Pular para o conteúdo principal

O que vocês andam fazendo?

(em 2012, em frente ao Museu D´Orsay, eu e o lindo do Van Gogh num encontro casual)

Depois de muitos tempo sem postar aqui, trago um texto do meu instagram

@molduraminutogaleriapaulista...

 Van Gogh pintava o que via, ele pintava o mundo ao seu redor...

Essa ideia tomou conta de mim quando estava escrevendo meu doutorado. Apesar de estar escrevendo sobre arte eu ia percebendo a cada texto, livro e arte que aprendia sobre o tema que deveria me arriscar mais como artista. Eu sempre havia amado desenhar e pintar, mas tinha para aquela velha ideia de que eu tinha que ter feito uma faculdade de artes para ser pintora, ou tirar da minha cabeça uma ideia perfeita para um quadro que seria incrível e todos amariam.

E foi assim, estudando a criação de tantos pintores da História da Arte que eu percebi que eu tinha que começar de algum lugar e este lugar era o meu mundo, o que eu observava, ou o que sentia e pensava. E foi assim também que acabei me jogando cada vez mais em um mundo prático como professora de Filosofia e Sociologia de Ensino Médio, como artista que experimentava e tentava aprender no dia a dia, com os outros, em cursos diversos e não que havia sido preparada a vida toda para brilhar no mundo das artes. Foi assim que lidei com o que eu realmente gostava de fazer, porque falante como eu sou, apegada aos encontros e risos e abraços eu me divertiria mais, produziria melhor e seria mais feliz.

Foi um caminho longo que teve como parada o balcão de uma padaria aos 13, vários escritórios de pequenas empresas no interior de SP, entra e sai de diferentes cursos até ter coragem de parar tudo e ir estudar Filosofia.

Foi isso que eu e Renato fizemos quando decidimos viver na Suécia, em 2007. Um aprendizado que me transformou por completo e me fez perceber que o “inferno são os outros”.

A experiência de estar em um lugar tão diferente, assim como ser mãe, como a Suécia tira da gente a ilusão de que temos que ter plano para tudo.

Neste caminho todo, estou aqui, sendo a proprietária desta loja linda que abrimos e reabrimos há 2 anos na Paulista.

Percebo que apesar dos muitos recomeços tenho colhido o que plantei como projeto de vida: ser livre fazendo o que gosto e trabalhando muito duro para que as coisas que eu sonho aconteçam, tentando, ao meu jeito, deixar o mundo mais belo.

Um beijo, boa noite, a gente se vê!!!


Comentários

MeandYou disse…
Oi, Soninha!
Que surpresa boa vê-la blogando, este espaço tão amistoso que ainda sobrevive nesta Internet.
Eu, durante todo este ano de pandemia, desde 15 de março/2020, estou em casa, mais do que gostaria até, mas me resguardo, assim como o marido, pois temos mais de 60 e comorbidades, porém fizemos muito aqui mesmo. Marido nunca foi homem de ficar sentado vendo tv, então aproveitou para arrumar coisas da casa, pintar bancos de jardim, paredes que precisavam de uma pinturinha, plantamos horta e comemos dela muitas delícias, inclusive ontem comemos uma caponata de berinjelas plantadas e colhidas por nós. Fiz lives de poesia com 3 amigas, convidando sempre uma quarta pessoa, para relermos poesias ou textos de grandes autores nacionais e mesmo os internacionais que são eternos, todo sábado às 18hs nos reunimos por quase 9 meses. Daí, duas amigas retornaram aos seus dia a dia mais fora de casa e então resolvi voltar a mexer com o blog, só que reativei um de poesia que estava também lá, paradinho, me esperando por todo este tempo. Tem sido um tempo de alegrias também, com a volta de meu filho da Europa e morando agora bem perto de nós, tocando uma grande obra de uma casa para ele morar em Itaipava. Seguimos a vida, com esperança em dias melhores, para podermos voltar a viajar pelo mundo que é uma das melhores coisas da vida, enquanto isso, a poesia tem me salvado e me trazido alegrias ao coração, como a sua linda pintura e esta loja que, espero poder conhecer quando voltar a viajar por aí em Sampa que gostamos tanto. Sucesso, minha querida e muita saúde para vocês todos! um beijinho

Postagens mais visitadas deste blog

Na Suécia também não tem... bebê com brinco na orelha

("Não tem brincos: é menino ou menina?", criança sueca posa para grife Polarn O. Pyret ) Nove em cada dez vezes que alguém no Brasil tenta ser simpático com uma grávida ou alguém com um bebê de colo a pergunta é sobre o gênero da criança. Menino ou menina? Já repararam? Embora essa pareça ser a única pergunta possível para tanta gente, a verdade é que ela diz muito sobre nosso modo de ser e pensar e a importância que damos ao sexo e a escolha sexual de uma pessoa. Tomemos outra situação: quando alguém olha para um bebê menino nas ruas no Brasil você acredita que haja alguma expectativa quanto a algum sinal, uma marca, deixando claro e evidente se tratar de um menino? E quando encontra uma menina? Bom, fato é que nossa menina Marina agora tem 8 meses e eu simplesmente não tenho condições de contar as dezenas de vezes em que fui parada nas ruas em São Paulo por alguém perguntando se tratar de uma menina ou de um menino.  Até aí nenhum problema! Bebês no começo não tem

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel