Pular para o conteúdo principal

Berlim, algumas imagens e impressões


(Adoro balões: assim que entramos no centro de Berlim, avistei este lindo balão do jornal "Die Welt")


De Malmö a Berlim: tudo vale a pena...

Nossa viagem de carro, de Malmö até Berlim, durou bem mais que as quase seis horas previstas, porque incluímos várias paradas para brincar, matar a fome ou simplesmente descansar com o Angelito.

Apesar de termos viajado no feriado prolongado do 1o. de maio, nada de trânsito. Nada de horas desperdiçadas em engarrafamento ou dinheiro em pedágio. A viagem por aqui é tão, tão tranqüila que parece cena de um filme do alemão Wim Wenders.

A diferença é que as rodovias e os automóveis são apenas uma das muitas formas de se viajar pela Europa. Alguns tomam o carro como nós ou ônibus. Muitos outros vão de avião, incluindo passagens muito baratas, se compradas com antecedência, enquanto a maioria vai mesmo é de trem. Os confortáveis e rápidos trens que circulam pela Europa toda dão até nó na garganta de raiva de pensar que no Brasil, desistimos do transporte ferroviário, e o deixamos às moscas.

Bom... sem sociologismos, vamos ao turismo!


Berlim: o lugar onde tem-se a impressão de que tudo já aconteceu.

(Eu mesma, na praça Paris, em frente ao imponente Portão de Brandemburgo, Berlim, maio de 2008)


Eu comecei falando da nossa viagem, na semana retrasada, me referindo à minha meio que primeira memória quando penso rapidamente em Berlim. Mas, felizmente, a causalidade não para na musica “Take my breath away” (eu escrevi um outro post para explicar esse fenômeno que me tomou naquele post, e o publicarei ainda estes dias).

Como Berlim foi a primeira cidade alemã que conheci, todas as referências que eu tinha sobre a Alemanha passaram pela minha cabeça. De um lado, deliciosas e profundas memórias como Adorno, o filósofo adoravelmente pessimista que estudei no mestrado e suas milhares de referencias à cultura alemã; ou a filarmônica de Berlim, que frequentemente eu ouvia na Rádio Cultura. De outro, a história do ocidente. As guerras e o terror do nazismo. Hitler. A história do poder da Alemanha e a história da decadência e destruição do país. Tudo isso está, de forma meio condensada, em Berlim.

Isso sem contar a interessante diferença que restou e foi mantido do que antes era a parte oriental da cidade e como foi modernizada e reconstruída a parte ocidental. Toda hora vinha a minha memória cenas do filme "O Pianista", várias delas...

Ficamos hospedados na mesma praça onde se mantém um pedaço do muro que separava a cidade para contar a história. Não gostei da sensação de estar em frente ao muro, não sei bem o porquê. Me dá tristeza... e o aquele pedaço de muro parece apenas desconectado do que foi. 

Andando pela cidade é impossível não sentir essa atmosfera de peso. Você sabe que ali aconteceu tanto que a cada esquina há um respiro forte. Entretanto, visitar Berlim, ao contrário do que eu esperava, não dá a impressão de filme do fins dos tempos.

A cidade, toda reconstruída do lado ocidental, moderna, cheia de vida, abriga milhares de turistas, tem avenidas largas, projetadas a partir da sensação de espaço, mas casando com o que restou da cidade antiga. Os antigos monumentos e a história da Alemanha estão todos ali.

(Passeio de carruagem antiga para ver o Palácio da República ao fundo e a enorme Torre de TV, símbolos da cidade, Berlim, maio de 2008)

Talvez eu tenha coisa demais a falar dessa viagem, porque eu simplesmente amei. Foi um passeio maravilhoso. Inesquecível. Profundo. Cheia de Encantamento. Talvez qualquer lugar possa ter isso, sobretudo na Primavera. Mas já combinamos de voltar, porque Berlim é muito, muito grande e tem coisa demais a se ver. Dessa primeira vez, tentamos aproveitar mais a temperatura deliciosa na casa dos 20 graus. Aproveitar a paisagem verde, a beleza do céu azul.

Da próxima quero estar dentro dos grandes museus e, quem sabe, poder ouvir um concerto, quem sabe tanta coisa que uma cidade assim permite a gente ter...

(O que estava em cartaz em Berlim: "La Traviata" , maio de 2008)

Por ora, fico feliz em ter essas primeiras impressões. E espero escrever mais algumas delas aqui e dividí-las com vocês.

....


Para não perder de vista um pouco do que conhecemos dessa cidade incrível, curiosa, misteriosa e descolada, coloquei um álbum ao lado do blog para vocês viajarem também. 

Só é preciso avisar e admitir que talvez o Sr. Angelim apareça em quase todas as cenas de Berlim, ele e o papis dele, porque eu sou fascinada por coisa bonita. 



Comentários

Ed. disse…
berlim é a cidade dos meus sonhos, é meu refúgio, minha pasargada, um dia ainda vou mora lá3
e andarei de trem e escreverei cartas lindas de dentro dos vagões

beijos saudosos
Somnia Carvalho disse…
Ed, é isso... Berlim é bom demais porque permite a gente viver vários lados que cohabitam com a gente mesmo...
Somnia Carvalho disse…
Ed, é isso... Berlim é bom demais porque permite a gente viver vários lados que cohabitam com a gente mesmo...
Somnia Carvalho disse…
Ed, é isso... Berlim é bom demais porque permite a gente viver vários lados que cohabitam com a gente mesmo...

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que