Pular para o conteúdo principal

"Idas Sommarvisa": pertencer a algum lugar é mais do que viver nele é partilhar de seus sentimentos


("Idas Sommarvisa", letra de Astrid Lindren)

Logo no primeiro verão que vivi na Suécia, em 2007, ouvi essa música lindíssima e não consegui partilhá-la porque não sabia nome, não entendia a letra, não sabia nada a respeito...

Hoje, penúltimo dia na nossa "Casa Nova" e há 9 dias de embarcar de volta para o Brasil, eu acordei com a mesma canção na cabeça e percebo quanta diferença esses três anos e meio fizeram. O que antes era apenas uma canção bonita hoje é algo o qual faz todo sentido para mim. Não apenas entendo o que se canta nela, mas sinto que ela expressa exatamente aquilo que também sinto e vivo.

Olho para meu termômetro e confiro os 25 graus que estão fazendo já as 8 da manhã. Sol forte, céu azul intenso e muitos pássaros cantando lá fora... Muita gente na praia, quietinha, tentando aquele seu contato mágico com a natureza.

O verão sueco chegou com toda sua beleza, com toda sua mágica e agora sei dizer a vocês que "Idas Sommarvisa", a canção acima, é da mais famosa escritora sueca: Astrid Lindgren. A música foi escrita para um dos muitos filmes baseados nos livros infantis da escritora, Emil, de 1973, embora Astrid seja mais conhecida como a criadora de Pippi Långstrump, cujos livros foram traduzidos para inúmeros idiomas, incluindo o Português.

Os suecos amam amam Pippi, amam Emil porque através deles Astrid Lindgren fala de coisas simples da vida e de sentimentos importantes como o da transformação que sofremos com a chegada do verão que é, na verdade, a grande paixão deles.

Esse transformar-se por completo como se fôssemos outros não é o mesmo que sinto no meu país. Aí vivemos intesamente o verão, a claridade, o verde todos os dias. Talvez por isso sejamos mais alegres o tempo todo, mas, por outro lado, creio que muitos de nós não saibamos ver essa vida toda na natureza com tanta facilidade.

Em "Idas Sommarvisa", que eu consigo traduzir como "Eu faço do verão um show", a letra conta como é possível reconhecer o verão, porque, depois do longo tempo de inverno (que neste último ano foi de mais 8 meses) e neve, no verão somos capazes de fazer festa com as flores crescendo e se colorindo, com os animais a correr no pasto e com a água a descer pelo rio. É possível se fazer os morangos deliciosos para as crianças e é possível que estas brinquem soltas por todos os cantos. No verão nós podemos fazer a noite e tudo o mais bonito e mais divertido. Podemos fazer dos dias uma festa e um show particular. Tudo é vida e muita vida!

Minhas caixas estão espalhadas pela casa. Estamos empacotando e fazendo nossas despedidas, porque amanhã um grande container estará em frente de casa para levar tudo que é nosso para o Brasil. E hoje, mais do que nunca, eu tenho certeza de que a Suécia me conquistou tanto porque aqui ainda é possível, em 2010, viver a tranquilidade, a paz e a segurança que talvez meus avós viveram no Brasil.

A Suécia de Astrid Lindgren, nascida em 1907, provavelmente mudou muito, mas ainda permite uma vida pacata sem portões e grades que nos cercam em nossas casas e uma calma interiorana, apesar de estar no topo dos países mais desenvolvidos do mundo.

Vou embora e sinto que entendi quase perfeitamente o sentimento de "Idas Sommarvisa" e fico imensamente feliz de ter entendido melhor o que é este país chamado Suécia e o povo que aqui vive.


Idas Sommarvisa

(Jag gör så att blommorna blommar)
Eu faço as flores em flor

"Du ska inte tro det blir sommar,
ifall inte nån sätter fart
på sommarn och gör lite somrigt,
då kommer blommorna snart.

Jag gör så att blommorna blommar,
jag gör hela kohagen grön,
och nu så har sommaren kommit,
för jag har just tagit bort snön.
Jag gör mycket vatten i bäcken,
så där så det hoppar och far.

Jag gör fullt med svalor som flyger
och myggor som svalorna tar.
Jag gör löven nya på träden
och små fågelbon här och där.
Jag gör himlen vacker om kvällen,
för jag gör den alldeles skär.

Och smultron det gör jag åt barna,
för det tycker jag dom kan få,
och andra små roliga saker
som passar när barnen är små.
Och jag gör så roliga ställen,
där barnen kan springa omkring,
då blir barna fulla med sommar
och bena blir fulla med spring."

Text: Astrid Lindgren / Musik: Georg Riedel

Comentários

Beth/Lilás disse…
A vida é assim, a gente às vezes prova do mais doce mel, mas não pode passar o tempo todo só provando-o, temos que sentir outros gostos.
A Suécia ficará para sempre em suas lembranças e sua alma, mas do jeito que você é, alegre e pra frente, logo irá se ambientar por aqui de novo e buscar o melhor da vida.
beijos cariocas
Ivana disse…
Sonia, que oportunidade maravilhosa essa que tu, maridão e Agelinho linho linho tiveram, né?! Pôxa, bem que eu queria passar uns tempos vivendo em outro país também. No meu caso, acho que num voltava mais...
Mas eu ouvi a musiquinha e achei tão bonitinha a melodia. Principalmente porque parece ser cantada por uma criança.
Sonia, tá acabando e eu queria saber como vai se chamar o seu bloguito a partir de agora? Onde a borboleta vai Somniar agora?
Beijos!
Xu disse…
Muié, eu demorei 3 invernos pra entender 100% o q o verão significa pro sueco. No primeiro inverno, achei q era tudo uma grande frescura e falava "Mas vcs já deviam estar acostumados com o inverno daqui"... e a resposta era sempre a mesma "A gente nunca vai se acostumar!" (rs)
As pessoas realmente se transformam junto com a natureza.
E vc, mais 1 vez, está sendo super abencoada... vai se despedir de uma Suécia com céu azul, pessoas na praia, jardins verdes! Mas pra ser bem sincera... acho q a Suécia vai sentir + falta de vc, do que vc dela :-)
bjos
Lu Souza Brito disse…
Ai Somnia, que delicia de música, eu fui ouvindo-a a medida que lia seu post e foi impossivel nao brotar um sorriso com essa voz tão agradavel de criança e a melodia deliciosa.
Vejo o quão importante e amado este país é por você.
Unknown disse…
Oi, desculpe a invasão. Essa é uma de minhas canções favoritas e buscando a tradução, cheguei em seu site. Poderia me enviar a tradução? sr.sirqueira@gmail.com

Muito obrigado!!!

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que