26 agosto 2011

"Todos nós nascemos loucos, alguns permanecem"


Essa frase ma-ra-vi-lho-sa do dramaturgo Samuel Becket é das minhas preferidas!
Tenho-a escrito em vários lugares e ultimamente escrevi numa lousa negra que fiz na parede de meu escritório-ateliê.

Talvez eu goste tanto porque ela me pareça um excelente consolo:

Número 1: Não sou eu a única a ter nascido maluca.
Número 2: Mesmo tendo permanecido assim também não estou navegando por estes mares e tormentas sozinha.
Número 3: Permanecer louca é o que só alguns conseguem. :)

Esta semana me inscrevi em um dos salões de arte que acontecem pelo país. Apesar de estar me inscrevendo também nas universidades para voltar a lecionar, os programas de incentivo à cultura (dê uma olhada no "Mapa das Artes") fazem com que quase todos os estados e várias cidades organizem mostras de arte e reúnam as novidades desta esfera. E é uma forma excelente de entrar em contato com o que se anda fazendo por aí!

Chances? Não sei apostar quais tenho e se tenho. Só sei que não ganha na loteria quem nunca comprou um bilhete. Acho, porém, que só tenho a ganhar com isso. Inclusive porque fazendo todo o dossiê exigido para a inscrição, separando o que já fiz até hoje, imprimindo as obras etc foi um exercício excelente de aprendizado. Foi também uma forma de jogar um olhar mais otimista sobre o que eu mesma faço e assumir que eu já faço isso há 10 anos caramba! Então eu realmente devo gostar de pintar!

Falando com uma amiga com quem morei na época da graduação, ela me dizia como A-MA cantar. Eu sei disso. Todo mundo sabia. A gente vivia fazendo faxina na casa, às terças-feiras, e sempre virava em sarau, com os vizinhos chegando, com a gente cantarolando em volta dela e de sua voz adoravelmente doce. Como eu, a Dri Silveira, também havia escolhido outra carreira que também amava. No meu caso, filosofia, no dela, letras e literatura.

Ainda assim a gente precisa dessa energia da música, da pintura. É um jeito de se sentir vivas! Mais vivas... Creio...

Talvez continuar louca faz parte do jogo. O problema para Becket era quem se entregava ao status quo.

Ah! E hoje é o dia da semana que eu mais adoro! Então, tem novidade no "Toda Sexta-Feira"!

E... ótimo fim de semana pra todas e todos vocês!!!


4 comentários:

Glorinha L de Lion disse...

Todo poeta é louco...so...tb estou nesse mesmo barco que vc, Borboleta! Que a sanidade nunca nos acometa! Viva a loucura criativa! beijos,

Mari disse...

Eu amo este seu blog, mas tenho dificuldade em comentar porque nunca consigo dizer simplesmente um parabens. Sempre , nunca acabo pensando muito na minha vida e neste post, eu fico pensando em como tento ser normal. Eu adoro fazer varias coisas, mas nunca as mostro, nunca me exponho muito, nunca me arrisco. Tenho pensado muito nisso porque ultimamente me arriscar é uma necessidade e ainda assim eu tenho medo. Vc me inspira e me dá energia para dar a cara a bater, criar coragem de simplesmente arriscar. E vc é o melhor exemplo de que esse é o caminho. Boa sorte nesta empreitada.
bjs

Lúcia Soares disse...

Sucesso pra você.
Está no caminho certo, o artista tem que (se) expor, senão como será visto?
Há muito tempo comentei num post seu que ainda diria pra todo mundo que "sou amiga da Somnia Carvalho,a
pintora", lembra? rsrs (mais ou menos assim, não me lembro da frase).
Concordo plenamente que o artista vive em um mundo à parte, senão como "viajaria" pela imaginação, criando? Tenho um irmão artista até no fundo da alma, mas que se deixou levar por outros caminhos.
Beijo!

Beth/Lilás disse...

Eu sou sua fã ardorosa, sabes disso né!
Lindo fim de semana para todos desta linda família.
bjs cariocas