Pular para o conteúdo principal

"Todos nós nascemos loucos, alguns permanecem"


Essa frase ma-ra-vi-lho-sa do dramaturgo Samuel Becket é das minhas preferidas!
Tenho-a escrito em vários lugares e ultimamente escrevi numa lousa negra que fiz na parede de meu escritório-ateliê.

Talvez eu goste tanto porque ela me pareça um excelente consolo:

Número 1: Não sou eu a única a ter nascido maluca.
Número 2: Mesmo tendo permanecido assim também não estou navegando por estes mares e tormentas sozinha.
Número 3: Permanecer louca é o que só alguns conseguem. :)

Esta semana me inscrevi em um dos salões de arte que acontecem pelo país. Apesar de estar me inscrevendo também nas universidades para voltar a lecionar, os programas de incentivo à cultura (dê uma olhada no "Mapa das Artes") fazem com que quase todos os estados e várias cidades organizem mostras de arte e reúnam as novidades desta esfera. E é uma forma excelente de entrar em contato com o que se anda fazendo por aí!

Chances? Não sei apostar quais tenho e se tenho. Só sei que não ganha na loteria quem nunca comprou um bilhete. Acho, porém, que só tenho a ganhar com isso. Inclusive porque fazendo todo o dossiê exigido para a inscrição, separando o que já fiz até hoje, imprimindo as obras etc foi um exercício excelente de aprendizado. Foi também uma forma de jogar um olhar mais otimista sobre o que eu mesma faço e assumir que eu já faço isso há 10 anos caramba! Então eu realmente devo gostar de pintar!

Falando com uma amiga com quem morei na época da graduação, ela me dizia como A-MA cantar. Eu sei disso. Todo mundo sabia. A gente vivia fazendo faxina na casa, às terças-feiras, e sempre virava em sarau, com os vizinhos chegando, com a gente cantarolando em volta dela e de sua voz adoravelmente doce. Como eu, a Dri Silveira, também havia escolhido outra carreira que também amava. No meu caso, filosofia, no dela, letras e literatura.

Ainda assim a gente precisa dessa energia da música, da pintura. É um jeito de se sentir vivas! Mais vivas... Creio...

Talvez continuar louca faz parte do jogo. O problema para Becket era quem se entregava ao status quo.

Ah! E hoje é o dia da semana que eu mais adoro! Então, tem novidade no "Toda Sexta-Feira"!

E... ótimo fim de semana pra todas e todos vocês!!!


Comentários

Todo poeta é louco...so...tb estou nesse mesmo barco que vc, Borboleta! Que a sanidade nunca nos acometa! Viva a loucura criativa! beijos,
Mari disse…
Eu amo este seu blog, mas tenho dificuldade em comentar porque nunca consigo dizer simplesmente um parabens. Sempre , nunca acabo pensando muito na minha vida e neste post, eu fico pensando em como tento ser normal. Eu adoro fazer varias coisas, mas nunca as mostro, nunca me exponho muito, nunca me arrisco. Tenho pensado muito nisso porque ultimamente me arriscar é uma necessidade e ainda assim eu tenho medo. Vc me inspira e me dá energia para dar a cara a bater, criar coragem de simplesmente arriscar. E vc é o melhor exemplo de que esse é o caminho. Boa sorte nesta empreitada.
bjs
Lúcia Soares disse…
Sucesso pra você.
Está no caminho certo, o artista tem que (se) expor, senão como será visto?
Há muito tempo comentei num post seu que ainda diria pra todo mundo que "sou amiga da Somnia Carvalho,a
pintora", lembra? rsrs (mais ou menos assim, não me lembro da frase).
Concordo plenamente que o artista vive em um mundo à parte, senão como "viajaria" pela imaginação, criando? Tenho um irmão artista até no fundo da alma, mas que se deixou levar por outros caminhos.
Beijo!
Beth/Lilás disse…
Eu sou sua fã ardorosa, sabes disso né!
Lindo fim de semana para todos desta linda família.
bjs cariocas

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que