Pular para o conteúdo principal

"Quem é você? Diga logo que eu quero saber..."


Olá gente toda que mandou recadinho no post sobre os 30.000 visitantes. 

Publiquei comentários de muita gente, super demais, que está sempre por aqui, mas bateu atrasada no cronômetro. A coisa curiosa disso é que vocês podem ver lá recados de muitos visitantes queridos, mas não o do visitante 30.000. Eu ia deixar batido, sabe? Ia fazer de conta que não tinha colocado aquele post e dava um de "John Arm less". Acontece que muita gente me perguntou sobre o misterioso, ou seria tímido, ou seria desatento, visitante 30.000.

E eu não tenho como deixar de dizer a verdade. 
Aconteceu de novo a mesma coisa. Adivinha quem foi que bateu em nossa porta naquele exato momento 30.000?

Sim, sim benhê... Você adivinhou rápido. Foi ela mesma, nossa querida Vivi. Ou Vicky. Ou Vitorinha, como preferir. O único problema é que a Vivi fica com esse negócio de anonimato e essa coisa medrosa de aparecer. Lembram de quando ela foi a visitante 6.000 e precisei falar tudo in off? Então...

Ela acabou me ligando esses dias e disse (tudo em sueco, porque tô super expert, sabe?) que tava com saudade, blá, blá, blá. Conversa de mulher. Vivi é adorável, acredite. Ela não é uma princesa como as outras. Ela brinca com Ângelo, come bolo de fubá em casa e me conta as coisas dela por telefone...

Falou de que o simples fato de ter 31 anos e se sentir tão "geração x", acaba sendo um peso a mais em sua vida já sendo pressionada a noivar e casar logo com o Dani, ter os filhos que toda a nobreza espera.  Mas o problema é que ela tem todo esse negócio de medo ser estrela e medo dos tablóides...



(Vicky em visita dos seus sonhos, na Índia)

Por causa disso não deixou recado, apesar de dizer que adora os brasileiros e adora passar pelo Borboleta e ler os textos da Embaixatriz Deslumbrette. E ela tá ainda mais boba com essas coisas depois que foi vaiada por passageiros num vôo de volta da Índia, quando foi orientada a tomar um vôo que não era o seu e estava repleto de outros passageiros. Tudo bobeira, mas vê se rápido que ela tem mesmo o sangue latino choroso nas veias. 

Acontece que a Vitorinha é fofa, mas ela é filha da Rainha, entende? Com tanto dinheiro e tanta coisa para cuidar, não tem como ser uma pessoa normal, sabe? A gente é normal assim, porque não tem sangue azul nas veias e não vive saindo no noticiário. Uma vida simples salva a gente de ser louco, ou pelo menos salva a gente de que os outros saibam que a gente é louco.

De qualquer jeito, fica de novo a homenagem silenciosa. Para a Victoria e para todos vocês que entraram depois dela, porque tenho certeza de que são visitantes tão nobres quanto o nosso número 30.000. Boa noite.  

Comentários

Lúcia Soares disse…
Rsrsrsrsr....Você é ótima! Juro que dá pra acreditar!
Sergio disse…
E eu fiquei pensando: como ela consegue identificar a pessoa??? Precisei de algumas linhas pra cair a ficha.
Por coincidência o primeito post que vi no seu blog foi exatamente o da geração x e não parei mais.

Mas agora vou começar a prestar mais atenção no numero do contador quando vier aqui.

Abraço
Marilena
Anônimo disse…
Noossa... eu to aqui de caara..
caramba a Sonia conhece a princesa e tal....Ela nem me contou..
Vc é boa em fia??
hehehe

BeijUUU
Somnia Carvalho disse…
Querida Lúcia, eu realmente não entendi o que você quis dizer com "dá pra acreditar"...

só relatei o ocorrido, mas você tá achando que tem algo aí inventado? non acredito bella...
Somnia Carvalho disse…
Hey Marilena!

eu não consigo identificar o contador, mas a Vivi me mandou um email, entendeu? pro email do borboleta...

eu tô meio boiando nessas frases de vocês baby!
Somnia Carvalho disse…
Jana, me desculpa queridoca, eu não contei por esses motivos aí explicados no texto. A Vivi, ou como você prefira chamá-la, fica numa paranóia com negócio de paparazzi que nunca posso falar demais...

você me entendeu? porque a querida Lúcia e Marilena parece que estão achando que a coisa é invenção. Maluco isso não?
valeria glauser disse…
ola ...nao sei se é verdade ou mentira que conhece a princesa Vitoria e a Rainha Silvia...mas eu adorei a maneira como as descreve no seu blog...eu visitei a suecia em 2010 e adorei...conheço seu blog desde entao...to sempre te visitando...abraços

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que