Pular para o conteúdo principal

A começar pelas flores? vernissagem, parte 1


A começar pelas flores eu diria que minha vernissagem foi um sucesso!!!

Essas são as flores que ganhei no último domingo...
Flores apanhadas no jardim, compradas numa floricultura ou num mercado próximo por amigos e amigas queridas os quais fiz no tempo vivido aqui...

Doze pacotes trazidos com forte abraço que espalhei pela casa em seis diferentes vasos e fizeram minha alegria na semana que passou com tanto colorido...

Toda hora eu passava por eles e sorria por dentro ou por fora. É simplesmente tão bom receber flor de alguém como gesto de carinho, como parabéns, como qualquer coisa! Até hoje não entendo uma querida amiga da época da universidade quem não via sentido nenhum em ganhar flores...

Ao contrário pra mim, elas funcionam como chá de ânimo sempre! Casa com flor parece coração cheio de felicidade... Amei tanto que estou secando e já usei outras sequinhas em colagens de duas pinturas que estou fazendo esta semana...

Então, a começar por tanta cor e alegria vinda delas eu já tenho muito a agradecer...
Vocês também não acham?








Obrigada amigas e amigos!!!
E ótimo sábado de Midsommar cheio de flores para vocês que passam por aqui hoje também!!!

Comentários

Beth/Lilás disse…
Soninha,
Eu também amo ganhar flores e enfeitar a casa. Não entendo quem diz não gostar delas e não curtirem esta beleza toda.
Pelo visto gostaram muito de sua vernissagem, estes povos entendem melhor a manifestação artística, dão valor às coisas feitas pelas mãos humanas.
bjs cariocas
Lúcia Soares disse…
Gostei das flores e gostei do quadro atrás do primeiro vaso...
Sônia Somnia, eu sempre digo que não gsoto de ganhar flores. Não buquês. Gosto delas em vasos, onde possam ser replantadas.
Meu marido levou pro sítio várias orquídeas, que eu ou Renata ganhamos, e as planta lá, na natureza, onde ficam lindas e esplendorosas.
Claro que flores têm seu lugar. São ótimo presente quando não conhecemos bem uma pessoa, ou quando a conhecemos demais e sabemos do que gosta.
São ótimo presente de agraadecimento por um jantar, uma comemoração qualquer.
São lindas, alguma com perfume inebriante. O seu arranjo da última foto está qualquer coisa de maravilhoso.
Gosto, sim, de flores, muito.
Alegram,enfeitam,perfumam,acolhem.
Beijos!
As flores sao lindas, Sonia...Eu adoro receber e fotografar flores.
na minha exposicaz<o, vou expor muitas flores.
boa sorte
Ivana disse…
Sonia, lindas flores! Sim, elas alegram a casa da gente e eu adoro tê-las na minha casa, apesar de que não sou muito "jeitosa" no trato com elas. Mas, acho que já tem um mês, eu comprei uma orquídea lilás (oi Beth!), que eu molho comum pouquinho de água, uma vez por semana! Tenho adorado! Ela está linda (ainda!) e faz toda a diferença na minha sala!
Quando eu era adolescente, uma tia minha sempre me dizia pra que, quando eu tivesse a minha casa, jamais deixasse faltar flores. Estou tentando...
Beijos!
Maariah disse…
Começámos muito bem. Fiquei com vontade de ter também alguns aqui em casa.
Lu Souza Brito disse…
Sim, começou muito bem! Lindas flores, mais linda ainda declaração de carinho, amizade.
Eu também gosto muito de flores. Aprendi com meu sogro, pois toda semana ele compra um ou dois vasinhos para minha sogra enfeitar a casa e o jardim tem vários tipos. Lindo né?
Ana Frost disse…
E borboleta adora flores né! :-)
*****Felicidades e parabéns pelo belo trabalho, já vi o site com as tuas obras :)*****
Besitos desde Madrid

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nela. Nest

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis