Pular para o conteúdo principal

"Uma foto, mil lembranças": Onde mora a Felicidade? hoje, texto de Ed Cruz.

(Janela da ex-casa de Ed Cruz, no centro de S. Paulo, foto de Ricardo Perez)

Eu já havia apresentado a vocês este meu amigo querido. No meu "Prefácio Esperançosíssimo" eu desejava que Ed Cruz, cujo talento ainda ficava sob a sombra de alguns medos, pusesse para funcionar seu projeto de publicar o intenso livro que escreveu e me pediu para ler em primeira mão. 

Hoje, algumas coisas já mudaram. E Ed, como já fez nossa outra participante Glorinha, cujo livro continua conquistando corações e mentes por aí,  está literalmente indo atrás de seu sonho. Meu prefácio poderá se tornar verdadeiro! O que tenho a dizer? 

Só o sonho sem o talento ficaria difícil. Um sonho sem nenhum chão sólido vive mais no mundo da imaginação. Agora com o talento de vocês dois, queridos, nada pode  emperrar sonho algum!

Nossa primeira participante foi uma fotógrafa, Grace Olsson, a segunda, uma "dona de casa formada em Letras", Beth Lilás, a terceira, Gloria Leão, escritora,  e a quarta pessoa, Ed Cruz, trabalha com televisão e é também escritor. 

Agora estamos esperando pelos engenheiros, biológas, estudantes, jornalistas, pedagogos, psicólogas, donas de casa, professores, aposentados e você aí que está com aquela vontade de enviar o texto mas só estava esperando este post para criar coragem!

Obrigada Ed!!!

...


Felicidade.

"Um dia me perguntaram o que era felicidade.
Eu era jovem ainda. E jovem respondi: É sonho!
Eu achava, naquele tempo em que minhas mão viviam lambuzadas de vida, que a Felicidade era um lugar.
Pra onde eu ia.
Era o desconhecido, era o novo, o mundo depois da montanha russa.
Eu embarquei, comprei meu bilhete com todas a economias guardadas no cofre de lata, gasto e velho.
Era o sonho, essa tal felicidade.
Eu me perdi.
O carrinho descarrilhou, derrapou na curva, se soltou, eu cai.
Lentamente e sem fim.
Depois da subida fatal, aquela primeira em que o coração quase vem a boca e o céu é o limite.
Eu cai, com as mãos para cima, sorriso no rosto, olhos fechados.
Eu desci.
No poço de mim.
O tempo passou. O trilho enferrujou. O parque fechou.
O sonho acabou?
Enquanto eu estava lá embaixo no profundo de mim. Eu entendi. Anos depois.
A felicidade não é o objetivo. O ponto final.
Ela é o caminho, a estrada.
Não palpável. É gota leve na testa em um dia quente.
Ela é coca-cola gelada na garganta seca. O vinho no dia frio
O mar a noite. As mãos quentes da mãe. Os braços fortes do pai.
O beijo na testa e o sorriso suspenso. É um quadro, um texto. Um telefone que toca.
Três vasos na janela. Fim do dia.
Se me perguntarem agora ( me perguntem!) eu responderei sem hesitar:
Felicidade é a janela depois da porta.
É a janela, depois do sonho!
É uma escolha. Para te-la basta abrir e deixar que as flores cresçam nos trilhos da vida.
A felicidade meu amigo, está ali."

Comentários

chica disse…
Linda e tão emocionante a participação do Ed. Adorei.Foi fundo!


beijos,chica
Dri Cechetti disse…
Amei! Ed como sempre com seus textos profundos e cheios de emoção! Lindo! Lindo! Lindo!
Lindo, adorei o texto do Ed! Parabéns Soníssima! está muito legal esse concurso...cada um melhor que o outro...vai ser difícil escolher, viu? beijos,
Beth/Lilás disse…
Bonito texto do Ed.
Este concurso está de alta categoria, estou gostando de ver.
bjs cariocas
Ed. disse…
Ah, que emoção ver o texto aqui, nesse blog tão amado.
Obrigado queridíssima! pelo concurso, por me convidar!
Celina Dutra disse…
Ed,

A felicidade (que eu chamo também de girassol) está em poder ler seu texto.

Girassóis nos seus dias.
Beijos
Ed. disse…
Obrigado Celina!
Obrigado pelos girassóis!
Beleza Ed!
A felicidade nem existe. O que existe, brevemente, é ser feliz. É apenas um estado de espírito momentâneo. Panta Rei!

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que