Pular para o conteúdo principal

O primeiro dicionário a gente nunca esquece!


Estava hoje lendo sobre o dicionário criativo do Felipe Islajii lá na Lola, a mulher mais antenada do planeta, e já nas primeiras linhas uma avalanche de memórias me tomou. Lembrei-me de meu primeiro dicionário.

Capa preta de tecido, com letras em dourado, aquele livro foi um verdadeiro luxo que pude ganhar de meu velho pai quando eu era criança.

Em casa não havia livros. Meu pai estudou até o antigo mobral (4 anos de uma escola capenga) e minha mãe, apesar da loucura por estudar, nunca pôde ir à escola. Primeiro meu avô proibia, depois meu pai.

No Brasil do início dos anos 80 essa Sônia, muito caipira, caiu de amores pelo seu primeiro dicionário. Eu pesquisava e pesquisava palavras. Entrava num mundo nunca antes visto. Eu anotava os significados, eu falava em voz alta. Eu me sentia grande, descobrindo um universo só meu.

Meu velho dicionário, cujos dados editoriais eu não sei nada, hoje pertence a minha sobrinha Luana, uma outra menina simples do interior, cujos poucos livros a maior parte fui em quem dei. Eu a presentei com meu surrado dicionário há pouco tempo com a promessa de que ela cuidaria dele enquanto usasse e, se não precisasse mais, me devolveria.

O projeto do Felipe convida todo mundo a entrar no site Catarse e adotar uma palavra, colaborando assim com sua criação no dicionário. E eu espero que ele tenha muita gente para se apaixonar pelas palavras, pelo dicionário criativo como um dia eu fui pelo meu dicionário impresso.

Eu me deixei levar pela idéia, tive uma catarse e adotei uma palavra. Você é capaz de adivinhar?

MEMÓRIA é a minha palavra.

E fiquei louca para saber:

Você se lembra de seu primeiro dicionário?
Por qual palavra você é apaixonada (o)?

Comentários

Soníssima! Cosulto dicionários desde que me entendo por gente! Toda vez que perguntava ao meu pai o significado de uma palavra ele dizia: Vai lá, no pai dos burros e procura...eu ia, mas com raiva...mal sabia eu que ali estavam minhas primeiras lições como escritora. Não lembro da capa, nem de quem era, mas como foram e são importantes pra mim! beijos,
Wilqui Dias disse…
Post lindo...recordar é viver literalmente...esse dicionário ai seu, quer dizer agora ja nao mais seu..é quase uma jóia de família heim?? passado de uma geração para outra. rss legal.
sua perguntinha do final...sobre lembrar de dicionário, ou melhor da palavra né? Menina vc me fez voltar aos meus 6 anos de idade, eu na escola passou um cara nas sala vendendo livros e dicionários..o aluno olhava levava um fichinha para os pais, se eles tivesse grana vc e depois de vc pedir muito..... eles preenchiam aquele papel e lhe davam a grana...no outro dia o cara passava na sala recebia a grana que vc ja tinha dado para professora... e você voltava super feliz com seu dicionário para casa....nesse caso..esse monte de vc que usei era..euzinha aqui... me lembro desse fato até hoje...lembro que cheguei em casa eufórica pedindo, mae compra esse livro??? Por o homem falou que nele tem a maior palavra da lingua portuguesa...INCONSTITUCIONALISIMAMENTE ....Nem lembro mais se a escrita é essa mesma.. ( e acho que agora já existem outras maiores tb) mas, lembro que essa foi a regra..da minha mae..se vc aprender a dizer bem rápido eu compro!!....eu tinha apenas horas...algumas horas para aprender esse dragão da língua e apenas 6 anos...mas lembro que acordei com a palavra na ponta da lingua...e ganhei o dicionário....adorei o post. recordar é viver....literalmente.
Soníssima, mandei meu texto pro seu email e voltou...acho que vc colocou errado...me manda um email certinho? Meu email é criia2@hotmail.com
bjs,
Somnia Carvalho disse…
Glorissima!

eu sempre comento este erro besta! troco gmail por blogspot...

o endereço correto é:

borboletapequeninanasuecia@gmail.com

ou

somnia.carvalho@gmail.com

beijos! to esperando! ueba!
Beth/Lilás disse…
Soninha,
Também aprendi a usar o dicionária na infância, naqueles tempos o ensino, mesmo o público, era bom e incentivava o uso do mesmo.
Fui lá no site do amigo que indicas, achei interessante e cheio de alternativas, mas não entendi direito o que significa.
Mas se tivesse que escolher uma palavra que eu ache bonita, talvez, seja ... mágica.
Gosto dela.
bjs cariocas
Anônimo disse…
Puxa, eu tinha um Aurélio feinho...eu gosto de tanta palavra, mixirica, fofo, ventinho, liquidificador...
Lúcia Soares disse…
Nossa! Difícil escolher uma palavra da qual goste mais! São muitas, viu?
Meu pai (já contei muito em meus textos) era um apaixonado pro dicionários, manuseava um o dia todo, sem brincadeira! Volta e meia olhávamos e lá estava ele, assentado na varanda, de pijama, com o dicionário nas mçãos. Isso, já mais velho, aposentado. Mas dede noo o víamos assim, à noite, ou na hora do almoço, antes de voltar ao trabalho.
Ele rabiscava nossos trabalhos, fazendo-nos corrigir um mínimo de erro, mas invalidava a página e tínhamos que refazer o texto todo..rsrrs Por isso tenho verdadeira paixão pelas palavras, e presto mesmo muita atenção para não errar, mas não sou, nem de longe, infalível, né? rsrs
Acho que minha palavra preferida é VIDA!
Beijo!

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que