alegria - alegria que só nos entendemos.

beijos cariocas
Somnia Carvalho disse…
Querida Lilás,

obrigada por ouvir aí com tanto carinho!

Eu gostaria muuuito de ser menos brasileira. Eu sou brasileiríssima do tipo que se importa com tudo e todos e isso é um saco!

Também sou brasileira piscianística! Fantasiosa ao extremo! então, eu realmente não sei lhe dizer se os tontos dos meus vizinhos suecos e dinarmarqueses me mandaram bilhetes idiotas porque sentem preconceito comigo, ou se mandam mesmo entre eles, toda vez que acham que algo não tá do jeito que querem... A chance de que seja comigo que não entendo o esquema é muito maior, já que não nasci nem cresci aqui, logo, sou eu a que mais comete "erros" e "enganos".

Pois então eu não sei lhe dizer se é fato ou não... se na hora da raiva crio isso ou se é mesmo isso. Bom... de qualquer forma, adorei seu suporte psicologico virtual comigo! rs...

Escrevi o post no momento x de brasileirisse e agora pensando já nem sei mais o que sinto. Olha só, seu comentário me despertou pra um outro erro! haha.. vivo errando! você falou do México e eu queria saber o que te levou tão rápido ao México... daí vi que coloquei a música total errada. Não era aquela canção mais romântica, mas essa aqui... uma que fala exatamente das palavras, do bem ou do mal que elas fazem... Troquei tudo e pus a música para voce, e todos ouvirem.

um beijão e ótimo sono! vou mimi...
Beth/Lilás disse…
haha Quando me referi ao México e sua gente é porque geralmente comparam a todos os latinos de "xicanos", algo lembrando mexicanos que tem aos montes nos EUA, por exemplo.
Parece-me que todos os latinos, incluindo nós brasileiros, estamos numa mesma visão para o Primeiro Mundo. A nossa única diferença mesmo é que acham-nos extremamente limpinhos, ou seja, não entendem porque tomamos tanto banho todos os dias. hehe

Mas a nova música é uma beleza mesmo!
beijin
Anônimo disse…
Querida Sô,
Minha sugestão não é nada altruísta, mas eu desenvolveria um ensaio o mais possível psicanalítico com as idéias do post, expondo esse tipo de atitude repressiva e repressora, expondo o medo dessas pessoas pelo diferente, o medo da conversa, e publicaria ou na minha porta, ou na porta do prédio... O que acha? Ou seria apenas um arroubo vingativo pisciano (meu!)? Prefiro pensar no lado pedagógico do "inominado"... hehe! E claro, sempre é possível escrever um texto virulento com uma linguagem sutil e certa ironia, sem apontar os culpados...
Beijão
Somnia Carvalho disse…
Agora intinti Lilás!!!
beijão
Somnia Carvalho disse…
Querida Lu,

teremos tempo de ver essa sua idéia super pisciana ao vivo! rs.

Por ora, talvez o melhor pra mim seja passar a bola. Quanto mais penso no assunto, mais me irrito...
beijocas, preciso arrumar as malas now!!!!

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

Na Suécia também não tem... bebê com brinco na orelha

("Não tem brincos: é menino ou menina?", criança sueca posa para grife Polarn O. Pyret ) Nove em cada dez vezes que alguém no Brasil tenta ser simpático com uma grávida ou alguém com um bebê de colo a pergunta é sobre o gênero da criança. Menino ou menina? Já repararam? Embora essa pareça ser a única pergunta possível para tanta gente, a verdade é que ela diz muito sobre nosso modo de ser e pensar e a importância que damos ao sexo e a escolha sexual de uma pessoa. Tomemos outra situação: quando alguém olha para um bebê menino nas ruas no Brasil você acredita que haja alguma expectativa quanto a algum sinal, uma marca, deixando claro e evidente se tratar de um menino? E quando encontra uma menina? Bom, fato é que nossa menina Marina agora tem 8 meses e eu simplesmente não tenho condições de contar as dezenas de vezes em que fui parada nas ruas em São Paulo por alguém perguntando se tratar de uma menina ou de um menino.  Até aí nenhum problema! Bebês no começo não tem