Pular para o conteúdo principal

Somnia Deslumbrette na Terra do ABBA



Gente!

Depois de anos "chacoalhando" meu esqueleto todo ao som de "Dancing Queen" e outras tantas canções do grupo sueco ABBA eu finalmente entendi: o ABBA só poderia ter nascido aqui.

Acordei ouvindo o grupo e tive um insite assim, um lampejo em meio à essa escuridão dos nossos dias de inverno daqui: sabe a música? É... os instrumentos e toda a composição das músicas do ABBA? tem o sentimento daqui...

É louco! é verdade!
Se você ouve o ABBA num dia como hoje, por exemplo, é perfeito!
Eu sei... você poderia me dizer: "qualquer dia pode ser perfeito para ouvir o ABBA!" Se você é um fã como eu...

Eu sei. O que quero dizer é que essa paisagem, esse clima, tudo isso, ajuda a entender de uma forma mais "acabada", não sei a palavra, o porquê da música deles ser ao mesmo tempo alegre e triste, ao mesmo tempo brega e apurada...

Não sei explicar, perdoem! Essa sonoridade, o som, aquele jeitão deles, as letras sempre meio "brega-dow" deles, combina mais que perfeitamente com o lugar de onde vieram.

Eu seeiiii... você poderia me dizer: "Óbvil, minha filha! todo mundo é meio resultado do lugar de onde veio!"

Eu sei....

O que eu posso dizer é que é demais!

Eu que sempre ouvi e dancei meu cedezinho "ABBA 25 anos" no Brasil, enquanto faxinava a república onde vivia, enquanto pintava, enquanto tudo, nunca o ouvi como hoje.

Três dos integrantes do grupo são suecos, Björn Ulvaeus, Benny Andersson e Agnetha Fältskog, e uma das vocalistas, Anni-Frid Lyngsta, conhecida como Frida, norueguesa. Eles nasceram aqui pertinho de onde vivo agora. Em cidades próximas a Malmö, passaram, viveram e vivem por essas bandas. Os dois homens ainda cantam e trabalham aqui mesmo.

Lendo a biografia deles, dia desses, reconheçi os nomes e as cidades, tudo tem se tornado estranhamente familiar para mim. E os nomes! Eles nem me parecem complicados!

Não é estranho?
Talvez sejam só obviedades mesmo, mas eu me deslumbro com isso!
Eu acho isso tudo muito legal...

Faz parte da minha natureza gostar dessas músicas que a gente pode sair dançando, meio feliz da vida, meio de bem com a vida, essas músicas que a gente canta sempre meio nostalgicamente... Adoro! e o ABBA, meus colegas aqui de moradia, são perfeitos nisso!

Aqui vai uma das minhas preferidas... "Knowing me, knowing you". A letra fala da dura, mas sensata separação de duas pessoas, quando as coisas não dão mais certo e elas percebem que, embora se amem, o jeito como são não dá para estarem juntas. Mais racionalidade que emoção. Pura filosofia sueca. Neste caso, acertadamente sueca.

Ótima, alegre e pensativa semana pra todos nós!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que