Pular para o conteúdo principal

A educação pela net e as novas formas de conhecimento

(Obra de Don Dalkhe, in: Emily Duong)

Uma tela em branco, tintas de várias cores, pincéis e crayons... Este foi o ambiente de uma de minhas últimas aulas de Filosofia da semana passada, no colégio onde dou aula. Ao invés da habitual sala de aula, um ateliê enorme de arte.

A ideia era aprofundar o conceito de "tábula rasa" do filósofo John Locke para quem nós não somos mais do que uma somatória de experiências vividas ao longo da vida. Para este pensador, tanto o conhecimento quanto quem somos é algo que deriva da nossa relação com o mundo, de como nossos sentidos captam este mundo e o outro a minha volta.

Cada vez mais tenho sentido a necessidade de extrapolar o espaço da sala de aula, buscar sensações para as reflexões, criar uma forma do conteúdo de Filosofia (e também Sociologia) não acabarem por ser mais uma disciplina a ser memorizada e aprendida para depois ser, como tantas milhares de coisas ensinadas na vida, esquecidas.

Nesta aula, em especial, minhas alunas e alunos refletiram sobre tudo que imaginaram que sabiam do mundo no mesmo dia em que nasceram. "Nada!", muitos responderam. "Eu era puro instinto!", disseram outros. Disso, pulamos para aquilo que julgam ser as principais características de suas personalidades, isto é, características moldadas a partir de experiências vividas. De sensações experimentadas. O passo final foi abstrair este "eu" numa tela branca, uma tábula rasa.

Não imaginem, contudo, um ambiente todo calminho, com gente pintando e refletindo. Os meus alunos e alunas adolescentes não são assim! Eles são agitados, versáteis, falantes, fazem e falam mil coisas ao mesmo tempo. Com eles, a lousa digital que uso, na qual vídeos, músicas, power-point etc são aplicados todos os dias, além dos seus tablets e nets pessoais, tudo pode facilmente se transformar do extremamente excitante para o insuportavelmente entediante.

Eles tem presssa. De tudo!

Foi pensando ainda nesta aula e em outra do mesmo estilo, dadas na semana passada, que li - lá mesmo na escola - uma matéria do jornal "O Estado de S. Paulo" sobre a "Universidade do Povo", uma Universidade Virtual que agora chegou ao Brasil. Este é mais um passo em direção à quebra, cada vez mais acentuada, no formato tradicional de educação.

Eu tenho pensado que a educação como nós conhecemos no passado e conhecemos ainda agora está com os dias contados. Os nossos jovens gritam por uma nova forma de aprendizado. Eles sentem o mundo de uma outra forma, mas ainda são educados como se fossem os velhos de antigamente.

É por conta dessa demanda por agilidade, simplicidade e facilidade que os milhares de cursos virtuais hoje ganham espaço e candidatos.

A Universidade do Povo é um bom exemplo de como nós estamos presenciando uma grande virada no formato educacional e no modo como o conhecimento era passado até então.

Claro que eu sou mais uma das milhares de pessoas que pensam o mesmo e tem apoiado formas alternativas de educação e ensino, mas aproveito para convidar você a visitar o site "Cursei", cujo criador eu conheço bem e é uma das pessoas mais extraordinárias que conheço na vida pessoal em vislumbrar o futuro, o Renato.

O Renato está tentando catalogar todo tipo de curso on-line, gratuito e pago, oferecido no Brasil. Ele pretende ser uma referência em cursos e quase um site de procura para quem pensa em fazer qualquer tipo de especialização e formação à distância.

Temos trocado muitas ideias sobre essas mudanças, esses novos rumos e pensamos como podemos fazer parte desse processo, sem apenas menosprezá-lo ou fechar os olhos. Como se atualizar, manter formas de crescimento e renda pessoal, mas ao mesmo tempo contribuir para que estas mudanças sejam experimentadas por outros, para que o conhecimento seja, de fato, globalizado.

O Renato, como eu, acredita que a internet tenha trazido não só ganhos para o conhecimento e para nossas experiências que o complementam, ela de fato transformou e transformará ainda mais a forma como lidamos com a criação e a troca de informação. A informação, através da internet tomou uma nova forma de relacionar as pessoas e criar sensações. E a partir dessa as possibilidades de transformar o mundo e as pessoas, mesmo que as salas de aula (provavelmente não no formato que conhecemos) e os ateliês de arte ainda possam guardar um lugar e proporcionar encontros incrivelmente saborosos.


Comentários

Unknown disse…
Sonia, nas atuais circunstâncias, com toda tecnologia e conhecimento disponível, ainda não é possível se livrar de problemas como a guerra ou a fome. As soluções são simples e conhecidas: "quando um não quer, dois não brigam" e "é dando que se recebe". O que me leva a ter certeza de que o que sabemos, apesar de crítico, não é o que faz a diferença, mas o que não sabemos que não sabemos. Obrigado por proporcionar aos seus jovens um espaço para eles experimentarem este breu desconhecido dentro deles mesmos. Eu quero isso para os meus filhos!!! Com certeza vamos nos surpreender com as telas que estão por serem pintadas! E Renato, o que podemos fazer para expandir esta idéia?
Renato disse…
Oi So, valeu pela referência ao cursei.com, eu fiquei com vontade de fazer o blog depois de fazer um cursos online destes. Eu espero que sirva como inspiração para mais pessoas.

Postagens mais visitadas deste blog

Na Suécia também não tem... bebê com brinco na orelha

("Não tem brincos: é menino ou menina?", criança sueca posa para grife Polarn O. Pyret ) Nove em cada dez vezes que alguém no Brasil tenta ser simpático com uma grávida ou alguém com um bebê de colo a pergunta é sobre o gênero da criança. Menino ou menina? Já repararam? Embora essa pareça ser a única pergunta possível para tanta gente, a verdade é que ela diz muito sobre nosso modo de ser e pensar e a importância que damos ao sexo e a escolha sexual de uma pessoa. Tomemos outra situação: quando alguém olha para um bebê menino nas ruas no Brasil você acredita que haja alguma expectativa quanto a algum sinal, uma marca, deixando claro e evidente se tratar de um menino? E quando encontra uma menina? Bom, fato é que nossa menina Marina agora tem 8 meses e eu simplesmente não tenho condições de contar as dezenas de vezes em que fui parada nas ruas em São Paulo por alguém perguntando se tratar de uma menina ou de um menino.  Até aí nenhum problema! Bebês no começo não tem

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel