Pular para o conteúdo principal

Foi dada a largada: vote no melhor texto do concurso!


Boa noite gente querida!

A primeira edição do concurso de textos do Borboleta,  "Uma foto, mil lembranças", teve encerramento na semana passada e, ao meu ver, foi um sucesso!

Com 16 participantes, 14 mulheres e 2 homens, a cada vez que eu postava um texto (eu não estou sendo exagerando ou fazendo teatro) e uma foto eu pensava: "Caramba! Como vou fazer para escolher apenas um texto se eu gosto de tantos??".

Embora no meu caso eu vá poder escolher dois (ufa!), já que tenho dois computadores em casa e é possível votar uma única vez em cada máquina, ainda assim - no momento em que escrevo este post - ainda estou em dúvida quanto ao segundo. Tenho meus preferidos, mas eles se dividem em qualidades muito distintas.

Talvez as memórias e fotos trazidas possam ser classificadas em três grandes categorias: 

- as memórias familiares
- as memórias de viagem
- as memórias poéticas.

E se é possível agrupar alguns textos por estilos ainda há outras qualidades que os tornam tão únicos. Há, por exemplo, textos que, além de belos, foram do ponto de vista gramatical perfeitamente escritos; há aqueles mais tristes os quais me levaram a me identificar com cada linha e reviver minhas próprias memórias; há textos tão verdadeiros e sinceros que eu desejei ardentemente abraçar quem o havia escrito e me senti mais próxima dessa pessoa e de sua memória do que já senti sobre lembranças de gente com quem convivo a vida toda.  Há ainda os textos poéticos, cheios de beleza e leveza capazes de nos  fazer balançar ao som das letras...

Por essa razão eu convido vocês a tentarem ler a maior parte de textos possível. Se der, todos eles! Vale muito a pena! E então escolha aquele que mais lhe agradou, o que você achou mais bonito, mais marcante ou mais bem escrito, mais conectado com a foto descrita etc . Decida a partir do critério mais importante para você e vote!

Só lembrando que a única exigência clara do concurso era escrever um texto de memórias baseado numa fotografia.

Em ordem alfabética pelo nome dos autores os textos concorrentes são estes abaixo:

- Adriana Cechetti, Sempre existirá Paris.
- Ana Flávia, Quando Euripa conheceu a Europa (do blog "Europrosa").
- Beth Q., Para sempre em meu coração, dos blogs "Mãe Gaia" e "Me and you".
- Célia Barbosa, "O primeiro vôo solo da minha pequena"
- Daniela Zuim, O mundo é grande e não cabe na tela.
- Ed Cruz, Onde mora a Felicidade?, do blog "O vermelho nítido no vestido branco"
- Elaine Carvalho, "Uma foto ruim e intrigante de uma época boa", do blog "Verdades e Insanidades".
- Gislaine Widmer, Duas meninas (ou três, quatro...)
- Glória Leão, "Esperança", dos blogs "Café com bolo & poesia" e "Café com bolo & Glorinha"
- Grace Olsson, Há mais amor entre o céu e a terra do que julga nossa vã filosofia, do blog Grace Olsson, fotografi".
- Kátia Celeiroz, Tempos Felizes, do blog "Literatura Mundana".
- Loide Branco, Lembranças em preto e branco, do blog "Vida de estudante, de malas quase prontas".
- Maariah, Um momento de alegria, do blog "As minhas singularidades".
- Marina Barbosa, Memórias do Alto Rio Negro.
- Ricardo Perez, Sobre sonhos e memórias.
- Stella Bataglia, Alegria, alegria! Esta foto é nossa!

Peço ainda que divulguem o concurso e a votação em seus blogs, para suas leitoras e leitores, suas amigas e amigos, a família, os colegas de trabalho.


A votação foi aberta hoje e fica do lado direito do blog. Como dito, cada pessoa só pode usar seu computador para votar uma vez em apenas um dos candidatos. O encerramento dos votos será dia 23 de Outubro (resolvi prorrogar um pouco o prazo inicial dado antes) as 23:59 do Brasil. Na segunda, dia 24, nós saberemos quem foram os três textos vencedores e as ganhadoras ou ganhadores das três pinturas que farei com muito carinho exatamente para este fim.

VOTAÇÃO CONCURSO: "Uma foto, mil lembranças"
Início: 03 de Outubro 
Encerramento: 23 de Outubro 
Onde? Na enquete do lado direito do blog
Divulgação do resultado: 24 de Outubro
Prêmios: 1o., 2o. e 3o. colocados: pinturas, a serem enviadas via Correios.


Valeu muito pelo incentivo, pelos comentários e por buscarem memórias tão pessoais e as dividirem com a gente!

Comentários

Lu Souza Brito disse…
Oi Somnia, tudo bem?

Vou ler todos. Alguns já tinha lido, como o da Beth, da Glorinha, da Grace, a que fala sobre Paris...mas para relembrar!!!

Um grande beijo
Mari disse…
Olá somnia,

não escrevi mas estou adorando ler. Acabei de dar o meu voto. Eu gostaria de ter votado em 2 deles... acho que me tocaram muito por causa das coisas que estao acontecendo na minha vida no momento, mas acabei me escolhendo só um.
bjs
Tatiana disse…
Ai Sônia! Li todos, acompanhei o concurso desde o começo. Só não escrevi porque acabei não tendo tempo. E agora votar está sendo uma tarefa dificílima...
Parabéns a você por esse concurso belíssimo e a todos que participaram. Adorei!

bjus
Beth/Lilás disse…
Soníssima!
Tá lá o post,pode conferir.
beijusssssss

(não precisa aprovar este comment, ok)
Nina disse…
Sonia, acabei de votar,mas como tenho dois preferidos, vou ligar mais tarde o outro pc e votar novamente no meu outro preferido. Tomara que possa fazer isso :-)

bjs e parabéns pra todos que escreveram aqui,tudo mt lindo!
Nina disse…
oi,voltei e votei de novo,agora no segundo texto :-)

Beijinho!

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que