Pular para o conteúdo principal

”Obama är snygg och solbränd”: Por que a Suécia não é um bom lugar para se aprender sueco?


A Suécia não é um bom lugar para se aprender sueco porque... quase todo sueco ou sueca também fala inglês, além de sua língua materna. Inglês bonito e fluente.

Toda vez que mando ver meu suequinho "feloso" (feinho, essa palavra é uma invenção portuguesa minha) neles, recebo as respostas num sorridente inglês. 

Há algumas gerações, os suecos têm oportunidade de estudar ao menos duas línguas diferentes na escola. Escola pública, é bom lembrar. A maioria fala muito bem o inglês, incluindo muita senhorinha de oitenta e tantos que fica tentando falar comigo em inglês. Tão bonitinho. 

O inglês é obrigatório e o aluno tem a opção de escolher outra língua dentre algumas oferecidas, como o alemão, o francês e o espanhol que são bem comuns aqui como terceira língua.

Além de ser mais fácil para eles falarem inglês com a gente do que a gente falar sueco com eles, muitos adoram treinar o inglês para as férias de verão ou para o futuro.

A caixa do supermercado, o técnico da máquina de lavar roupa, o garçon do restaurante, a dona da loja, o atendente da prefeitura não só falam inglês como dão um "banho" no nosso inglesinho merreca que aprendemos nas escolinhas particulares caras aí no Brasil.

Eu continuo mandando sueco neles, com frases meio "pancadas" e salada mista e dando aquela enganada.... mas já percebi que embora o inglês facilite demais a vida da gente aqui, falar sueco na Suécia acaba sendo mais fácil se você não entender nada de inglês mesmo. Daí, os caras vão ter que falar "svenska" com você de qualquer jeito... E você? Vai pular miudinho, mas vai falar sueco rapidinho rapidinho, eu lhe "agárantiu!"
...


O hino nacional sueco que está escrito na Bandeira ali acima aclama a natureza e a força da nação sueca como quase todo hino nacional. É bonito de ouvir e vale a pena se você tem curiosidade de saber como soa o sueco ao nosso ouvido brasileiro. 

E o título do post eu tomei de um jornal daqui. Trata-se de uma frase nonsense de Silvio Berlusconi, primeiro ministro italiano, dada numa entrevista sobre o novo presidente dos Estados Unidos: "Obama é bonito e queimado do sol". Dita em sueco parece complicado, mas traduzindo você vê que não é nada demais. Não é mesmo?

Comentários

Anônimo disse…
hehehe...
dorei o post..
falou tudo o q eu tenho sentido esses dias!
pra mim vc e fluente ja em sueco..
nuss pq eu sou terrivel ate o tack eu esqueço de falar,,
lembro depois de ter falado o thanks.. ai penso ai q sacooooo pq nao usei o tack a unica coisa q eu sei!
hahahah

bjo
Anônimo disse…
Oi Sonia!
Olha ai que interessantissimo o seu ponto de vista! nao sei se sou eu a preconceituosa(se diz assim?)ou se as ideologias da faculdade ja me estragaram. Bom a primeira vista oque o Berlusconi disse parece inofensivo mas politica e um jogo de analise, pra mim oque ele disse foi uma nessecidade de (poängtera)afirmar/apontar a origem do Obama, a minha pergunta e pra que? Ele seja branco, azul, cor de abobora isso nao tem importancia oque e importante pra mim e a ideologia a politica dele mas aparentemente isso nao foi tao importante pro Berlusconi. Eu sei que nao se deve generalisar(outra vez acho que isso e mais sueco do que portugues)mas conheci muito italiano que sofria daquilo que eu chamo de jungle fever, quer dizer uma loucura por mulheres de descendencia afro e por essa razao viajavam muito pra Cuba o paradoxo da estoria e que ao mesmo tempo eles as discriminam chamando as de prostitutas etc...Anyway o negocio e que Berlusconi e azul e o Obama e vermelho dai a diferenca. Ah! ja ia esquecendo hoje no jornal do canal 4 a reporter disse uma coisa que me deixou de boca aberta. Ela comparou o Obama com a possibilidade da Suecia ter um presidente "invandrare".1:ela quiz dizer que Obama e minoria nos USA que e uma mentira abominavel em segundo lugar ela esquece que se nao fosse pelos escravos e o colonialismo eles nao existiriam. 2:o sr Reinfeldt publicou no comeco do mandatorio(provavelmente pra simpatizar com os estrangeiros)que ele tinha origem nao sei da onde oque significa que na pratica ja temos um invandrare como presidente ne? ja falei demais..
BJS
/JR
Somnia Carvalho disse…
Jana, nem parece que tamu tão perto uma da outra!

Ih menina! acho que levei um tempão misturando tchau, bye bye e hey da! haha... você tá super bem na fita!

beijos e tento te ligar!
Somnia Carvalho disse…
Jessicka, queridíssima amiga pensante...

Voce achou meu ponto de vista interessante? qual? sobre o tema do post ou sobre o Berlusconi... porque no fundo eu não pus nada sobre ele... eu deixei no ar mesmo... Mas eu concordo total com você: quando eu disse non sense eu quis dizer que o danado falou como quem não queria nada... Parecia uma frase besta, mas no fundo não era. Ela é non sense, no sentido que aponta coisas no Obama que não tem nada a ver com o discurso.. nada a ver com o momento e nada a ver com sua competência. E um discurso ridículo, populista e cheio de artimanhas. E também acho, como você, que ele queria mesmo era apontar a cor do outro, a "raça", que ele mesmo tratou de pôr para fora da Itália, desde que chegou...

adorei o comentário, vamos marcar um almoço pra comentar mais gostoso? rs...

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que