Pular para o conteúdo principal

Por que eu quis ser professora?


("O Caderno", Toquinho, música que me lembra minha sobrinha Luana e minhas primeiras tentativas de ser a um exemplo para alguém...)

Minha mãe me visitou este final de semana e esta é uma coisa que acontece raramente, dada a distância e outras circunstâncias... E eu, claro!, fiquei imensamente feliz e agradecida. Além da companhia, pude curtir com o "maridu" uma deliciosa festa.

Entre tanta prosa ela se lembrou como na adolescência eu tinha me apegado à ideia de ser freira missionária e de quando algumas freiras nos visitaram em casa e eu visitei suas congregações na tentativa desesperada de ir ser missionária pelo mundo.

Foi a primeira vez que contei à ela como eu desisti da ideia. Na época uma freira, quem depois se tornaria uma querida amiga, me mostrou como meus desejos pessoais não coincidiam com aquela vida. Ao me perguntar o porquê de eu querer tanto aquele caminho, eu respondi com toda ingenuidade do mundo: "é que eu quero mudar o mundo!". 

Sim, era a mais pura verdade! Eu desejava tanto melhorar o mundo! Ajudar as pessoas (na época eu só pensava em pessoas carentes) a serem mais felizes, a terem condições de ter uma vida digna de ser vivida.

A freira sem hábito sentada a minha frente, respondeu com toda a calma do mundo: "Sônia, você não precisa ser freira para tentar mudar o mundo!". Ser freira requer abrir mão de outras tantas coisas que você parece amar fazer...

Aquela conversa foi decisiva e eu desisti totalmente de ser uma religiosa.

Enveredei com muita certeza pela Filosofia e pelo desejo ardente de aprender para ensinar. 

A Filosofia me pareceu, alguns anos depois desta conversa, muito libertadora. Libertadora porque esclarecedora!

E aí me eu tornei professora! Não só filosofando, mas ensinando a escrever, a criar a viver.

Nem sempre eu consegui o desejado! Tantas vezes mais eu aprendi ao invés de ensinar. Aprendi que não era dona da palavra. Aprendi que o outro tem uma riqueza capaz de me transformar também. Aprendi que mudar o mundo ou melhorá-lo não era nada, mas nada fácil, porque o mundo é feito de pessoas e pessoas tem as mais variadas ideias sobre o que é ser feliz. Sobre o que é ter dignidade.

Eu aprendi tanto nestes anos lecionando. Neste ano, em que voltei a dar aulas depois de quase 4 anos longe do trabalho e do Brasil, eu tenho aprendido uma outra lição: ensinar é mais do que passar o conhecimento adquirido. Sobretudo em tempos de internet e acesso fácil à informação meu papel mudou bastante... Ensinar tem sido ajudar o outro a construir seu próprio caminho. Ensinar é dar liberdade, mas liberdade só vem com determinada carga de conhecimento e é só nisso que tudo que aprendi pode colaborar...

A gente pode ensinar e mudar o mundo de tantas formas diferentes... Sendo freira, é! provavelmente! mas sendo uma mãe e um pai acolhedor e amoroso, sendo amigo presente, sendo um chefe que sabe ouvir e mostrar caminhos e alternativas, serndo arquiteto, artista, médico, pedreiro, faxineira... ou pode dedicar a fazer só isso e ganhar a vida assim sendo professor ou professora como eu escolhi...

Obrigada minhas caras alunas, ex-alunos, alunos e ex-alunos!

Parabéns amigos professores e professoras!!!

E você: Por que ser tornou professor ou professora?

Comentários

Beth/Lilás disse…
Sim, amiga, ensinar é um ato de amor acima de tudo e você entendeu que quando ensina, também aprende, pois todos temos algo a passar pro outro.
Parabéns pra você, a todos nós que um dia estivemos ou estão envolvidos com a educação em nosso país.
beijos grandes, cariocas
Lúcia Soares disse…
Acho uma das mais lindas profissões, sem dúvida. Acho que seria uma ótima professora, mas não consegui seguir minha vocação (N motivos). Era muito idealista, também, e "o sistema" me pareceu injusto, como sei que ainda é.
Parabéns para você, que ama o que faz. Só isso já vale, ne´?
Beijo.
Oi Somnia!
Parabéns por essa linda profissão.
Eu me tornei professora pra realizar um sonho de criança e até hoje, apesar de ser nova nessa profissão, busco sempre mais e espero educar muitas crianças ainda.
Um xero grande
Somnia Carvalho disse…
Beta Lilas brigada amiga querida!!! sim, aprender e o melhor da brincadeira!

Somnia Carvalho disse…
Lucinha e Ana Karla, eu acho que o professor pode ser uma ponte... uma ponte que leva a crianca ou adulto a um novo lugar! eu acho que quando conseguimos isso e lindo!

sobre o sistema eu acho o sistema no brasil terrivel mesmo! o publico onde deveriamos ter o melhor paga tal mal, ninguem motivado!

na verdade, como profissao no sistema privado acho que temos uma ideia de que se ganha mal, quando na verdade ganhamos o mesmo que qualquer engenheiro, arquiteto, advogado normal.

Nao e injusto no sistema privado que se preze, mas deveria ser assim em tudo!
eu estou no privado e por isso me propus a fazer um trabalho com comunidades carentes dentro deste sistema tambem!

Postagens mais visitadas deste blog

Na Suécia também não tem... bebê com brinco na orelha

("Não tem brincos: é menino ou menina?", criança sueca posa para grife Polarn O. Pyret ) Nove em cada dez vezes que alguém no Brasil tenta ser simpático com uma grávida ou alguém com um bebê de colo a pergunta é sobre o gênero da criança. Menino ou menina? Já repararam? Embora essa pareça ser a única pergunta possível para tanta gente, a verdade é que ela diz muito sobre nosso modo de ser e pensar e a importância que damos ao sexo e a escolha sexual de uma pessoa. Tomemos outra situação: quando alguém olha para um bebê menino nas ruas no Brasil você acredita que haja alguma expectativa quanto a algum sinal, uma marca, deixando claro e evidente se tratar de um menino? E quando encontra uma menina? Bom, fato é que nossa menina Marina agora tem 8 meses e eu simplesmente não tenho condições de contar as dezenas de vezes em que fui parada nas ruas em São Paulo por alguém perguntando se tratar de uma menina ou de um menino.  Até aí nenhum problema! Bebês no começo não tem

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel