Pular para o conteúdo principal

Ver através do olhar do outro: meus instagramers preferidos

(Um dia de chuva em Paris sob o olhar de @vutheara)

Uma das coisas com as quais sonhei, desde bem pequena, era poder viajar muito. Lembro da sensação maravilhosa de acordar de madrugada, eu e meus irmãos ainda crianças, enquanto meu pai e minha mãe ajeitavam as malas, para que fôssemos de férias para o litoral norte de São Paulo, numa Variant bege ou numa Brasília verde abacate.

A preparação, a saída e aí a ansiedade do caminho para ter, finalmente, a alegria contagiante da chegada.

Viajar sempre foi e continua sendo algo que me mantém viva. Mais do que estar viva, dá sentido à vida.
Viajar para mim é explorar pessoas e lugares, cheiros e sons, línguas e costumes, objetos e história e posso viajar no meu bairro, na minha cidade, em outras cidades do meu país ou por outros países.

Entre meus prazeres possíveis dos últimos tempos está viajar através do olhar de pessoas comuns, como eu, mas que vivem em cantos diferentes do planeta.

As fotos do aplicativo instagram, exclusivo para ser baixado em celulares, me coloca todos os dias num lugar diferente do mundo e posso quase sentir a atmosfera criada por estas imagens.

Aqui neste post resolvi selecionar 3 dos instagramers que mais frequento. Suas fotografias são temáticas dos locais onde vivem. Dois deles são de lugares que conheço bem, Paris e Suécia, e um, de um local que ainda quero conhecer, Instambul.

Christoffer Collin vive na Suécia e é morador de uma pequena cidade (e pequena já para os moldes suecos) chamada Karlskoga. Com 30 mil habitantes e uma natureza de deixar a gente de queixo caído o pequeno vilarejo dá a Chris (ou @wisslaren como é conhecido no instagram) as cenas para encher os olhos de gente do mundo todo que o acompanha todos os dias.



(A mesma árvore fotografada dezenas de vezes, http://web.stagram.com/n/wisslaren/ instagram)

(@wisslaren, galeria)

Para mim é um exercício diário de revisitar a Suécia, lembrar as estações e as mudanças na natureza. A Suécia e sua calma está perfeitamente retratada nas fotos desse sueco discreto.

Como a maior parte dos instagramers, Collin é fotógrafo amador e tem na fotografia um de seus grandes prazeres de vida. Sua vida de gente "normal" inclui trabalhar como gerente numa grande companhia na Suécia e curtir sua família e amigos.

Além de passar pela Suécia eu viajo todos os dias até Paris. Não tenho certeza quantas vezes estivemos na eterna cidade do Napoleão, mas em todas elas eu descobri sempre alguma coisa nova, alguma rua maravilhosa, um monumento deslumbrante para se visitar... Falta-me ainda tantos lugares para visitar, mas eu sou bem clichê em afirmar que Paris ainda é o lugar mais lindo que visitei. Talvez o que mais me inspire também.

O curioso é que eu vejo Paris através dos olhos de um quase estrangeiro, Vu Theara (@vutheara), de quem sei apenas que vive na cidade há apenas 5 anos e é designer de interiores. Nem mesmo seu nome consegui descobrir. Talvez o olhar estrangeiro ainda note belezas que o olhar acostumado a vê-las desde sempre já não vê sentido em notar.

Vu Theara (cuja exposição você pode conferir aqui) consegue capturar a aura parisiense ao mesmo tempo que captura o vai e vem da cidade, os visitantes, o moderno sobrevivendo em meio ao velho. É tudo tão, tão lindo que às vezes me esqueço que estava apenas olhando para uma foto. Eu, de fato, volto àquela cidade... e meu desejo é de ter essas fotos impressas gigantes em minha parede.


 (Notre Dame, Paris por @wutheara)

(Paris pelo olhar de @wutheara)

Ciler Geçici (@audiosoup), uma gerente quem trabalha com música, vive em Istanbul. Seu olhar captura, quase sempre, a arquitetura da cidade. A figura humana aparece quase como uma nota musical numa partitura...Geçici nos mostra uma Istanbul imponente, mas sobretudo a Istanbul que ela deve conhecer desde pequena: a das casinhas pequenas e coloridas, os sobrados com suas roupas penduradas, o povo simples e pobre, as crianças nas escadarias ou os bondinhos no centro da cidade. Prefiro as fotos com menos edições, as cores mais naturais dela, mas no geral seu olhar é fascinante. E morro de arrependimento de nunca ter ido até a cidade de Ciler quando estava tão mais perto de lá.

("Barco", Istanbul sob o olhar de (@audiosoup)


("Barco", Istanbul sob o olhar de (@audiosoup)


É isso! Espero que você também consiga viajar um pouco com estas imagens e visite a página deles para ter outros prazeres... Vale muuuito a pena!

Ah! E para quem deseja comprar algumas dessas e das milhares de fotos do aplicativo é só consultar a página do Instacanvas, procurar pelo "artista" que deseja e pronto.

Beijo grande!


Comentários

Lúcia Soares disse…
Lindas as fotos, realmente, Soninha. Quando se conhece bem um lugar, é interesssante vê-lo através das imagens de outras pessoas. Encontrar ângulos diferentes, às vezes inusitados. E ver todos os lados dos lugares, não a parte "bonita", a parte mostrada, comumente aos turistas. Estas fotos que você postou são muito pessoais, são mesmo a visão dos artistas, a realidade pura e simples. Amei a torre ao fundo e o homem caminhando, no que não sei se é uma escadaria ou o que.
Beijo!

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que