Pular para o conteúdo principal

"Sombra e água fresca": tô assando a 30 graus...



Eu sempre disse à minha mãe que, apesar de no Brasil não fazer frio de verdade, ela sente frio porque as casas não são preparadas para isso. Sem aquecimento, paredes e janelas fortes o frio entra e é como se estívessemos no meio da rua. Por isso, a sensação de 15 graus é de um frio danado! E por isso eu fico muito bem aqui, com -10 lá fora, quando estou dentro de casa...

Mas esses dias eu pensei que a recíproca também é verdadeira: a temperatura por aqui está extremamente alta para os padrões escandinavos. Segundo minha amiga sueca, Paulina, está quente como não foi há muitas e muitas décadas atrás. 

Tem chegado a picos de 35 graus durante o dia, fora e também dentro de casa, porque, contrariamente ao Brasil, as casas aqui não estão preparadas para aguentar o calor.

Todos os dias tenho escancarado todas as janelas da casa e não é suficiente... A gente se sente assando e a solução é ficar nos parques, embaixo das árvores, ou na praia, onde a brisa é fresca e a gente sente que, ao menos, está aproveitando o sol antes que o inverno chegue...

É o que tem feito a suecada toda lotar praias e praias...

...

Outra coisa curiosa foi ontem, no ônibus... Ao entrar, procurei me sentar com Ângelo do lado que todo mundo estava, porque deduzi que seria o lado onde eu não pegaria sol... Errei! todo mundo se senta no sol, mas eu... brasileira, gosto mesmo é de sombra e água fresca...


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

Na Suécia também não tem... bebê com brinco na orelha

("Não tem brincos: é menino ou menina?", criança sueca posa para grife Polarn O. Pyret ) Nove em cada dez vezes que alguém no Brasil tenta ser simpático com uma grávida ou alguém com um bebê de colo a pergunta é sobre o gênero da criança. Menino ou menina? Já repararam? Embora essa pareça ser a única pergunta possível para tanta gente, a verdade é que ela diz muito sobre nosso modo de ser e pensar e a importância que damos ao sexo e a escolha sexual de uma pessoa. Tomemos outra situação: quando alguém olha para um bebê menino nas ruas no Brasil você acredita que haja alguma expectativa quanto a algum sinal, uma marca, deixando claro e evidente se tratar de um menino? E quando encontra uma menina? Bom, fato é que nossa menina Marina agora tem 8 meses e eu simplesmente não tenho condições de contar as dezenas de vezes em que fui parada nas ruas em São Paulo por alguém perguntando se tratar de uma menina ou de um menino.  Até aí nenhum problema! Bebês no começo não tem