Pular para o conteúdo principal

Procrastinar jamais! Por que hoje é Sexta-feira!!!

(Fugacidade n. 1, Somnia Carvalho, com uma sugestão de moldura)

Gente boa!

Eu já falei várias vezes de como sou uma pessoa um tantinho confusa com projetos objetivos e como me enrolo e passo de uma tarefa à outra porque eu tenho uma tendência bem forte a conjugar o verbo procrastinar.

Eu realmente admiro quem se propõe a fazer uma coisa e faz exatamente aquela coisa a qual se propôs como, por exemplo, meu querido companheiro. Eu posso começar uma tarefa como preencher um currículo e, depois de 15 minutos, me pegar instalando um lustre no lavabo.

Entretanto, desde que criei o "Toda Sexta-Feira" eu posso dizer que sou uma outra mulher! :)

Tenho me sentado todos os dias um pouco e trabalhado em vários projetos disso e daquilo, em encomendas, pinturas, reformas, colocação de minhas coisas em loja, idéia de sarau com uma amiga, tentado retomar minhas aulas etc. O fato de tentar pintar o que tenho em mente para publicar no blog para vocês faz com que eu me movimente e as coisas de fato andem.

Obviamente eu faço isso entre 11 a 12 fraldas trocadas por dia, almoço, janta, casa, brincadeiras, banhos, colocação de criançada pra dormir... mas o bom é que eu fiz algumas coisas e tenho feito! Parei de conjugar o dia no gerundio!

Dizem os "especialistas" que procrastinar é algo natural do ser humano, afetando, sobretudo, pessoas em fase escolar. Adiar entrega de trabalhos até o último dia e estudar para a prova na noite anterior é um atitude muito comum entre a maior parte dos estudantes. Como resolver o problema se ele persiste quando a gente passou dessa fase e precisa, de fato, ter os resultados antes que o prazo vença?

A saída, dizem eles, é programar-se e estabelecer metas e prazos. Assim tem funcionado para mim o novo blog, porque como eu já havia percebido que escrever e fazer blog vicia, eu juntei o útil ao agradável.

Não saiu venda oficial ainda. Ainda continuo oficialmente desempregada (afinal as faculdades agora só irão contratar ano que vem), mas já está me fazendo um bem danado! Além do que alguma coisa só tem chance de acontecer se ao menos os primeiros passos forem dados! E eu... eu os dei! Uhuuuu!!!

(Fugacidade n. 1 e n. 4, Somnia Carvalho, sugestão de moldura)

Como algumas pessoas estavam em dúvida sobre o tamanho das novas pinturas (Fugacidade) que venho fazendo, já que normalmente eu faço coisas muita grandes, e também como usar uma pintura vendida em papel aquarela, eu resolvi colocar aí umas fotos (bem ruins de qualidade na verdade) de como se pode enquadrar o trabalho. Eles são pequeninos. Haverá maiores, em tela, mas ainda estou trabalhando a forma de fazê-lo em tela. Não é fácil, na verdade.

Essa moldura é removível. Então, quando for vendido, eu posso enviar sem ela, okey?

Para sair um resultado assim normalmente preciso testar muito, errar, fazer de novo, tentar de outra e outra forma, com muitos materiais até chegar no que desejo interiormente. Dá trabalho e é este trabalho de criação, ao mesmo tempo intelectual, de onde vem o tesão da coisa!

Tô adorando! E só posso dizer uma coisa: continuem apoiando a maluquinha aqui com as visitas no Sexta-Feira, porque se continuar assim eu não procrastinarei...

Jamais!

Ah! E vocês já pararam para ouvir a canção "oficial" do  "Toda Sexta-Feira"? A música é da Adriana Calcanhoto, mas está lá na voz da Belô Velloso, baiana, o que dá um toque especial à letra! É quase contraditório que uma música tããão preguiçosa me dê tanto ânimo, mas é assim que funciona! Eu já disse que tenho botões a menos!

Vale a pena ouvir!

Ótima Sexta-Feira!!!

"...toda sexta-feira tooooodo o mundo é baianuuuu junnnntuuuu..."


Comentários

Beth/Lilás disse…
Soninha,
Esses teus quadros ficaram lindões com estas molduras, muito fashion sobre esta parede de pedrinhas, adorei!
E eu acho muito bom que você esteja conseguindo conjugar estas coisas, mesmo entre fraldas e mamadeiras, pois o seu lado artístico é enorme e não pode ficar estagnado.
]Vou lá ver o que você deixou para hoje.
beijins cariocas
Anônimo disse…
Gostei muito, as molduras sao ligeiras, suaves.
Beijo grande e muito êxito.
Marinêz

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que