Pular para o conteúdo principal

Éramos dois...

("A família de Kim Johnson, Etsy)


Por muitos anos, antes de ter filhos, eu sempre tive um certo olhar de crítica para algumas poucas amigas que tinham sido mães ou para mulheres que deixavam de fazer muito do que antes faziam para cuidar de suas crias. Elas estavam sempre atrasadas com respostas a emails, nunca compareciam a encontros animados e sempre vinham com aquela "desculpa" de falta de tempo para a amizade.

Tenho me sentido na pele dessas amigas desde que fui mãe. Depois de ter uma criança a vida da gente vira de cabeça para baixo. Os cuidados são tantos e infinitos que, de fato, ao cair do sol só restam energia para um banho rápido e nada que exija muita concentração ou, no meu caso, barulho. Silêncio é tudo numa casa onde um bebê e uma família cansada dorme.

Sinto-me em falta com muitas amigas e amigos brasileiros, além da família, claro. Apesar de sentir tanta saudade e querer saber deles é como se eu precisasse cuidar do ninho todos os dias, com tanta dedicação, que raramente faço aquilo ao qual me proponho todos as vezes que percebo essa distância. Meu jeito rápido de falar do que ando vivendo e pensando é escrever meu blog, mas pouco eu sei deles, já que quase nenhum tem um blog também.

E é pensando nessa avalanche de acontecimentos que rondam a vida da gente depois da chegada de um bebê que não consegui resistir a colocar o post de um amigo nosso aqui para vocês. O Lúcio trabalhou e fez MBA com o Rê. Soubemos há uns meses atrás que estavam grávidos. A surpresa, porém é que eles não esperavam somente um bebê que viria a revolucionar suas vidas, como Ângelo fez com a nossa e como os bebês de outros amigos fizeram na vida deles. Eles esperavam três! três bebês de uma tacada só!

O Lúcio criou um blog para contar um pouco dessa experiência e primeiro falou de como recebeu aquela notícia. Agora ele escreveu sobre a chegada dos trigêmeos. O texto é tão lindo, tão cheio de emoção que eu fiquei pensando para muito além das muitas fraldas que eles terão que trocar ao mesmo tempo. Pensei para além das noites de sono perdidas, dos amigos com quem eles ficarão em falta, da falta de tempo para comer, ler, cuidar de si mesmos, das renúncias todas que farão... Eu pensei em quanto amor cabe numa família assim. Em quanto darão, em quanto receberão. Em como poderão olhar para os três, como normalmente olhamos para um filho crescendo e se sentirem compensados por qualquer perda que tenham vindo a ter... Pensei em como a Glau e o Lúcio acordarão a noite e poderão pensar: uau! Dias atrás éramos dois, agora... somos cinco! 

Ao Lúcio e à Glau, bem como para minha queridíssima amiga Mafer que deu à luz ao Miguel esse fim de semana, à Dani, Lu Dias e tantos amigos com quem eu queria dividir momentos assim e outros diferentes, e para quem mais se identificar com histórias que valhem muito a pena de serem contadas, vai o post abaixo...




(Os três irmãos: Caio, no centro, com Manuela acima e Luisa abaixo, foto de Lúcio Pereira, in: trigêmeos)


O dia 2 dos 3

"Nasceu o Trio Elétrico
Vingou o ovo do novo
Está tudo certo com os bebês e a Glau
Valeu o pensamento positivo e o amor intencionado

Grande beijo do tripapai Lucio"

Foram essas as palavras que usei para anunciar o nascimento da Manuela, do Caio e da Luisa no dia 26 de Fevereiro de 2009.

Eu tinha ido trabalhar normalmente após uma noite de sono difícil. Falei com a Glau de manhã mas como ela estava saindo para a ultrassonografia ficamos de conversar depois. 

Mais ou menos 11:15 ela me liga e diz que eu deveria ir para o hospital. Como a cesariana estava meio que agendada para o domingo, estranhei e perguntei a razão. Ela disse que o médico resolveu resolver isso neste mesmo dia. Difícil mesmo foi ouvir que seria feito dentro de uma hora. 

Não é sempre que nos encontramos prontos para os grandes momentos de nossa vida. Melhor sempre é postergar mais um pouco. Nem que for para dar uma sensação qualquer de maior preparação para a hora X. Agora não tinha essa, tinha que largar os e-mails, os companheiros de trabalhos e suas dezenas de dúvidas, os planejamentos, os projetos e eventos, e sair voando para cuidar das pessoas mais importantes da minha vida.

Nestas horas o trânsito parece piorar de propósito. Antes do primeiro xingamento resolvi praticar o amor incondicional e não estressar com o povo que ia devagar ou rapido demais. Ainda consegui passar em casa e pegar uma roupa menos formal, uma camisa branca em sinal de boas vindas e algumas roupas para as crianças (depois aprendi que na UTI neonatal eles não usam roupa alguma)

Cheguei à ProMatre 12:18, acreditando que em 12 minutos começaria o parto. Afobado tentei marcar a filmagem profissional do parto e descobri que só são permitidas equipes assim em partos a partir da 37. Subi então munido de câmera fotográfica e filmadora. Homem multimeios. Chegando ao centro cirúrgico encontrei a Glau já na sala de operações, junto estavam o dr. Ruano e um de seus assistentes. Já tinha ouvido falar que piadas são comuns nesta hora. Eles sabem que estamos nervosos e ansiosos, que não conhecemos as minúcias e respostas do corpo humano, e portanto rir é o melhor remédio.

O cirurgião assistente ficou preso no trânsito. 23 de Maio parada. Enquanto isso eu fui mandado para fora da sala enquanto aplicavam a anestesia periodural. Deve ser impressionante ver alguém aplicando uma longa agulha na espinha de sua companheira. Quando fui chamado de volta a operação já tinha começado. Bisturis elétricos a todo vapor. Minhas pupilas devem ter ficado enormes. Segurei a mão da Glaucia enquanto o anestesista continuava com as piadas. Eu já nem o escutava mais. Fiquei vidrado nos movimentos rápidos, nas fumaças, nos algodões embebidos em sangue que iam sendo dispensados.

Em certo momento o dr. Ruano me convidou a me posicionar na parede oposta. Era agora. Fui para lá com a câmera fotográfica, achando que ia conseguir filmar um pouco e fotografar um por um. Mal sabia que a operação é rápida e que os bebês são imediatamente levados para a sala ao lado para os primeiros procedimentos de limpeza e cura. Só consegui filmar sem olhar para a tela. Fiquei em estado de graça e emocionado até os confins do coração. Ameacei chorar mas só balbuciei os nomes de cada um enquanto iam nascendo. 

Manuela nasceu com 1749g as 14:35. O Caio veio na sequência com 1920g as 14:36. O dois inspiraram e emitiram som imediatamente. Pasmei. A Luisa demorou só um pouquinho mais, saiu as 14:38 com 1330. Pequena, bela e calada. Lambuzada e como se dormindo o sono dos anjos. Fiquei apreensivo, mas na sequência me convidaram para ir a sala ao lado e pude ver os três se debatendo e chorando miúdo, bons sinais apesar do aparente caos.

Em suma, hoje foi o dia mais marcante de minha vida. Assumo definitivamente a responsabilidade divina da paternidade e sigo adiante. Deixa eu ir que vou visitar a prole e a esposa nas UTIs.

Bem vindos meus novos amores: 
Manuela, Caio e Luisa."

Comentários

olhodopombo disse…
Eh possivel imaginar,
vivenciar, so eles mesmos...
mas eu acho lindo muitos bebes...
e a foto dele esta muito boa!


Respondi seu cometario no meu blog de arte postal
Anônimo disse…
Muié

Ta combinado aquele nosso café após 7 meses... pra gente trocar figurinhas sobre o "antes & depois".
Tenho certeza que haverá um gap enooooooorme entre o que penso e a realidade.

Beijos
Xu
Anônimo disse…
Somnia, adoro ler os seus comentários! Fico até com menos medo de ir morar na Suécia com meu namorado suecão... rsrrsrsrs. Quase todos pintam a vida aí de inverno em suas nuances de preto, você, sonha, em latim, ups, em sueco, sempre com as cores da primavera. Gosto também de arte e gosto dos seus comentários... bjka e bom astral sempre. O Angelinho está cada dia mais fofo.
bjka

Adriana
Anônimo disse…
A gente fica uma semaninha sem entrar aqui e quando entra PUMBA!, mudou tudo. O blog ta lindo, amei! Fiquei morrendo de inveja...
Adorei o que vc escreveu no meu blog... foi encorajador. To mesmo numa fase otima, tanto que mesmo dai, super lonjão, vc percebeu. As vezes acho que o pessoas daqui vai ligar pro cesar pedindo pra ele voltar comigo pois eu ando muito chato de TAO alegre e saltitante que ando!
Legal vc ter vc torcendo por mim.. eh muito bom saber que conquistamos o carinho de pessoas tão legais como você!
Beijomeescrevepqligarficacaro
Paulo
Anônimo disse…
Esse negócio de ter mais de 1 é uma loucura linda. O sufoco é enorme, mas as alegrias também. Essa do seu amigo é só a primeira delas. Tudo de bom prá ele!!!
Bjs
Andréa
Lúcia Soares disse…
Sônia, minha filha teve os gêmeos, dia 16/02. É tudo lindo, mágico, mas...trabalhoso demais. Não "trabalho" em si, mas os cuidados. Contamos com uma ajudante à noite, pois ela tem um "bebezão" que fará 2 aninhos no dia 12/03.Então, são praticamente 3 bebês em casa.Imagina a confusão, pq o mais velho anda, corre, brinca, joga bola pro alto, quer carregar os bebês...
Fôrça e desposição pra sua amiga.Os bebês são lindos.
Somnia Carvalho disse…
Fatima,

eu demorei muito a inserir as legendas nas fotos porque eu nao conseguia diferenciar os bebezinhos. Mas veja como a natureza e... os pais sempre conseguem fazer isso! legal ne?
Somnia Carvalho disse…
Mule,

7 meses depois, sem chorar nem nada! voce vai ter que me engolir!
Somnia Carvalho disse…
Paulao!

lindao! queria escrever mais la no seu blog mas sou lenta... leio mas nao consigo dar conta de mandar os recados que desejo!
Somnia Carvalho disse…
Andrea,

verdade!!! depois que passa parece tao facil ne! a gente olha para voce e pensa que tudo foi fichinha! mas com certeza voce foi heroina! eu sempre digo que mulher que engravida de gemeos ja merecia o ceu sem fazer mais nada!
Somnia Carvalho disse…
Oi Lucia queridona!

caramba! desculpa a demora em mandar os parabens! andamos doentes de novo e demorei a vir aqui nos comentarios!

muuuito legal isso de voce ter netos gemeos!!! parabens!!! deve ser uma loucura mesmo! eu nao consigo imaginar direito! eu tento, mas nao consigo!!!

manda um beijao pra sua filha! e diz que ela vai ganhar o ceu!!! e manda uma foto dos netos para mim!

manda!!!

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nela. Nest

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis