Pular para o conteúdo principal

Neuras, neuroses, neuróticas!


Adoraria fazer agora uma longa reflexão sobre o comentário que várias de vocês fizeram ao post "O robô do espaço..." no qual elogiam meu joelho e minhas pernas, mas acabei de ter uma idéia brilhante! Ao menos será se vocês me apoiarem!

Pernas? Belos joelhos?

E se eu dissesse, sem medo de parecer infeliz, que tentei editar aquela foto cortando os tais joelhos e pernas elogiadas? Sim! Quando vi as pernocas na foto pensei: "Meu que pernão horrível aparecendo na foto! Parece joelho de Nona!" Não tenho nada contra as Nonas. Apenas me incomodou o fato de eu achar que minha perna já estava parecendo a de uma!

Que fazer? O jeito era cortar! Fazer uma edição. Tentei até, mas aí aproximava demais a cara e as rugas. Estas que me deixam realmente neurótica! Desisti desolada! Ou usava a foto daquele jeito, com joelhom e tudo ou desencanava do post, porque eu só queria se tivesse uma foto minha com Angelinho e Marinacota juntos para ilustrar.

Porobrema era que eu nem tenho tirado fotos por conta das olheiras de cansada e tal...

Então, vencida, derrotada, apareci na foto e tive elogiada as partes que desejei cortar. As mesmas que deixaram outras de vocês com inveja boa.

Não somos todas neuróticas e malucas?
Não temos neuras demais com nossos corpos e aparências?
Não pensamos demais no que os outros vão achar de como estamos aparecendo na foto?

Abaixo a escravatura!

Vou convidar, convocar todas vocês esta semana a um post coletivo sobre o assunto. Que tal escrevermos um post a respeito de como cada uma se vê com relação à beleza e à passagem do tempo?

Eu mesma tenho aqui o rascunho antigo de um post que nunca tive coragem de terminar e publicar, cujo título é "Achei um cabelo branco nas minhas partes íntimas!". Se vocês entrarem no bonde comigo eu prometo que termino o post e publico aqui no Borboleta e ainda publico alguma foto minha muuuito horrorosa.

E você? O que tem medo ou vergonha de esconder de si mesma mais por conta do mundo do que de você mesma? Que verdade você pode nos contar sobre suas neuras, sobre como nos deixamos escravizar por exigências de juventude e beleza que estão acima da realidade ou que nos levam a a desistir de coisas mais valiosas em nós mesmas?

E se tiverem fotos pessoais que possam ilustrar o post, melhor ainda!

Peço o favor de estenderem o convite as suas amigas blogueiras e não blogueiras. Divulguem, por favor!

No final vou colocar aqui o link para todos os posts publicados nos blogs de vocês! Ou, se você quiser escrever e não tiver blog eu publico o texto aqui.

É só me mandar os links ou textos nos comentários ou no email borboletapequeninanasuecia@gmail.com até o dia 24 de dezembro.

E até breve! Suas, suas.... horrorosas!

Somnia Joelhom.

...

update: trocando idéias pensei em prorrogar o prazo e programarmos a blogagem coletiva para 15 de janeiro. Assim todo mundo tem tempo de viajar, curtir festas e recolher as melhores fotos e histórias para a blogagem coletiva. Que acham?

Até lá estou convocando as mui corajosas e os mui corajosos a exporem suas péssimas fotos no facebook. Sem medo de parecer rédiculos!

Comentários

Beth/Lilás disse…
kkkkkkkkkkkkk
Me amarrei na idéia!
Agora pelamordedels não coloque foto sua de onde tem os tais pelinhos brancos. kkkkkkkkkk
Muié é tudo assim, não gosto disso, daquilo, tá gorda, feia, bração, pernão, peitão, bundão ou sem bundão.
A gente nunca tá satisfeita mesmo.
Vou fazer o convite, pode deixar.
beijoquinhas cariocas
Luciana disse…
Somnia, que assunto difícil, mas que rende ah, rende.
Vou tentar escrever sim, mas acho que só vou ter tempo lá pra o fim da semana.
Estou doida pra ler os posts de quem for participar.

Beijo
Ivana disse…
Sômnia, cabecinha fervilhante! Estou atrasada com a leitura, mas vamos lá!!! Sem nenhuma firula concordo com as meninas que seus joelhos são mesmo muito bonitos! Aproveita e explora mais o bonito!
Eu tô dentro com esta blogagem, porque feito uma transmissão de pensação, tu fostes na ferida que sangra meus olhinhos ultimamente: a proximidade dos 40! Jesus, como todas as minhas rugas estão gritando pra mim?! Vamos ver o que sai no post!
Beijos!
Lúcia Soares disse…
Topo, também, sabia?
Não gosto de algumas coisas em mim, mas evito falar...
Se pensar bem, tem mais coisas das quais não gosto do que gosto...
Mas sempre fui assim, não tem a ver com idade.
Beijo!
Anônimo disse…
really an eye opener for me.

- Robson
adorei, viu! tinha muita coisa pra comentar sobre isso, mas vou tentar fazer o post. nao prometo a data de entrega, mas esse assunto me eh muuuuito caro!

ate ja ja!
Françoise disse…
ehhhh, li seus 3 últimos posts e gostei do toque de humor.... transmitem alegria apesar do cansaco.
A Marina está uma boneca e o Ângelo um mocinho lindo. Tenho muita saudades de vocês, estou numa loucura desvairada mas não me esqueco do pouco tempo em que vivemos na gelada Suécia. Hoje , aqui no Brasil , penso em tudo que me dizia a respeito de estar longe daquele País. Um vazio me brota no peito, ao mesmo ´tempo uma alegria imensa por estar de volta.
Vamos combinar de nos encontrar , estamos tão pertinho.....
Um forte abraco,
Fran

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que