Pular para o conteúdo principal

Dicas de escrita e criação para que você participe do concurso "Uma foto, mil lembranças"


Gente bonita,

Tenho recebido mais alguns textos, igualmente deliciosos, lindos, cheios de inspiração, para participarem do concurso "Uma foto, mil lembranças".

Eu já vinha publicando aqui no blog os textos participantes e agora continuarei fazendo, tentando intercalar estes já recebidos com outros posts do blog.

Muitos de vocês me escreveram dizendo ter muitas fotos e não saber qual delas tomar para escrever, ou muitas idéias sem as fotos. Outros e outras, ainda, me disseram ter ambos, mas simplesmente não conseguir começar o processo de criação do texto, apesar de estarem loucos para participar.

Aqui vai algumas dicas simples, talvez até óbvias para uns, mas não para outros quem estão com alguns desses problemas.

Sobre a seleção de fotos e textos:

1o. Tente tomar as fotos que gostaria de trabalhar nas mãos. Olhe com calma, sem forçar qual foto deverá ser ou qual história precisa ser contada.
2o. Deixe que o texto flua naturalmente, salte de uma delas. Não force um texto para uma foto, porque será muito mais difícil criar.
3o. É mais fácil escrever um texto para uma foto. O propósito é que você tenha uma foto e ela lhe suscite tantas lembranças que elas apenas pularão da sua mente, de sua história e memória para a folha do papel.
4o. Não se fixe em escolher uma foto bonita, bem feita etc. A foto precisa apenas suscitar muitas, mil lembranças as quais você esteja interessado em partilhar.


Sobre como começar a escrever seu texto:

Tente não escrever pensando em ganhar o concurso, pensando em agradar a mim ou a qualquer outro leitor. Não pense em como os outros escrevem os textos deles, concentre-se apenas em sua foto e no seu texto. Se você está travado para escrever é possível fazer alguns exercícios de escrita e o que eu chamo de exercício de fluxo de consciência.

Os melhores textos são aqueles naturais. São aqueles nos quais sentimos a alma genuína da pessoa e podemos entrar na história porque seu autor, visivelmente, não teve medo de mergulhar no interior e sua consciência. Então este texto precisa vir realmente de dentro. Não o contrário.

Entre os muitos exercícios que eu dava para meus alunos para "despertar" este fluxo de consciência, um deles e bem facinho é este aqui.

Exercício 1:

- escolha um lugar e um momento quieto para não ser interrompido
- pegue uma caneta, uma folha de papel
- não use lápis, não use borracha, não corrija nada enquanto escreva
- leia apenas uma palavra que escreverei abaixo e deixe passar para o papel exatamente as primeiras coisas que lhe vierem à mente depois de ler cada uma.
- tente não escrever palavras soltas, mas a sequência de eventos, pessoas etc que lhe vêm à mente. Por exemplo, se a palavra fosse "molho de tomate" e isso lhe lembrasse aquele domingo em família, há muito tempo, quando você derrubou um monte de macarrão da sua avó em sua camiseta branca, você escreveria exatamente isso... da forma como todas estas memórias lhe vierem à tona.
- faça uma de cada vez e só passe para a seguinte depois de ter escrito umas 5 linhas, ao menos, sobre a primeira. Daí sucessivamente.

1a : AMORA

2a.: CAFÉ

3a: DIA DE CHUVA

4a.: CHULÉ

5a.: BEIJO

Depois deste exercício, você provavelmente estará com menos entraves para partir para a foto. Então passe a escolher uma foto e tentar fazer o mesmo com ela. É importante livrar-se de algumas "muletas":

- Não use lápis
- Não use borracha
- Não apague o conteúdo e não releia enquanto escreva
- Tente usar caneta
- Não pare para pensar. Não pare para escolher palavras. Não para para corrigir gramática.
- Apenas escreva.
- Depois de 1 dia ou algumas horas você pode corrigir seu texto e reescrevê-lo

E aí é só me enviar:
 somnia.carvalho@gmail.com ou
borboletapequeninanasuecia@gmail.com).

Divulguem o concurso em seus blogs, para seus colegas e amigas e amigos. O mais legal dessa história toda é conhecer histórias que valem a pena! Conhecer mais gente através da rede, deixar com que a vontade de escrever não seja um desejo trancado na gaveta. Ver que o mundo flui através e para além de nós, que nossas histórias se convertem, que o Universo nos une em tantas parecidas ou tão diferentes maneiras de viver a vida.

E, como disse a Mariahh, minha querida leitora e uma das participantes, este talvez não seja apenas um desafio literário, talvez seja um desafio para também, ou "acima de tudo, libertar sentimentos".

....


Concurso de textos: "Uma foto, mil lembranças"

quem pode participar? qualquer pessoa, dona ou não de blog
prazo final para entrega de textos: 10 de setembro
eleição de melhor textos: votação por internautas no blog
prêmio: pinturas para os 3 primeiros colocados. 


Maiores detalhes neste link aqui.

Comentários

Anônimo disse…
Vou adorar divulgar!
bjs
Caca disse…
Olá! A Beth Lilás me indicou o seu blog e eu estou realmente interessado em participar dessa lembrança da fotografia. Tenho milhares aqui e milhares de histórias que gostaria de contar. Vou ver se consigo produzir algum texto até o prazo final, já que estou muito atarefado até o dia 10. Mas quando a gente quer, dá-se um jeito. Abraços e obrigado. Paz e bem.

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que