Pular para o conteúdo principal

O que você escolhe?

(A marcha de Sartre)

“(...) não encontramos, já prontos, valores ou ordens que possam legitimar a nossa conduta. 
Assim, não teremos nem atrás de nós, nem na nossa frente, no reino luminoso dos valores, 
nenhuma justificativa e nenhuma desculpa. Estamos sós, sem desculpas. 
É o que posso expressar dizendo que o homem está condenado a ser livre. 
Condenado, porque não se criou a si mesmo, e como, no entanto, é livre, 
uma vez que foi lançado no mundo, é responsável por tudo o que faz”. 

 SARTRE, Jean-Paul. O existencialismo é um humanismo. 3ª ed. São Paulo: Nova Cultural, 1987, p. 9.

Tenho o hábito de começar uma aula com o pessoal da terceira série a respeito do famoso filósofo Jean Paul Sartre, quem tem a liberdade e a existência como tema central, com uma dinâmica que é mais ou menos assim:

Primeiro, pense só se você acha que somos ou não livres. Você acha que você é livre?

Sartre afirma que "estamos condenados a ser livres". O que esta afirmação maluca pode querer dizer?

Bom, então imagine (se esforce em imaginar) que algo muito inesperado ocorra agora e o mundo, o nosso planeta Terra, irá acabar em alguns minutos. É lhe dado duas coisas: 1) o direito de permanecer vivo indo habitar outro lugar; 2) o direito de escolher 3 coisas de fato signficativas e importantes para você.

Neste caso você não tem outra escolha a não ser escolher ir, mas escolhe se quer levar algo, alguém ou não.

Entre as 3 coisas você pode incluir pessoas e objetos e a família próxima, como marido e filhos, ou pai e mãe será considerado como 1 item. De resto, certifique-se de não ultrapassar o limite, senão a nave que nos levará ficará inabitável. Ah! itens básicos de sobrevivência, como comida, água, local para dormir estão inclusos nesta viagem sem volta.

Normalmente dá o que falar a aula, mas a intenção é começar com a ideia de pensarmos no valor e sentido que damos às coisas e pessoas a quem somos apegados. E, obviamente, no ato de escolher.

Sim, é uma tarefa difícil, mas é o que você pode fazer agora: usar seu poder de escolha.

Eu quase sempre dou um jeito de escolher levar música. Eu não me vejo na vida sem algumas pessoas e sem música... também já escolhi utensílios para a pintura, mas mesmo para pintar eu só sei fazer ouvindo algo... então penso que a música ainda é mais forte.

Pensei nesta brincadeira agora de manhã novamente ao ouvir esta composição ma-ra-vi-lho-sa, do polonês Zbigniew Preisner: Lave Mouvements Du Désir. Insisto que você clique no nome e vá para o link ouvi-la. É a número 12. Vale muito a pena!

Esta música faz parte de um álbum especial com trilhas sonoras dos filmes A dupla vida de Veronique, A trilogia das cores (A Liberdade é Azul, A Igualdade é Branca e A Fraternidade é Vermelha), Décalogo, Europa Europa e Fatal, todos eles são de um conterrâneo de Preisner, Krysztof Kieslowski, e ela mesma é trilha sonora do filme da diretora Léa Pool, "Movimentos do desejo", o qual eu não conheço, mas quem me fez pensar em tudo isso hoje de manhã de novo...

Os filmes do Kieslowski estão entre os melhores filmes que já vi na vida, entretanto, também estes filmes não são possíveis sem as trilhas sonoras que os acompanham. Preisner quase que dá significa às cenas de Kieslowski. Não consigo imaginar um existindo sem o outro, assim como não imagino meu universo existindo sem música, por exemplo.

Portanto, eu reforço que definitivamente eu levaria música entre as 3 coisas, pois música significa para mim transcendência, espiritualidade, conexão com o universo e as pessoas, leveza, pureza, paixões, liberdade. 

Agora eu queria brincar com você e, depois, conto sobre minhas outras coisas e o significado delas.

Você topa? Então manda! A primeira parte é só responder esta perguntinha aí:


Quais são as três coisas você escolhe levar?



Comentários

Daniela disse…
Minha mãe (ela me ama tanto!), minha irmã (é a minha melhor amiga), música (é o meu refrigério).
Lúcia Soares disse…
Não escolho nada nem ninguém.
Não sou livre o bastante.
Adorei o texto, concordo muito, a música é linda, mas definitivamente não escolho apenas 3 objetos, ou pessoas.
Beijo, Sônia.
Beth/Lilás disse…
Poxa, Borboleta, eu sei o que eu não levaria, mas só 3 coisas pra levar?!!!
Como você, eu adoro música, sou movida por ela e ela seria uma das coisas que levaria também, junto com ela, levaria um pé de alguma flor ou fruto, não sei viver sem o verde e outra coisa que levaria seria uma noz ou uma amêndoa, adoro estes frutinhos!
Mas, pessoas, claro, levaria a mãe, o marido, filho.
Ah que coisa mais difícil sô! hehe
beijinhos cariocas


Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que