Pular para o conteúdo principal

Mãe qué é mãe mesmo...


(Picasso, Mãe e criança, 1921)

Mãe qué é mãe mesmo...
Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava.
Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava.
Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho.


Mãe qué é mãe mesmo...
Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar.
Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa.
Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo.

Mãe qué é mãe mesmo...
Ama e odeia, ama e odeia.
Às vezes chora e muitas vezes sorri.
É ao mesmo tempo carrasca e heroína.

Mãe...
é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços.
Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

Comentários

Ed. disse…
amor de mãe é o único que vale a pena.

ainda bem que a minha vem este final de semana. em tempos de crise de carência só o colo dela resolve.

bjos
Somnia Carvalho disse…
Eu daria muitos trocados hoje para ter a minha aqui...

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nela. Nest

"Em algum lugar sobre o arco íris..."

(I srael Kamakawiwo'ole) Eu e Renato estávamos, há pouco, olhando um programa sueco qualquer que trazia como tema de fundo uma das canções mais lindas que já ouvi até hoje. Tenho-a aqui comigo num cd que minha amiga Janete me deu e que eu sempre páro para ouvir.  Entretanto, só hoje, depois de ouvir pela TV sueca, tive a curiosidade de buscar alguma informação sobre o cantor e a letra completa etc. Para minha surpresa, o dono de uma das vozes mais lindas que tenho entre todos os meus cds, não tinha necessariamente a "cara" que eu imaginava.  Gigante, em muitos sentidos, o havaiano, e não americano como eu pensava, Bradda Israel Kamakawiwo'ole , põe todos os estereótipos por terra. Depois de ler sobre sua história de vida por alguns minutos, ouvindo " Somewhere over the rainbow ", é impossível (para mim foi) não se apaixonar também pela figura de IZ.  A vida tem de muitas coisas e a música é algo magnífico, porque, quando meu encantamento por essa música come