Pular para o conteúdo principal

Leitor, mostre sua cara!!!

(Eveline Kupske Schwartzhaupt é um leitor tipo "gente que faz!!!" a diferença...)

Essa lindona aí de cima é a famosa Eveline.

Você nunca ouviu falar dela? A Eveline é uma das cento e trinta, cento e poucas pessoas que passam por esse blog diariamente. O número não é alto não, mas a qualidade é bótima!

Essa minha leitora começou a me deixar recados há bom tempo atrás e sempre me deu uma coisa tão boa e super positiva. Entretanto, ao contrário de algumas de vocês que tem blog e quem de quem eu conheço ao menos um pouquinho, eu não fazia idéia de quem ou de como se parecia essa pessoa tão carinhosa que me escrevia sempre.

O jeito de falar da Eveline me lembrava muito duas amigas brasileiras, de muito tempo atrás: sempre que falavam comigo elas pegavam na minha mão, de tão carinhosas. A Solange e a Susette. A Solange já se foi e a Susa mora em Bragança Paulista.

Agora não é curioso que a gente se sinta tão próximo de alguém que nunca viu? E como podemos admirar gente que lemos em outros blogs, pensar nelas e citá-las na hora do jantar com o marido como se fossem de nossa família?

Isso é engraçado, curioso e incrível.

Fiquei tão animada ao ver a foto da Eveline, que enviou para meu email a pedido meu, que pensei se você que está aí escondidinho, bem quietinho, ou nem tanto, não quer dar sua cara para aparecer também.

Não precisa aparecer no blog, se não quiser, mas me mande por email. Vou adorar. E ainda pode escrever algumas linhas com nome, profissão, onde vive, como descobriu o blog. Quero fazer um post só com essas informações e ficaria honrada em conhecer mais alguns de vocês.

Quando recebi a foto da "amiga" Eveline, o jeito como ela sempre me chama quando escreve os comentários, eu senti como sendo um contato real. É uma coisa tão boa saber que ela e eu temos a mesma idade (e ela não é uma senhorinha super simpática aposentada, como eu imaginava pelos comentários), que ela trabalha com contabilidade e é do Rio Grande do Surrr. Agora eu até entendo melhor seu sotaque. A Eveline é realzona, acessa meu blog e lê o que sinto e penso. De algum jeito estamos conectadas e há uma pequena troca, assim como há com tantas outras e alguns poucos outros de vocês. Há gente especial que já passou bastante e sumiu e outras que ficaram. Há gente que vem, concorda ou não, gosta ou não, volta ou não... gente que passa e de quem eu não sei literalmente bulhufas, mas gostaria de saber. Gente como meu digníssimo leitor da famosa cidade de São João da Manteninha que um dia bateu nessa porta.

Agora eu espero que mais de vocês façam o mesmo. Acho que a super Lilás já pensou algo parecido quando colocou uns slides com nossa fotoleta lá no blog dela. Minha idéia é mais simples, é um post mesmo... mas ainda que você já tenha um blog e eu saiba como é sua carinha, me manda a foto pra eu usar.

Se você for dos tímidos ou cheios de complexo é só dizer: "Não use!" haha... eu entederei muito e respeitarei. Mas pode me mandar informações que uso mesmo não usando as fotos. Não vou dar seu endereço no blog, fique tranquilo. É só uma idéia que tive para escrever sobre quem não me escreve, sobre quem está do outro lado da linha.

Beijos e ótima semana! Ah! e o email é:

borboletapequeninanasuecia@gmail.com

Comentários

Beth/Lilás disse…
Oi, Borboleta!
Acho perfeito isso que você colocou, pois falamos das nossas amigas blogueiras em casa com o marido ou com outros amigos e quando temos idéia de como é a pessoa, visualizamos com carinho maior também.
Já pedi a algumas amiguinhas queridas blogueiras e grandes escritoras, vorazes até, escrevem todo santo dia, dizem tanto em seus posts interessantes e cheios de conteúdo, mas não se mostram e não sei porque!
Imagina se eu do alto dos meus 50 e poucos aninhos vou me envergonhar de mostrar minha cara! E tudo sem photoshop, sem tirar uma ruguinha sequer, nem as minhas pintas que me acompanham há tempos!
Escolho as melhorzinhas, claro, porque afinal não sou Suzana Vieira que tem uma cambada trabalhando para tirar-lhe as marcas de expressão (até do sovaco), mas a primeira coisa que tem em meu blog é minha cara para que a pessoa visualize quem está escrevendo e acho que isso passa maior credibilidade sim. Embora, a gente saiba que tem de tudo nesta rede e gente doida que inventa um monte de histórias, usa a cara do outro e por aí afora.
Sinceramente não tenho medo dessas coisas, sempre há um jeito de se provar a verdade e já temos meios pra isso hoje em dia.
Mas, eu não! Mostro a cara, marco encontro até em outro país, como foi o encontro com a Isabela e Cristiane nos EUA e, um dia, espero, quero estar tète a tète contigo minha amiga querida de todos os dias e que alegra meu coração com as suas histórias e filosofia de vida.

Vamo lá, pessoal, quero ver suas carinhas também!

beijos cariocas
Márcia disse…
Que ótima idéia!!! Amei!!! Tantas pessoas que passam, vão se tornando próximas e a gente só fica imaginando com se parece. Taí! Não brigue comigo se eu copiar no Ser Mãe na América, tá? ;o) Beijo.
Eveline disse…
Oi amiga
Que legal, muito engraçado, levei um susto, ops sou eu na tela, hehehehe
Fico feliz em fazer parte da tua vida, mesmo que a distancia, afinal é uma vida muito linda.
Beijos e te cuida
Eveline

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

Na Suécia também não tem... bebê com brinco na orelha

("Não tem brincos: é menino ou menina?", criança sueca posa para grife Polarn O. Pyret ) Nove em cada dez vezes que alguém no Brasil tenta ser simpático com uma grávida ou alguém com um bebê de colo a pergunta é sobre o gênero da criança. Menino ou menina? Já repararam? Embora essa pareça ser a única pergunta possível para tanta gente, a verdade é que ela diz muito sobre nosso modo de ser e pensar e a importância que damos ao sexo e a escolha sexual de uma pessoa. Tomemos outra situação: quando alguém olha para um bebê menino nas ruas no Brasil você acredita que haja alguma expectativa quanto a algum sinal, uma marca, deixando claro e evidente se tratar de um menino? E quando encontra uma menina? Bom, fato é que nossa menina Marina agora tem 8 meses e eu simplesmente não tenho condições de contar as dezenas de vezes em que fui parada nas ruas em São Paulo por alguém perguntando se tratar de uma menina ou de um menino.  Até aí nenhum problema! Bebês no começo não tem