Pular para o conteúdo principal

"Ando devagar..."


Continuo escrevendo rapidamente de uma mesinha mi+núscula e baixinha no único cantinho do meu apê onde consigo ter acesso à internet.

Isso significa que para além das muitas coisas que ando a resolver fora de casa, aqui dentro ainda falta muito para ajeitar, inclusive porque o barrigón pressionado só aguenta uns 15 minutos aqui parado.

Desde que saímos da Suécia há quase 3 semanas, acho eu, tenho em mente uma série de posts sobre as primeiras impressões. Escrevo-os mentalmente e estão todos aqui guardados para serem partilhados.

Não tenho fotos para partilhar, sorry Lucinha! Nossa bagagem havia sido dividida entre as que trouxemos dos dias do hotel, algumas caixas por avião com coisas urgentes e a grande, vindo por navio. Cabos e muitas coisas não estão aqui. Estamos mesmo vivendo com o que trouxemos na mala do hotel. A lentidão, burocracia estupidamente exagerada brasileira faz com que tudo nosso esteja ainda na Inglaterra.

Boas notícias são que Ângelo já passou por adaptação numa escolinha e começou definitivo. Está adorando e já incluindo muitos amigos e novas palavras ao seu vocabulário. Brinca falando em sueco e brincamos com ele um pouco todos os dias. Quem sabe conseguiremos manter algo da língua na qual ele já era fluente...

Marina continua firme e forte, chutando e se movendo o tempo inteiro.

Sinto saudade da vida virtual também... Ando bem devagar com isso, embora eu tenha andado o tempo todo nas ladeiras do meu bairro colocando a vida daqui nos eixos. Entao, sinto saudade de visitar com calma cada um e ver no que andam pensando.... mas vou tentando ir com calma. Tudo vai se ajeitando e volto a borboletiar por aí com vocês em breve.

Abraço grande,

Somnia.

Comentários

Daniela disse…
Não se preocupe minha querida. A gente espera por você o tempo que for preciso.

Muita paz pra resolver burocracia e muita tranquilidade pra tirar de letra a readaptação!

Beijos
Camila Hareide disse…
Nem li o post ainda, porque acabei de ler aquele aí de cima, e foi então que li o título deste. E antes que possa ler o texto, precisei te contar que comecei a cantarolar a musiquinha do Almir Sater, "Tocando em frente". Será que era nelaque vc tava pensando? Agora vou ler o post...
Camila Hareide disse…
Bom, se não era nessa musica que vc pensava, ela serviria como uma luva... http://www.youtube.com/watch?v=wr-RXsLEH_Y

E Sonildes, encarar as ladeiras aí do seu bairro (o seu ganha do da minha mãe, com certeza! Meda!!!) equivale a uma bicicletada até o centro de Malmo, ikke sant?

To aqui imaginando que graça o Angelo suecando... Pratiquem sempre com ele, é bom, não custa nada!

Bom, boa jornada, que eu imagino que o início da batalha seja mesmo dificil. Mas logo logo tudo se encaixa nos devidos lugares!

Muitos beijos!
Ivana disse…
Sômnia, muita calma nessa hora! ;)
Angelo deve fazer o maior sucesso na escolinha, heim? Primeiro porque ele já é lindo mesmo, e depois porque brinca falando sueco! Ave, que se pego aperto ele todinho!!!
Cuide-se! Beijos!
Anônimo disse…
Sônia, estou contigo nessa readaptacão! Da minha forma, é claro, mas também entre choques e reconhecimentos.
Que bom ouvir do Ângelo, que está bem! Crianca se adapta fácil, né? Tenta pegar coisas da internet, ou comprar DVDs suecos pra que ele consiga ao menos manter o sueco. Afinal, com o sueco já vem nocões de norueguês e dinamarquês de brinde, não é?
Beijão e ótima preparacão pra ter a Marina nos bracos!

Postagens mais visitadas deste blog

Na Suécia também não tem... bebê com brinco na orelha

("Não tem brincos: é menino ou menina?", criança sueca posa para grife Polarn O. Pyret ) Nove em cada dez vezes que alguém no Brasil tenta ser simpático com uma grávida ou alguém com um bebê de colo a pergunta é sobre o gênero da criança. Menino ou menina? Já repararam? Embora essa pareça ser a única pergunta possível para tanta gente, a verdade é que ela diz muito sobre nosso modo de ser e pensar e a importância que damos ao sexo e a escolha sexual de uma pessoa. Tomemos outra situação: quando alguém olha para um bebê menino nas ruas no Brasil você acredita que haja alguma expectativa quanto a algum sinal, uma marca, deixando claro e evidente se tratar de um menino? E quando encontra uma menina? Bom, fato é que nossa menina Marina agora tem 8 meses e eu simplesmente não tenho condições de contar as dezenas de vezes em que fui parada nas ruas em São Paulo por alguém perguntando se tratar de uma menina ou de um menino.  Até aí nenhum problema! Bebês no começo não tem

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel