Pular para o conteúdo principal

"Black is beautiful"


("Dora", Somnia Carvalho, 2004. Inspirado na faxineira costureira Dora que conheci em São Paulo. Releitura de Isabelle Tuchband - Coleção: Daniela Morassutti Zuim)

"Hoje cedo, na rua Do Ouvidor
Quantos brancos horríveis eu vi
Eu quero um homem de cor...
"

Luana, aquela adorável sobrinha, fez um comentário sobre si mesma e sua cor esses dias, quando o assunto era a "branquelice" do Ângelo e do Júnior:

"- Eu pioro quando tomo sol."

E eu voltei a me lembrar dessa sua frase "que faz pensar" ao ouvir novamente um cd da Elis e pôr mais atenção à letra da gostosa "Black is Beautiful".

A música, que já começa com grande ousadia ao chamar os brancos de "horríveis" (sobretudo se pensarmos trinta anos atrás), inverte o preconceito que a minha pequena sobrinha já sofre e no qual, ela mesma, já acredita.

(Os lindos e diferentes Luana e Ângelo)

Pensei ainda que as suecas provavelmente adorariam esta canção e concordariam com Elis Regina. Aqui, ser loirinho, de olho azul e cabelo fino não chama atenção. O diferente é bonito. Se aí tingimos nossos cabelos para nos aloirar, aqui "Black is beautiful".

Quando vim pela primeira vez para a Suécia, em outubro do ano passado, a impressão que eu tive, na cidade universitária de Lund, era que estava havendo um congresso de beleza na cidade... cheio de modelos femininos e masculinos desfilando de bikes, com pernas à mostra, com cabelos massageados com mousse e seus belos olhos azuis a brilhar na pele clara.

E pensei: "Como são lindos os suecos."

Claro que eu estava aplicando meu padrão ocidentalizado de beleza...provavelmente um padrão preconceituoso e colonizado de beleza. Entretanto, se você gostasse da idéia de ser atendido num café por algumas Anas Hickmans ou ver um repositor de supermercado estilo Brad Pitt e Matt Damon, você também concordaria comigo. Isso se os branquelos lhe apetecem.

Mas a verdade é que esses moçoilos perdem para os brasileiros morenões, mulatos e negros que por aqui passam. As suecas (e isso é depoimento de amigo nosso solteiro, branco, que tentou - e muito - conseguir uma namorada suequinha) gostam mesmo é de "um homem de cor". Se tiver cabelo rastafari, hum... melhor ainda.

O mesmo ocorre com os homens. Nossas morenas, mulatas e negras parecem ser as únicas desejadas por aqui. E não tem mesmo como negar que a beleza de Juliana, uma carioca que conheci, da Márcia, cearense, Ivone e Ivani, baianas, e outras mais, se destacam na multidão e atraem olhares.

Metade das mães jovens, bonitas, inteligentes e atraentes (como eu), que participam do grupo de mamas que frequento, são casadas com estrangeiros morenos, ou ao menos, cabelo escuro. Talvez Malmö seja exceção ao restante da Suécia, já que aqui há mesmo milhares de imigrantes. Não sei dizer muito mais que aquilo que vejo aqui onde vivo e não vou discutir neste post o provável preconceito de uma outra geração ou de uma parcela dela. Aqui tô tomando essas pessoas - que não são poucas - para quem o diferente é o que atrai.

(Luana provando pela primeira vez a diferente comida japonesa, comigo e com Dri. O sushi e sashimi que, segundo ela, apesar de ser peixe cru, eram "muito bons")

O fato é que eu deveria conseguir trazer a linda, morena e perpicaz Luana para cá quando ela fosse mais mocinha, para que ela percebesse que as Barbies que ela venera e que os bobinhos da escola dela não sabem que ela é uma pérola morena para os belos escandinavos (ou os homens da tribo do Norte, como minha linda amiga Inara os chama).

O que a muito jovem e inexperiente Luana ainda não sabe - mas a tia metida à filósofa sonha em poder ensinar - é que é preciso questionar sempre: padrões, comportamentos, pré-conceitos e imaginar uma outra verdade, outra realidade, bem diferente daquela que nos acostumamos a acreditar. Questionar e duvidar foi o que comecei a aprender bem com René Descartes, um dos primeiros filósofos que estudei na graduação, e que tentei me especializar ao me tornar íntima de Theodor Adorno, no meu mestrado.

Pena eu não saber disso antes, quando me chamavam de Olívia Palito, Pau de virar tripa, e outros elogios mais, na infância, durante o ginásio inteiro, quando o modelo rechonchudinha ainda estava em voga e minha "magrelice e cumprideza" fugiam aos padrões rigorosos das crianças e adultos da época.

Bom, antes tarde...

Comentários

Art in Shapes disse…
Olá Somnia. Fiz questão de baixar a música de Elis e escrever aqui ouvindo esta canção tão bonita! Você tem razão: é hora de aprendermos e ensinarmos a questionar padrões pré estabelecidos e entender que são as nossas diferenças que nos fazem únicos e muito especiais.

Beijão

Dani
1daystand.blogspot.com
Unknown disse…
Sonia, gostei muito do modo como vc abordou assunto tao espinhoso.

Mafer
Somnia Carvalho disse…
Dani, Mafer, demorei a responder... falta de tempo...

Mas... eu acho essa questão espinhosa, mas necessária, embora aqui no blog eu apenas tenha raspado nela de forma muito superficial.

beijos
Anônimo disse…
Sônia,
Parabéns pelo seu post!!!
Sutil, delicado, certeiro, lindo de viver - ótimo, para necessárias reflexões ...
Minha mãe (negra, como eu) tem uma voz possante e é cantora por dom, tantas vezes cantou a canção Black is Beautiful e talvez por isto me emocionei tanto lendo seu post.
Por ironia do destino, não me casarei com um homem de cor e sim com um sueco branquelo, prova de que é possível, sim, amar e admirar "o diferente"!

Que a linda Luana perceba o quanto antes, quão bela ela é - mesmo sendo "diferente" dos igualmente lindos priminhos ...

Caramba, não me canso de repetir que seu blog foi meu melhor achado na Internet, neste meu processo de emigração do Brasil ... Obrigada por isto!

E vive la différence!

Bjs
Janaina Souza
Somnia Carvalho disse…
Ufff... Janaína, que arrepio esse seu recado me deu mulher!

Obrigada por esse presente agora a noite...

Pus meu bebê pra dormir, estou sozinha em casa, chuva lá fora e vim aqui fechar o computador... obrigada...

É tão bom escrever no blog que eu me empolgo e faço textos longos demais para a internet... mas é bom saber que, ainda assim, tem gente que pára e lê e partilha das idéias... valeu!

um beijo enorme nessa sua mãe que deve ser especialíssima para cantar essa maravilhosa canção... e!!! a gente precisa se conhecer!!! um beijo no seu branquelo tambem!!!
Anônimo disse…
Ser mestiço é duro. Hoje, eu passa mais despercibda em França do que em Angola, o que é trágico mas no meu país, chamarem-me de "branca" já é mais insulto que me chamarem "negra" em Portugal. Em França, ninguém nota a minha diferença, ou pelo menos nunca senti. Nunca fui zebra mesmo ;-) E à qualquer comentário, eles é que têm problema, eu tou de bem com a vida ;-)
Somnia Carvalho disse…
Jo Ann,

eu não acredito que exista algum povo sem preconceito. A gente sempre teme o diferente, então, acaba se colocando como superior, como forma de provar a nós mesmos que nós é que somos os "aprováveis"... preconceito é uma forma de fraqueza humana boba boba e a gente tem que fugir dele... melhor ainda quando consegue viver tranquila como voce, dane-se os outros!
Luana Margarida disse…
Olá Somnia!Estava eu tentando colocar uma foto no meu perfil do blogger, quando, por razão q desconheço, fui impedida pelo sistema de carregar minha foto. Fui então caçar na internet alguma imagem q me representasse e q eu afinal pudesse carregar... e eis q me deparo com seu lindo trabalho - na hora me identifiquei muito com a Dora! Os cachos q pretendem alcançar o céu =-), o lenço, o colar...do jeito q muitas vezes uso meu próprio cabelo. Ñ tenho a pele negra e nem seria reconhecida normalmente como tal, mas tenho os cachos e as formas do corpo que me relembram minha ancestralidade... Quando vi o texto q a Dora ilustrava, gostei mais ainda da imagem (e do q vc diz). E o tiro de misericórdia veio quando vi a foto e nome da sua linda sobrinha: Luana, como eu!! Meu pai diz q escolheu esse nome inspirado numa rainha africana... Portanto, mando um beijo a vc, à sua princesa Luana, ao seu pequeno príncipe, e te falo q tomei a liberdade de usar a imagem, sempre compartilhando a autoria - aliás, passei a seguir seu blog. Qualquer problema avise, ok? Beijo enorme e ainda mais inspiração.

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

Na Suécia também não tem... bebê com brinco na orelha

("Não tem brincos: é menino ou menina?", criança sueca posa para grife Polarn O. Pyret ) Nove em cada dez vezes que alguém no Brasil tenta ser simpático com uma grávida ou alguém com um bebê de colo a pergunta é sobre o gênero da criança. Menino ou menina? Já repararam? Embora essa pareça ser a única pergunta possível para tanta gente, a verdade é que ela diz muito sobre nosso modo de ser e pensar e a importância que damos ao sexo e a escolha sexual de uma pessoa. Tomemos outra situação: quando alguém olha para um bebê menino nas ruas no Brasil você acredita que haja alguma expectativa quanto a algum sinal, uma marca, deixando claro e evidente se tratar de um menino? E quando encontra uma menina? Bom, fato é que nossa menina Marina agora tem 8 meses e eu simplesmente não tenho condições de contar as dezenas de vezes em que fui parada nas ruas em São Paulo por alguém perguntando se tratar de uma menina ou de um menino.  Até aí nenhum problema! Bebês no começo não tem