Pular para o conteúdo principal

Neuras, neuroses, neuróticas: Dani nariz de batatinha

(Olhando para essa pele, esses olhos, esse sorriso e essa barriga confessem que vocês só reparar é que ela tem nariz de batatinha dela vai!)

Em dezembro de 2010 publiquei um post "Neuras, neuroses, neuróticas" convidando vocês a escreverem sobre as baboseiras ditas pelo mundo, pelas pessoas distantes e as mais próximas, as quais lhes põe uma correntinha fazendo de vocês (e eu também) gato e sapato delas.

Todas aquelas exigências básicas do dia a dia como ser bonita, hetero, competente, bem sucedida profissional e financeiramente, independente emocionalmente, simpática, boazinha, atraente, carinhosa, responsável, tudo isso obviamente combinado com ser magra, são apenas alguns itens da lista incontável de desejos e obrigações impostas a nós todos os dias de nossa curta existência.

Tais qualidades, embora impossíveis de serem todas encontradas ao mesmo tempo numa única pessoa, são vendidas por diversas fontes (incluindo hoje em dia o amante de todos, facebook) como algo facilmente adquirível. Basta que você se mate para entrar naquela faculdade e fazer aquele determinado curso, compre aquela revista especializada, siga aquela dieta infalível, use aquelas roupas que você odiava, mas agora estão na moda. São sim objetivos impostos a nós todas e todos por uma sociedade que preza, para além de qualquer coisa, a ter e o parecer.

Extirpar tais idéias não são nada fácil e mudar de atitude exige mais do que boa vontade. Exige primeiro reconhecer que se está a mercê do outro, mas sobretudo a mercê de si mesmo. "O inferno são os outros", mas é bom lembrar que, na medida em que assumo minha essência como sendo aquela dada pelo outro, posso ser o pior outro conhecido por mim mesmo. Posso usar o chicotinho com mais força do que qualquer um ousaria usar em mim.

Dado o primeiro e grande passo de ver quais são os padrões aos quais me deixo escravizar é preciso começar a pôr em prática um ser diferente. Pode ser drasticamente ou com doses homeopáticas. Não há receita. Não há padrão.

Agora pouco eu folheava um livro de pinturas do Monet com meu pequeno curioso Ângelo e dizia a ele que aquele pintor Claude Monet pintava como queria e gostava de pintar "porque a gente pode sempre pintar e desenhar como quiser, você sabia?". Isso porque ele está aprendendo a desenhar lindamente, extremamente avançado para a idade, mas sempre me diz "não mamãe! o céu tem que ser azul, a grama tem que ser verde!!!", ao que eu tento mostrar que na realidade é sim, mas no desenho e na nossa pintura podemos fazer de muitas maneiras diferentes.

Todos nós sabemos ver que para Monet não havia um caminho único a ser seguido na pintura. Obviamente ele testou muito antes, aprendeu com os outros, mas quis ir além. Havia, para além da pintura reconhecida até aquele momento aquilo que ele entendia como sendo o caminho para sua pintura e só por essa razão obteve grande parte do que todos diziam ser importante ele ter. Sucesso, realização, fama e dinheiro vieram como consequência de um desprendimento e de um arriscar-se.

Seguindo essa linha pedi para escreverem relatos em seus blogs ou enviarem histórias para que eu publicasse aqui e só agora com a "casa" em ordem consigo retomar tais idéias.

O primeiro autêntico e gostoso relato foi enviado por email e é de minha amiga Daníssima, aquela da colcha de retalhos, moradora das Suícas e leitora deste blog. A Dani é a primeira corajosa a dar a cara para bater ou eu deveria dizer o nariz? Lendo seu relato e vendo esta foto que roubei de sua gravidez só dá para ter certeza de quanto o mundo está repleto de "Tós" e de como é preciso uma grande luta para não enlouquecer com eles.

Leiam, se inspirem e mandem vocês também suas histórias. Conte-nos de quais idéias você é ou foi escravo ou publiquem em seus blogs e partilhem o link aqui com a gente.

Aproveitem a leitura e muito obrigada Daníssima!

....


"Ah! O meu joelho é reconhecidamente esfolado e feio. Como trabalho com crianças, passo uma parte consideravel do dia ajoelhada ou andando de quatro, o que contribui para esfolar tudo! Eu nunca tinha dado tanta bola e achava normalzinho, até a publicaçao no "Borboleta" da foto com os joelhos perfeitos da Somnia. Até senti um pouco de raiva e vi como o mundo é injusto com as pessoas! Eu, com este joelho feioso e a Somnia com aquele joelho sexy!

De qualquer forma, a minha maior neura é outro ponto.

Quando eu era criança, eu tinha um vizinho chamado Tó, um homem, pai de familia, muito feio e chato! O Tó tinha um nariz enorme e na minha familia, por causa da minha brotubêrancia facial, fiquei conhecida como aquela que tinha "nariz de Tó". Oh, my God, meu nariz era grande é de batatinha. O do meu pai, tambem, é grande e de batatinha, mas o do Tó é maior e mais feio.

Com os anos e a ditadura da magreza, percebi que, quanto mais magra eu fico, mais fino fica o nariz. E que descoberta maravilhosa! Enquanto minhas amigas ficam preocupadas com o tamanho da barriga ou das coxas, meu sinal de alerta é o nariz. Fico observando....

Quando engravidei, ficando linda e redondinha, continuei na observaçao do nariz... e, na semana passada, ao ver umas fotos que fiz, estava la, o narizao do Tó. Uma amiga, muito bem humorada, me sugeriu que, durante a drenagem linfatica, eu pedisse para a massagista drenar um pouco o nariz :-) Imaginem a cena ;-) adorei, foi uma alerta para o apse da neura."

Comentários

Danissima disse…
o, comentarios: 1) eu ainda estou com inveja do teu joelho; 2) que fantastico que vc e o Ângelo tem conversas sobre Monet; 3) espero dar conta de que a Alessia encontre seu caminho de "ser"; 4) obrigada pela homenagem ao meu nariz de batata ;-)
Anônimo disse…
tb odeio ser escravizada pela idéia de magreza! fujo dela desde pequena, apesar disso sempre acabo nas malhas das criticas alheias! a verdade e que nunca serei magra, minha estrutura fisica nao condiz com alguem que sera uma gisele B um dia. E porque entao vivo me preocupando com isso?

R.T
Beth/Lilás disse…
Peraí, essa lindeza da foto é a Daníssima!?
Pensei que fosse uma modelo de revista, que fofa!
Ah, sinceramente, neuras sobre o corpo não tenho não. Pra dizer a verdade eu tive, quando era adolescente e o corpo ficou desconjuntado, os braços compridos e o peito aparecendo demais. Então, vivia de blusa com manga e não gostava de mostrar que usava soutien, tinha maior vergonha.
Era uma bocó mesmo! hehe
bjs cariocas
Ivalu Tilu disse…
adorei o blog e o texto da dani!! e eu que nem imaginava que ela fosse encanada com o nariz...(grande, onde? coisa mais sapeca esse nariz, dani, vc é toda miuda, eu nunca teria pensando que tinha complexo do nariz. eu na adolescencia tinha varis: baixinha, morena, peituda, dente de vampiro. decidi que a melhor solução para todos eles era...me olhar o minimo possível no espelho! hoje em dia, já "grandinha" nos 38, decici somar a isso me olhar sem os coulos colocados. FICO PERFEITA!! eheheheh
Lu Souza Brito disse…
Oi Somnia,

Eu já tive tantas neuras...hoje melhorei bastante, aprendi a dizer "ah... vai cagar' pra um monte de gente e coisas.
Mas deixa eu falar??? Eu nao sou louca nem única. Também uso meu nariz como base para saber se estou engordando demais, kkkkkkkk. Porque adoro ele fininho e quando engordo, ele fica parecendo uma panela, que eu carinhosamente chamo de nariz de coxinha.
Beijos
Beth/Lilás disse…
Querida Soninha!
Só vim aqui para lhe desejar um lindo e feliz dia das mães junto aos seus familiares. Parabéns, grande mamãe!
beijinhos cariocas

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que