Pular para o conteúdo principal

Uma foto, mil lembranças: Quando Euripa conheceu a Europa, texto de Ana Flávia

(Ana Flávia e sua mãe, Dona Euripa, na Irlanda)

Hoje é sábado e eu adoro sábados!

Normalmente minha alegria contagiante do fim de semana começa na sexta e o sábado é o dia "mais fim de semana" por excelência. É um dia que quero coisas gostosas e bonitas, começando por um demorado e delicioso café da manhã, por ler (tentar ler) um bom livro ou uma poesia. Por pintar ou rabiscar algo numa tela, encontrar gente querida, ouvir aquela música especial e sentir-me juntinha à família.

Por essa razão me dá um prazer enorme postar este texto, enviado pela Ana Flávia, do blog Europrosa, para vocês saborearem. A Ana é brasileira e mora em Viena. Uau! Que inveja! E em seu blog ela conta bastante sobre o país onde vive e suas viagens. Há tempos em que a Ana sempre me deixa comentários muito carinhosos, críticos e positivos no Borboleta. Ela tem uma aura, uma energia boa que emana até nas palavras.

Semana retrasada, quando recebi e li a história dela e sua mãezinha Euripa, foi difícil conter as lágrimas. De um lado uma mulher cuja vida é exemplo de perserverança, de otimisto e força. De outro, uma jovem mulher quem consegue ver em sua mãezinha simples todas essas qualidades. Consegue vê-las em tempo de aprender com ela, de retribuir tanta dedicação e amor.

Com vocês a Europa, Dona Euripa e Ana Flávia. Obrigada Ana!

...


"Essa, à direita, é minha mae, no dia em que chegou à Dublin, Irlanda.


Ela chegara à ilha esmeralda no dia do Reveillon, pra participar de meu casamento que ali se realizaria.


Essa era a primeira viagem internacional de minha querida. Era o primeiro carimbo no passaporte; e, já que viajava para as terras menos ensolaradas, mãezinha nutria o desejo de ver a tao famosa e bonita de ser ver- a neve. Entremente, a Irlanda, embora gelada, não é terra em que se neve. Quer dizer, nao nevava por lá havia 11 anos e mãezinha fora encorajada a desistir do sonho de ver esses famosos floquinhos brancos.


Então partira minha mae de Goiânia pra Irlanda, com conexões em São Paulo e Paris. Em virtude da data, a companhia aérea francesa serviu champanhe durante toda a noite. Dona Euripa se sentira em tudo muito chique. Ah, como essa Euripa que vai à Europa para o casamento da filha, que bebe champanhe e aprende de última hora a dizer "thank you" é tão inimaginável para a Euripa de meio seculo atrás.


Essa de outrora nascera no campo e por lá vivera até a idade adulta. Órfa aos cinco anos, porque o pai alcoólatra surrou a mãe que havia acabado de parir um menino, essa morreu na manhã seguinte, o pai sumiu, minha mãe fora recolhida por um casal de fazendeiros que por muito resistiram e quase não a enviaram para o grupo escolar.


Ela, que limpara o fiofó com folha de goiaba, vaso sanitario só foi ver aos 20 anos, que bebia leite direto do peito da vaca, que trabalhara sem parar e o dia começava às 3 da mãnha, e pra lavar roupa, o sabugo de milho era a escova.


Ela, que fora abandonada pelo amor de uma vida inteira com 4 filhos pra criar, passara fome, , distribuia os filhos em internatos ou com madrinhas, quando não lhes podia alimentar que a inflacão era tremenda e o salário não chegava ao fim do mês, nem mesmo só para um arroz com feijao; varrera ruas porque o salário era um tanto melhor que de doméstica, carteira assinada, férias, creche gratuita para a pequena...


Esforçando-se ao máximo, resignando- se com todas as adversidades e seguindo sempre adiante, nunca desistiu de acreditar numa vida melhor. Nunca deixou de acreditar e ensinar aos filhos que existe um criador, que por nós sempre olhava e que tudo sairia bem, tudom conforme a vontade Dele.


Funcionária exemplar da prefeitura, sem um único atestado ou falta ao longo de anos, forçou uma carreira: de gari foi transferida para os servicos gerais da educação, foi promovida a cozinheira e mais tarde a assistente na creche pertinho de casa. 25 anos de carteira lhe garatiram quiquenios e outros benefícios financeiros. Hoje, só trabalha meio período, serviço leve e condizente com a idade e condicões fisicas.


Ajuizada e simples, desde que a filha partira pra estudar inglês na tal terra do São Patricio, arrumara um namorado por lá e só fala em nao voltar, passou Dona Euripa a juntar todo dinheiro que lhe fosse possível, porque nao ia perder a oportunidade de ir ver com os próprios olhos onde e como é que é essa tal de Europa que tanto encanta a filha que não quer mais voltar pra casa.


Assim, com passagem paga de seu próprio bolso, chega ela na Irlanda. Os céus, como reconhecimento de sua fé, mandam a neve. Estávamos todos na sala a beber, quase meia noite de ano novo, tv ligada à espera do fogos, a neve comeca, mãe e filha botam uma jaqueta e saem destrambelhadas escadaria abaixo de pantufas nos pés, pra ir ver com olhos e maos a neve.


Como é bonito a neve e tudo branquinho. Como é bonita essa Europa. A mae entende porque a filha quer ficar."

Ana Flavia, Europrosa

Comentários

Maariah disse…
Que bonita homenagem, muito emocionante.
Beth/Lilás disse…
E-mo-ci-o-nan-te!
Eu que não sou de chorar por qualquer coisa, fiquei aqui me contendo, e terminei o texto com vontade de aplaudir a Flávia por fazer-nos, num crescente, visualizar desde a dificuldade e tristeza à alegria de viver.
Que história bonita de vida a mãe dela teve, apesar de tanto sofrimento, superou a tudo, lutou, venceu e hoje pode aproveitar o que há de melhor para ser feliz.
Adorei o texto, nem precisava dizer né!
beijão carioca
Ola gostaria de convidà-la a conhecer o Clube das maes e pais blogueiros (http://maesepaisblogueiros.com), uma Rede que se propoe a potencializar a voz materna na Internet! Aguardamos vc! um abraço!
Fica mesmo difícil conter as lágrimas, D. Euripa merecia a neve!
abs
Jussara
Danissima disse…
Ana Flavia e Euripa, que vontade abraça-las!
Soníssima! Estou aqui corando aos borbotões...que estória mais linda, mais emocionante, mais final feliz! Por essas e por outras é que eu acho que toda estória de vida daria um livro! cada um de nós tem tanta estória, tanta emoção, tanta dor e alegria pra compartilhar...a vida, muitas vezes é muito mais bonita do que a ficção....amei esse texto! beijos à Euripa, e à Flávia por esse amor regado à flocos de neve...bjs, procê tb!
Escrevi errado, CHORANDO....foi a emoção...bjs
Celina Dutra disse…
Maravilhoso, Ana Flávia! D. Euripa é mulherão!!!

Girassóis nos seus dias.
beijos
Macá disse…
Gostei muito da dedicação da filha à sua mãe - mulher simples, guerreira, agradecendo à vida - thank you - e que sem medo foi lá verificar o porque da filha não querer voltar - e acabou realizando seu sonho.
Emocionante.
bjs
affy, adoro o europrosa, mas esse post foi foda. lagrimas nos olhos, sonia! eh preciso ter mto respeito por gente assim, viu... ;/

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que