Pular para o conteúdo principal

Lá na minha terra...

("Minha terra tem Palmeiras"... - Ângelo curtindo o sol e sombra brasileira)

Depois de um ano vivendo na Suécia e um ano fora do Brasil, a última visita teve um sabor de "Canção do Exílio".

Eu tava falando com minha amiga Mafer sobre a diferença de sentimento dessa minha ida e daquela primeira, em outubro do ano passado, e percebi ainda mais o que eu havia dito daquela primeira vez, porém, de forma mais intensa.

Sou estrangeira aqui.
Sempre serei.
Como estrangeira nunca conseguirei sentir, nem viver, nem ser, como um sueco. Por isso mesmo consigo ter um olhar sobre esse lugar que quem sempre viveu aqui não tem.
Sou louca pelas árvores secas do inverno, adoro respirar o ar puro da manhã e viajar de trem. Contudo, me irrita ter que prever o imprevisível, ser organizadinha como os suecos são e resolver tudo por telefone, ao invés de falar pessoalmente.



("Minha terra tem": sol o ano todinho)

Se você já viveu fora de seu canto um tempo, você entenderá o que eu quero dizer.

Ao sair, você volta diferente.
Não se encaixa muito mais na rotina que sempre viveu e se irrita com coisas que ninguém mais nota, como, por exemplo, o uso exagerado de sacolinha plástica no supermercado. Por outro lado, se encanta, tal qual um estrangeiro ou um viajante, com coisinhas que ninguém mais dá bola:

Dessa vez eu me apaixonei novamente pelo Brasil e por suas coisas. E, como estrangeira, suspirei ao olhar os coqueiros - tão exóticos -  à beira das praias na Bahia, torcidos e dançando ao som do vento. E tomar água de coco! hum... que delícia!

Como boa filha que à casa retorna, abracei apaixanadamente a família e os amigos e tive uma dor de saudade já no abraço de chegada.



("Minha terra tem": amigos que falam a mesma língua que eu - Ângelo curtindo os amigos Fernando, Max e Pedro)

Mas, como caixeira viajante, senti o prazer de pisar em terra sueca de novo e cruzar a fronteira na grande ponte que separa Malmö de Copenhaguem. Olhar para tudo e ter orgulho de poder viver essa "vida dupla".

Ainda assim, é estranho como nada mais é como antes.

Tudo é lindo aqui e imperfeito.
Tudo é imperfeito aí, mas tão gostoso.
Acho que a diferença é que na "minha terra tem Palmeiras, onde canta o sabiá...", como bem lembrou a Mafer, ao citar o Gonçalves Dias.

Acho que só hoje entendo bem uma lição aprendida no cursinho sobre a Canção do Exílio, desse poeta. Só no exílio é que o "ser estrangeiro" e o pertencer a uma outra terra nos faz ver o mesmo com outros olhos. 

Embora viver fora te dê a estranha sensação de não se sentir mais pertencendo a lugar nenhum, o local onde você menos se sente estranho é sempre o seu ninho. 

Hoje eu olho para o Brasil de forma diferente. Assim como para a Suécia.
Nem melhor, nem pior. Apenas de forma estranha.



("Minha terra tem": gente que me entende e me acha "o máximo", como minha vó Maria e a vavá)

Canção do exílio

Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá;
As aves, que aqui gorjeiam,
Não gorjeiam como lá.

Nosso céu tem mais estrelas,
Nossas várzeas têm mais flores,
Nossos bosques têm mais vida,
Nossa vida mais amores.

Em cismar, sozinho, à noite,
Mais prazer eu encontro lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

Minha terra tem primores,
Que tais não encontro eu cá;
Em cismar –sozinho, à noite–
Mais prazer eu encontro lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

Não permita Deus que eu morra,
Sem que eu volte para lá;
Sem que disfrute os primores
Que não encontro por cá;
Sem qu'inda aviste as palmeiras,
Onde canta o Sabiá. 


Gonçalves Dias

Comentários

Daniela Valverde disse…
Somnia,entendo um pouco do que você fala. Gostei tanto do seu post que até citei o seu no meu último texto. Dá uma olhadinha lá...

Beijos

Dani
1daystand.blogspot.com
Somnia Carvalho disse…
Dani, adorei a referência e as reflexões em comum!

A coisa existe mais ou menos assim em mim:
eu adoro qualquer lugar onde vivo. Me adapto muito facilmente, por isso curtia viver em São Paulo, apesar dos pesares. E sei que você também curte um tanto...
apesar de. Entretanto, adaptar-se não quer dizer que você consiga se sentir inteira. Acho que é esse sentimento que tenho agora vivendo fora do Brasil. O ninho, por enquanto é a Pátria, mas, como você, também sou tão eu mesma quando volto a Sumaré, na casa dos meus pais...

É uma bagunça só! nem sei se me explico! beijao
Anônimo disse…
Gente, o que esse menino tá fofo!!!!! Sinto mais ainda não ter dado umas beijocas nele por aqui. Vou ter de esperar agora, né??
Bjs
Andréa
Unknown disse…
" Como pode um peixe vivo viver fora d'agua fria."
Como é díficil viver longe desta linda e fofa companhia.
Muitos beijos!!!
Vavá Irene.
Somnia Carvalho disse…
Vavá,

É difícil pra gente também ver que a coisa fofa aprende coisas novas e lindas todos os dias e tem só a gente para paparicá-lo, tirar foto, beijocar etc etc etc...

Mas eu creio que um dia ele possa colher algum fruto dessa experiência também, embora agora ele seja só nosso pequenino bebesito.

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

Na Suécia também não tem... bebê com brinco na orelha

("Não tem brincos: é menino ou menina?", criança sueca posa para grife Polarn O. Pyret ) Nove em cada dez vezes que alguém no Brasil tenta ser simpático com uma grávida ou alguém com um bebê de colo a pergunta é sobre o gênero da criança. Menino ou menina? Já repararam? Embora essa pareça ser a única pergunta possível para tanta gente, a verdade é que ela diz muito sobre nosso modo de ser e pensar e a importância que damos ao sexo e a escolha sexual de uma pessoa. Tomemos outra situação: quando alguém olha para um bebê menino nas ruas no Brasil você acredita que haja alguma expectativa quanto a algum sinal, uma marca, deixando claro e evidente se tratar de um menino? E quando encontra uma menina? Bom, fato é que nossa menina Marina agora tem 8 meses e eu simplesmente não tenho condições de contar as dezenas de vezes em que fui parada nas ruas em São Paulo por alguém perguntando se tratar de uma menina ou de um menino.  Até aí nenhum problema! Bebês no começo não tem