Pular para o conteúdo principal

"Em busca do Tempo Perdido"


(Os avós da personagem, Elisabethi Stacchine e Santi Cechetti)

"Professora, casada e mãe de dois filhos, cujo sonho sempre fora conhecer suas origens na Itália e a cidade onde seu pai nascera, sai em busca do tempo perdido, mas conhece mais do que sempre esperava: presente, passado e futuro se juntam nesta trama em que o nascimento do neto na Suécia motiva a realização do grande desejo."

Este trecho acima bem que poderia ser a sinopse de algum filme bem gostoso de ver no domingo. Entretanto, a personagem acima, apesar de buscar intensamente seu "tempo perdido", como o fizera Marcel Proust ao escrever suas memórias em vários volumes, está longe de ser ficção.

Irene Cechetti, filha de Ubaldo e Conceição Cechetti nasceu no Paraná. De lá, veio para São Paulo em busca de um sonho ainda não perdido: o de ser professora. De lá para cá muita coisa aconteceu e Irene realizara não só aquele como outros inúmeros sonhos: casou-se com Caetano e teve dois filhos: Renato e Adriana.


(Os pais, Ubaldo e Conceição Cecchetti)


(O marido, José Caetano Pinto)

Depois de quase trinta anos como professora primária de escola pública, Irene aposentou-se e viu-se então com uma vida que não esperava: os filhos criados deixaram o ninho. O filho casado, tivera o esperado neto num continente distante. Era chegada então a hora há muito desejada: sair e conhecer a Itália, de onde seu pai havia vindo quando criança. Sair e ver de perto a cara dos lugares que ela conhecia de ouvir falar. Sair e se sentir parte de uma história que seus avós construíram, tomar lugar numa família que ela nunca conhecera, mas da qual sempre sentira saudade.


(O filho, Renato, e o netinho, Ângelo)

Se o nascimento do neto (que garantirá o futuro) fora o estopim para o contato com o presente ele acabou por ser também motivador do encontro com o passado. A procura de Irene pelas memórias, por conservar aquilo que foi tão caro a uma outra geração e possibilitou a existência de muitas outras, não é filme, mas lembra um. Um delicioso exemplo é "Everything is Illuminated" ou "Uma vida Iluminada", que tem como protagonista Jonathan, vivido por Elijah Wood, o rapaz do "Senhor dos Anéis". Neste belo, colorido e intenso filme, Jonathan, personagem central, vai até a Ucrânia, onde espera encontrar uma senhora que ajudara seu pai na guerra.


(Cena de "Everything is Illuminated", na qual o taxista que aguarda Jonathan o espera com uma placa onde escrevera o nome da forma que entendera)

Jonathan coleciona objetos estranhos. Coleciona tudo que ele crê fazer parte de sua história. E são esses objetos estranhos que o aproximam de alguns outros personagens da história, como o taxista e sua família. No filme, a dificuldade da língua acaba sendo motivo de riso. O engraçado e simples taxista ucraniano, por exemplo, não consegue pronunciar corretamente seu nome e o chama de Jonfen.

A viagem do personagem do filme é bela e excêntrica e o encontro com a tão esperada mulher extremamente emocionante. É numa paisagem quase sul realista que seu sonho se realiza e onde ele encontra seu "tempo perdido".



Tão bonita quanto esta trama hollywoodiana que assisti cerca de um ano atrás, ainda no Brasil, é a história de Irene e de sua família. Lembra o filme, ou este lembra a história de Irene: a mesma dificuldade da língua que também gera ansiedade e riso, por exemplo. Irene e Caetano não falam italiano, nem inglês. Os parentes, por sua vez, não falam o inglês nem o português, mas o passado e a história que um dia se pais e avós construíram lhes permite entederem-se bem e sentirem-se parte de uma mesma família.



Neste momento em que escrevo estas linhas, Irene e Caetano, os personagens da nossa história real, estão em Perugia, região da Umbria, na Itália. De cima de uma montanha, próxima à casa onde nasceu seu pai, Irene falou há pouco com sua filha, Dri.
Em êxtase e realizada, ela sente que o tempo, antes parecido perdido, agora não lhe escapa mais as mãos. Ela tem material para juntar sua própria memória. E assim como Jonathan, nosso personagem ficcional, ela ganhou de presente a amizade de uma prima que entrou na história por acaso e agora lhe mostra a cidade e os parentes. Assim como a de um primo, Enzo, que há muitos anos tentou entrar em contato com os familiares no Brasil. Foi a partir de uma carta deste primo, perdida no Paraná, mas valorizada e colecionada por Irene, que ela pôde juntar os pedacinhos do seu belo e emocionante quebra-cabeça.

A vida pode parecer filme às vezes, mas a verdade é que ela mesma é material para a arte. É baseado em histórias emocionantes, gostosas e marcantes iguais as da Irene e sua família que tantos filmes e livros são feitos. O fato é que a vida é muito mais criativa que a arte. Só é preciso um olhar mais atento de nossa parte e um interesse pelas rugas de quem um dia já foi tão jovem e sonhador quanto nós o somos hoje.


(Os tios, Ester Cecchetti (filha de Santi e Elisabethi) e João Traguetta)


(Os tios, Olívia Cechetti (filha de Santi e Elisabethi) e Francisco de Lima)

ps: Assista ao vídeo de "Everything is Illuminated" no link ao lado deste texto)

Comentários

Anônimo disse…
É de arrepiar ver essa trajetória virar história. Confesso que estou emocionada em ver meus pais (principalmente minha mãe) enfrentarem uma barreira q costuma paralisar até o mais preparado dos homens: o medo do desconhecido.


Só você mesmo pra transformar tudo q vê em arte.

Bjs e saudade do nosso passado...

Dri.
Somnia Carvalho disse…
Dri, eu também me emocionei quando voce disse que ela estava la com eles todos! é bonito ne? fico muito feliz por eles dois! a vida pode ate tomar outro rumo agora depois da viagem, porque tudo parece mais facil... beijos, te adoro, e muito dificil nao poder nos encontrarmos nos nossos deliciosos passeios!
Unknown disse…
Sendo eu a protagonista desta história de vida.Ao ler seu texto uma emoção muito forte tomou conta de mim.
De uma maneira simples,clara e bonita você,com palavras conseguiu trasferir todos meus sentimentos.
Nesta minha viagem vivi intensamente o presente,passado e o futuro.
O "Presente" presente pude segurá-lo nos braços e ouvir sua gostosa "fungueirinha".
Bati na porta do passado.Entrei,pisei em terras que foram pisadas pelos meus avós.Senti o que eles devem ter sentido ao deixar tudo aquilo para tras e navegar dias e mais dias por águas salgadas.Salgadas como deve ter sido a dor da despedida.
Foi prazeiroso poder visualisar uma imagem do futuro.Um futuro tão próximo que está presente.
Sorri! Sofri !
" Mas fortes emoções eu vivi "
Beijos ! Muito obrigada por tudo !!!
Somnia Carvalho disse…
Irene que recado lindo! que gostoso saber que você se sentiu na historia porque voce foi a inspiracao!!!!
eu realmente fiquei muito feliz em te ver realizando tudo isso e o seu sonho! beijosss
Anônimo disse…
Linda história, ainda mais vendo as fotos de minha avó (Ester), e meu avô (joão Batista)! parabéns! abraços

mtraguetta@gmail.com
Somnia Carvalho disse…
Márcio, fiquei muito feliz em saber que você leu o texto e ainda mais que se sentiu nele. Pra mim foi emocionante ter escrito estas palavras, porque a história além de linda é de dar orgulho.

Eu não o conheço, mas você deve ter sido apresentado ao blog pela Irene... é isso? você é de São Paulo também?

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

Na Suécia também não tem... bebê com brinco na orelha

("Não tem brincos: é menino ou menina?", criança sueca posa para grife Polarn O. Pyret ) Nove em cada dez vezes que alguém no Brasil tenta ser simpático com uma grávida ou alguém com um bebê de colo a pergunta é sobre o gênero da criança. Menino ou menina? Já repararam? Embora essa pareça ser a única pergunta possível para tanta gente, a verdade é que ela diz muito sobre nosso modo de ser e pensar e a importância que damos ao sexo e a escolha sexual de uma pessoa. Tomemos outra situação: quando alguém olha para um bebê menino nas ruas no Brasil você acredita que haja alguma expectativa quanto a algum sinal, uma marca, deixando claro e evidente se tratar de um menino? E quando encontra uma menina? Bom, fato é que nossa menina Marina agora tem 8 meses e eu simplesmente não tenho condições de contar as dezenas de vezes em que fui parada nas ruas em São Paulo por alguém perguntando se tratar de uma menina ou de um menino.  Até aí nenhum problema! Bebês no começo não tem