Pular para o conteúdo principal

"La isla bonita": o encontro de Somnia e Madonna na ilha da fantasia



Há uns vinte anos, dentro de meu quarto de adolescente na casa de meus pais, eu cantava (e dançava) escondida "Like a virgin" e "The girls just wanna have fun". Me fantasiava sozinha de Madonna e Cindy Lauper e sonhava em ser estrela nos palcos. Sonhava com tudo que era grande e meus sonhos provavelmente se pareciam com os de outros milhares de adolescentes e jovens da mesma época.

Eu sempre soube que a gente facilmente se mira em algumas estrelas de cinema e televisão quando é jovem e é difícil ir tomando as rédeas da própria realidade e deixando a vida fantasiosa de lado. Na sexta-feira passada, entretanto, pulando lá do alto da arquibancada do Morumbi, olhando meio "de igual pra igual" para uma das estrelas de minha adolescência e para a noite quente e azulada de São Paulo eu tive mil pensamentos adultos e muitas outras fantasias de criança novamente.

Quem me comprou o ingresso para o show da Madonna foi minha cunhada Dri e foi de última hora que alugamos uma van e fizemos uma lotação de gente muito descolada, animada e engraçada para o estádio. A festa começou na emoção gostosa da tarde, enquanto nos preparávamos para ir, continuou na van, numa farra deliciosa de adolescência e terminou nas arquibancadas.
Eu não sou uma fã direitinha. Sou uma má fã. Diferente do Paulo Belém, Ricardo e outros meninos e meninas de trinta que estavam com a gente, eu só conheço algumas músicas novas e curto de montão as antigas. Se no passado eu não sabia cantar por causa do meu criativo inglês de escola pública, agora me falta mesmo é contato com as músicas. Mas isso não foi problema no show. Dancei e pulei tanto que "desmaiei" dormindo na volta pra casa.

Enquanto dançava e sentia uma sensação deliciosa de alegria me invadir eu comecei a pensar, lá mesmo no meio da multidão, o que é que me atraía àquela festa e o que poderia atrair tanta gente feliz que lá estava. Depois de ouvir algumas histórias desses amigos e gente que conheci no dia, pensar em mim mesma, percebi que em mim era uma sensação de ter crescido que me dava felicidade.

Não era uma Madonna decadente, daqueles cantores que ficam repetindo suas canções cansadas de rádio para dizer que ainda estão por aí que eu vi. O que percebi é uma mulher que se dá alguns luxos hoje, como não cantar "Holiday" porque o fã pediu, como não fazer bis nenhum. Eu sei pouco da Madonna, mas a verdade é que me senti (você pode me dizer que isso é ridículo, não tem problema) muito próxima da estrela que tava lá no palco.




Nesses anos todos eu mudei muito. Eu conheci gente, viajei, trabalhei, estudei, casei e formei uma pequena família. E vim morar na Suécia. Eu não sou mais a jovem trancada no quarto tentando copiar alguém, embora eu continue me espelhando em alguns exemplos. Em alguns sengundos, olhando para a noite sem estrelas, minha própria história me pareceu tão bonita. E nuns pensamentos meio abobalhados eu senti orgulho de mim, da ex Material Girl e do pessoal que estava comigo.

A gente cresce e muda muito, pensei. Mas talvez o mais bonito de tudo seja que a essência seja a mesma. Continuo piegas e sonhadora. Continuo pululante como sempre fui e não consigo me controlar ao som de músicas que gosto. Posso passar do extremo tédio à suprema felicidade só porque vou a um show com gente legal, amontoados numa van. Posso gritar, gritar e gritar quando percebo que a próxima canção é uma de minhas preferidas e me ver como uma super dançarina numa ilha paradisíaca ao som de "La isla bonita".




Eu sei pouco de fórmulas de sucesso e felicidade, mas eu vi uma Madonna feliz, que caminhou e mudou muito, embora tenha permanecido quase a mesma. Nos olhos dos meus amigos e na voz deles a cantarolar as músicas eu vi gente que também se via quando olhava para o palco. Eles talvez estivessem revivendo seu próprio filminho, enquanto eu revivia o meu. E juntos, com a estrela, que enfatizou (verdadeira ou falsamente, depende do seu ponto de vista) que estava feliz de poder encerrar o show naqueles dias com os brasileiros, eu me senti parte de um show com direitos a muito holofotes e canções temáticas. Me senti uma estrela. Mais velha, mãe do Ângelo que estava com a vó dele em casa, mas uma estrela. Vai ver alguns sonhos de infância e adolescência devam mesmo sobreviver pra gente relembrar nossa história e se orgulhar dela.
Foi o que o show da Madonna me fez sentir e pensar.
...

Hoje, véspera de Natal, eu desejo para cada um de vocês que passam por aqui, pessoas das quais eu sei tão pouco, que o Natal seja super acolhedor com as pessoas com quem vocês amam e que o próximo ano seja recheado de sonhos, porque sem eles as realizações ficariam sem graça demais.


...


ps: estou novamente emprestando um computador por alguns minutos, então, me desculpem a falta de respostas aos comentários carinhosos, aos prováveis erros desse post e a falta de edição da foto do show.

Comentários

Anônimo disse…
Lindo texto e belissima analise. Odeio vc ;^).
Anônimo disse…
Oi Sonia!
Que massaaaa ir pro show da Madonna! Mas que coisa mais linda ver voce feliz com o maridao e se sentido orgulhosa de quem vc é...sabe nao todos chegamos a essa conclusao, mas nao por isso nao deixamos de ser feliz com voce é na boa sem inveja nem maldade. Desejo a felicidade absoluta pra vc, Angelinho e Renato. Pensando em vcs daqui da Suecia friaaaaaa brrr.
BJS
/JR
PS:(nao precisa publicar isso, e meio depressivo, eu sei...)
Maria Cláudia disse…
Seu blog é a coisa MAIS deliciosa de se ler! Vc escreve muito bem, minha linda!
E vc coloca pra fora tudo de um jeito tão legal!

AM,EI SEU BLOG!E uma dia tomara que consiga morar na suecia, meu sonho!
Puss
Beth/Lilás disse…
Ahhhhhh, com que então andas aproveitando o Brasilzão!!!
E La Cinquentona arrasou e arrastou milhares por aqui e aí.
Eu só não fui porque detesto multidões, mas me amarro nas musiquinhas e performances sensuais dela.
E que lindo ver vocês dois juntinhos aproveitando o melhor da vida!
Se aparecer pelo Rio, dê um jeito de me avisar, please!

super beijos imperiais
Somnia Carvalho disse…
Paulo Belenzão,

obrigada por ter gostado de minha analise!

E amei que voce tenha me odiado! tres beijos na sua bochecha!
Somnia Carvalho disse…
jessica, sim o show foi muuuito dez!!! o vida boa essa de poder curtir a noite!
Somnia Carvalho disse…
Maria Claudia, obrigadissima mesmo por dizer!

gostei do seu espaco super rosa tambem!
beijos e apareca sempre!
Somnia Carvalho disse…
Sim Lilasita, a cinquentona arrasou!

sabe que tem muita cinquentona arrasando por ai? no rio por exemplo, conheco umas betes!!!

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nela. Nest

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis